RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Chelsea Manning: Como as Forças Armadas Escondem a Verdade da América

terça-feira, 24 de junho de 2014 |

Neste post, Chelsea Manning fala sobre como a realidade apresentada no Iraque é manipulada pela mídia, baseado nas informações que tinha conhecimento enquanto atuava no exército americano naquele país. Manning,  anteriormente chamado de Bradley Manning, foi responsável e preso por revelar o vídeo "Assassinato Colateral", divulgado pelo Wikileaks, que mostra o exército americano assassinando a sangue frio 11 iraquianos, entre eles motorista e jornalista da Reuters, além de atirar contra crianças, enquanto faziam piadas de humor negro.

Quando eu escolhi para divulgar informações classificadas, em 2010, eu fiz isso por amor ao meu país e um sentimento de dever para com os outros. Agora estou cumprindo uma sentença de 35 anos de prisão por essas divulgações não autorizadas. Eu entendo que minhas ações violaram a lei.

No entanto, as preocupações que me motivaram não foram resolvidas. Enquanto o Iraque irrompe em uma guerra civil e os EUA novamente contemplam a intervenção, aqueles negócios inacabados devem dar nova urgência para a questão de como os militares dos Estados Unidos controlavam a cobertura da mídia sobre seu longo envolvimento lá e no Afeganistão. Eu acredito que os limites atuais sobre a liberdade de imprensa e o sigilo orçamental excessivo tornam impossível para os americanos compreenderem plenamente o que está acontecendo nas guerras que financiamos.

Se você esteve seguindo as notícias durante as eleições de março de 2010 no Iraque, você pode se lembrar que a imprensa americana foi inundada com histórias declarando as eleições um sucesso, com anedotas otimistas e fotografias de mulheres iraquianas exibindo orgulhosamente seus dedos manchados de tinta. O que dava a entender que as operações militares dos Estados Unidos tinham conseguido criar um Iraque estável e democrático.

Aqueles de nós ali a postos eram bem conscientes de uma realidade mais complicada.

Relatórios militares e diplomáticos vindos à minha mesa detalharam uma brutal repressão contra dissidentes políticos pelo Ministério iraquiano do Interior e da Polícia Federal, em nome do primeiro-ministro Nuri Kamal al-Maliki. Os detentos eram frequentemente torturados ou mesmo mortos.

No início daquele ano, recebi ordens para investigar 15 indivíduos a quem a Polícia Federal havia preso por suspeita de publicar "literatura anti-iraquiana". Eu descobri que esses indivíduos tinham absolutamente nenhuma ligação com o terrorismo; eles estavam publicando uma crítica acadêmica da administração do Sr. Maliki. Eu enviei este achado ao oficial no comando no leste de Bagdá. Ele respondeu que ele não precisa desta informação; em vez disso, eu deveria ajudar a polícia federal na localização de mais escritórios de publicações "anti-iraquianas".

Fiquei chocado com a cumplicidade de nossos militares na corrupção daquela eleição. No entanto, esses detalhes profundamente preocupantes voou sob o radar da mídia americana.

Não foi a primeira (ou a última) vez que eu me senti compelido a questionar a maneira como conduzimos a nossa missão no Iraque. Nós analistas de inteligência e os oficiais a quem relatamos, tiveram acesso a uma visão abrangente da guerra que poucos tinham. Como poderia tomadores de decisão de alto nível dizerem que o público norte-americano, ou mesmo o Congresso, apoiavam o conflito quando eles não sabem nem metade da história?

Entre os muitos relatórios diários que recebi por e-mail, enquanto trabalhava no Iraque em 2009 e 2010, estava uma informação dos assuntos públicos internos que listou artigos de notícias publicados recentemente sobre a missão americana no Iraque. Uma das minhas tarefas regulares foi a de fornecer, para o resumo dos assuntos públicos lido pelo comando no leste de Bagdá, uma descrição de uma única frase de cada questão abrangida, complementando a nossa análise com a inteligência local.

Leia mais:

- WikiLeaks: Vídeo mostra militares dos EUA matando jornalistas da Reuters no Iraque
- Bradley Manning: Janela Pela Qual se Vê a Alma Política dos EUA






Fontes:
- Disinformation: Chelsea Manning On How the Military Hides The Truth From America
- The New York Times: The Fog Machine of War

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;