RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

A Relação Secreta entre o Flúor, Higiene Dental e a Bomba Atômica

sexta-feira, 27 de junho de 2014 |

Blog Anti-NOM

Neste post vemos como as origens do uso do flúor nos dentes está estreitamente relacionado com o seu uso também na fabricação das bombas atômicas, e como uma descoberta sobre a toxidade do flúor em 1990, que deveria causar uma revolta popular, foi abafada e as suas pesquisas esquecidas. 

Em 1997, Joel Griffiths e Chris Bryson, dois jornalistas respeitados viram o abismo. Descobriram uma história tão arrepiante sobre o flúor que deveria ser informada ao público. O The Christian Science Monitor, o jornal que deveria publicar inicialmente seu artigo, acabou não publicando.

O artigo, intitulado "Fluride, Teeth and the Atomic Bomb" (O flúor, os dentes e a bomba atômica), acabou sendo publicado em vários sites na web, às vezes com distorções, supressões e adições. Eu falei com Griffths, e ele me disse para certificar-me de ler uma cópia correta do artigo. (Pode ser encontrada aqui em inglês: Fluoride Alert: Fluoride, Teeth and the Atomic Bomb


Griffiths também me disse que os pesquisadores que estudam os efeitos do flúor observando comunidades com água potável fluoretada, e comparando os dados com os de comunidades com água não fluoretada, não veem um ponto importante: o flúor está em toda parte; são utilizados na indústria farmacêutica na fabricação de medicamentos e também são usados em muitos outros setores (por exemplo, alumínio e pesticidas), porque o flúor é mais ativo e se combina facilmente com todo tipo de substância. Portanto, existe uma exposição pública muito ampla ao flúor.

Quero repassar alguns dos principais pontos do artigo de Griffiths-Bryson.

Griffths descobriu centenas de documentos da Segunda Guerra Mundial. Isto incluem documentos do Projeto Manhattan e do programa de construção da primeira bomba atômica.


O artigo de Griffths/Bryson diz:

"O flúor foi o químico chave na produção da bomba atômica... milhões de toneladas... eram essenciais para a fabricação de urânio enriquecido e plutônio, destinados à criação de armas nucleares ao longo da Guerra fria".

Os documentos revelam que, em relação ao programa de criação da bomba atômica norte-americana, o flúor era a ameaça mais significativa para a saúde, especialmente para os trabalhadores e as comunidades situadas em torno das instalações destinadas à sua fabricação.

"Muitas das supostas provas que afirmam que "o flúor é seguro para os seres humanos em pequenas doses", foram fabricadas pelos próprios cientistas do programa de criação da bomba atômica, que receberam em segredo a ordem de proporcionar provas científicas úteis em litígios legais contra aquelas pessoas que haviam sido envenenadas pelo flúor e que entraram com ações judiciais por danos e prejuízos... e curiosamente, as primeiras ações judiciais contra o programa de criação da bomba atômica EUA  não tinham nada a ver com os efeitos da radiação, mas sim com os danos causados pelo flúor, como mostram os documentos governamentais da época".

Assim os cientistas que criaram a bomba atômica foram informados que teriam que fabricar falsos estudos que concluíam que o flúor era seguro para a saúde. E eles fizeram isso sem hesitar.


O estudo de maior alcance foi realizado em Newburgh, Nova York, entre 1945 e 1956. Se tratava de uma operação secreta chamada "Programa F".

Os pesquisadores obtiveram amostras de sangue e tecidos dos habitantes e Newburgh, graças a colaboração do "bom" Departamento de Saúde do Estado de Nova York.

Griffiths e Bryson encontraram a versão original desse estudo, que havia sido mantida em sigilo. Comparando-a com a versão 'devidamente aparada', os jornalistas descobriram que as evidências de que o flúor provocava efeitos adversos para a saúde havia sido suprimida pela Comissão de Energia Atômica dos EUA.

Outros estudos no mesmo período foram realizados na Universidade de Rochester. Foi dado fluoreto para pacientes do hospital a fim de testar os resultados, sem que estes tivessem conhecimento ou dado autorização.

Voltando para os tempos atuais.

A Dra. Phyllis Mullenix, chefe de toxicologia da Forsyth Dental Center em Boston, realizou uma série de estudos em animais na década de 1990 que demonstraram que, tal qual demonstra o artigo de Griffiths/Bryson: "o flúor era uma potente toxina para o sistema nervoso central".


Mullenix solicitou mais financiamento para o National Institutes of Health, com a finalidade de ampliar os estudos a respeito do assunto. Sua solicitação foi rejeitada. E disseram a ela que: 'o flúor não causa efeitos sobre o sistema nervoso central'.

No entanto, a pesquisa de Griffiths/Bryson descobriu uma nota de 1944 do Projeto Manhattan, que afirma:
"A evidência clínica sugere que o urânio hexafluoreto pode  ter um efeito marcado sobre o sistema nervoso central... parece mais provável que tais efeitos se devam mais ao flúor do que ao urânio"


Essa nota de 1944 foi enviada ao chefe da Seção Médica do Projeto Manhattan, o coronel Staffrd Warren. Foi solicitado a Warren que desse sua aprovação para iniciar estudos em animais sobre os efeitos causados pelo fluoreto sobre o sistema nervoso central. Warren concedeu sua aprovação imediatamente.

Mas os registros com os resultados deste estudo não foram encontrados. O mais provável é que continuem ocultos.

O homem, que em 1944 propôs esse estudo de emergência para investigar os efeitos do flúor sobre o sistema central foi o Dr. Harold Hodge, que trabalhou no Projeto Manhattan.


Sabem quem foi enviado para assessorar a Dra. Mullenis 50 anos mais tarde no Forsyth Dental center em Boston, quando ela estudava os efeitos do flúor sobre o sistema nervoso central? Precisamente, o Dr. Harold Hodge.

Evidentemente, o Dr. Harold Hodge chamais informou a Dra. Mullenix do seu trabalho anterior sobre a toxidade do flúor para o Projeto Manhattan. Ele o ocultou devidamente.


E isto nos lança uma pergunta: Hodge foi contratado para vigiar a Dra. Mullenix e informar sobre suas descobertas?

Hodge, por volta da década de 1940, havia sugerido que o uso do flúor deveria ser promovido como tratamento dental. Assim que sua presença ao lado de Mullenix, décadas mais tarde, possivelmente foi porque ele foi enviado para monitorar a condução das investigações da doutora.

A sequência está muito clara. Construir uma bomba atômica, utilizando flúor. Esquecer os efeitos tóxicos do flúor. Ocultar os estudos sobre a toxidade dos fluoretos. Manipular os estudos posteriores.

E no entanto, podemos encontrar mais pistas sobe as obscuras atividades do Dr. Hodge. Em 1944, houve 'um acidente de contaminação severa' em Nova Jersey, próximo a fábrica da Dupont em Deepwater, onde a empresa estava fabricando a primeira bomba atômica.


Um acidente relacionado, precisamente com o fluoreto. Os cultivos de pêssegos e tomates dos agricultores da região foram destruídos. Os cavalos e as vacas ficaram aleijados. Algumas vacas não se aguentavam sobre suas patas e tinham que pastar apoiadas sobre seus ventres. Os cultivos de tomates (que eram normalmente vendidos à companhia Campbell para fazer sopas) estavam contaminados com fluoreto.

O pessoal do Projeto Manhattan estava aterrorizado diante dos possíveis processos e as possíveis revelações posteriores sobre a natureza tóxica de seu trabalho. Alguém escreveu uma nota sobre o assunto. Adivinhem seu autor? O Dr. Harold Hodge.

Entre outras questões, informava sobre o alto conteúdo de fluoreto em cultivos de hortaliças da área contaminada.

E também sobre os altos níveis de fluoreto presente em amostras de sangue humano.

O fato é que os agricultores começaram a entrar com os processos judiciais. Se tratava de um grande problema de relações públicas.

No entanto, as reclamações foram resolvidas silenciosamente, sem fazer barulho na mídia.

Harold Hodge escreveu outra nota, da qual extraímos o seguinte comentário revelador: "Seria útil tentar combater o temor da população local acerca do fluoreto, realizando palestras sobre a toxicologia do fluoreto e sobre sua utilidade para a saúde dental?"

O artigo de Griffiths/Bryson responde a essa pergunta retórica:

"No final, deram esta série de palestras, não apenas aos cidadãos americanos de Nova jersey, mas ao resto dos americanos durante a Guerra Fria".

De fato, esta foi uma plataforma de lançamento do fluoreto como "tratamento dental de sucesso".


É curioso.

No filme Dr. Strangelove o brigadeiro general Jack D. Ripper pergunta sobre o efeitos que o fluoreto causa sobre o 'puro sangue dos americanos puros'.


Seu personagem aparece como um fanático de extrema direita, disposto a iniciar uma guerra nuclear. É curioso porque (supostamente) os autores do filme (Stanley Kubrick, Peter George e Terry Southern) não sabiam que fluoretos foram extremamente tóxicos, nem sabiam que eles eram parte integrante da criação da bomba atômica.

Seja como for, agora conhecemos a razão pela qual os fluoretos tóxicos tem sido promovidos tão ativamente como tratamento dental durante tantos anos.

Nota Blog Anti-NOM: ao verificar a página wikipedia sobre o Dr. Harold Hodge, achei estranho pois informava que este morreu em 1990. Fiquei com uma pulga atrás da orelha pois no artigo diz que ele foi enviado para "auxliar" a Dra. Phyllis Mullenix. Pesquisando mais encontrei o livro "The Fluoride Deception", para o qual foi feito um filme que publicamos aqui no blog no post "[FILME] A Farsa do Flúor - (The Fluoride Deception)". Nele é mencionado que Harold Hodge morre logo antes dela concluir o estudo, o que confirmou as informações deste artigo. Achei também um trecho muito interessante sobre a descoberta da Dra. Phyllis e como Harold Hodge tentava influenciar as pesquisas. Traduzo ele abaixo:

Trecho do Livro The Fluoride Deception / A Farsa do Flúor

Se Phyllis Mullenix estava inicialmente indiferente sobre o teste de flúor para efeitos no sistema nervoso central, esta não foi a atitude do menino mais velho no Centro Forsyth. Ela descobriu que o Dr. Harold Hodge, o velho homem afável no jaleco recém-passado, tomou o que então parecia um interesse quase obsessivo em seu trabalho de flúor, disparando perguntas sem fim sobre sua metodologia.

Ele queria me empurrar para fazer alguns estudos de flúor, e fazer isso e fazer isso, e como eu poderia ajudar? disse Mullenix.
...
As duas cientistas de jaleco branco se entreolharam, assustadas. Bem acima de Boston, cercadas por terminais de computador e impressões de dados e luzes brilhantes de um laboratório de toxicologia moderna, Phyllis Mullenix e Pamela Denbesten cairam de repente em silêncio. Somente os ratos brancos em suas gaiolas faziam ruídos. As informações lentamente foram absorvidas. As cientistas repetiram o experimento e mais uma vez, os resultados foram os mesmos. Elas riram, nervosamente.

"Oh merda", a Dra. Phyllis Mullenix finalmente deixou escapar. "Vamos irritar todos os dentistas no país".

Por volta de 1989 equipe de Mullenix estava tendo os primeiros resultados dos experimentos de flúor. Eles estavam fazendo a coleta de dados por dois anos, dando os ratos quantidades moderadas de flúor, monitorando-os em suas gaiolas, e em seguida, analisando os dados no sistema informático RAPID, como sua nova tecnologia era conhecida. Mas algo estava errado. Os resultados pareciam estranho.

"Dados estava vindo e me fizeram balançar a cabeça", disse Mul-lenix. Não era nada do que esperávamos. Mullenix esperava que o flúor na água potável não mostrasse nenhum efeito sobre o comportamento dos ratos e do sistema nervoso central. Mullenix se perguntou se o problema era um bug nas novas máquinas. A equipe lançou uma série exaustiva de experimentos de controle, que mostrou que os computadores RAPID estavam trabalhando bem.

Todos os resultados foram "incrivelmente consistentes", disse Mullenix.

Fluoreto adicionado à água bebida pelos ratos produziu uma variedade de efeitos em ratos de Forsyth. Ratas grávidas deram à luz bebês hiperativos. Quando os cientistas deram flúor para os ratos do bebê após o seu nascimento, os animais tiveram déficits cognitivos, e exibiram comportamento retardado.

Houve diferenças entre os sexos, também. Os machos pareciam mais sensíveis ao flúor no útero, enquanto as fêmeas foram mais afetados quando expostas depois de desmamadas ou adultos jovens.

As duas mulheres disseram para Jack Hein e Harold Hodge sobre os resultados. Os homens ordenaram que repetissem os experimentos, desta vez em ratos diferentes. A equipe realizou ainda mais testes. Mullenix lembra que Harold Hodge ficava perguntando-lhe sobre os resultados, mesmo que ele estavisse então muito doente. Ele tinha ido para sua casa no Maine, mas manteve em contato por telefone. Ele pediu notícias diariamente.

Em 1990, os dados eram cristalinos. As mulheres tinham testado mais de quinhentos ratos. "Eu disse finalmente que temos animais suficientes aqui para significância estatística, disse Mullenix. Há um problema", acrescentou.

As duas mulheres falaram sem parar sobre o que haviam encontrado. Mullenix era um recém-chegado à pesquisa de flúor, mas Pamela Den-Besten passara sua carreira estudando a substância química. Ela suspeita que eles tinham feito uma descoberta explosiva e que os dentistas em particular iriam achar a informação importante. Minha reação inicial foi de que isto é realmente grande, disse Denbesten. Embora os ratos de Forsyth tinham recebido flúor em uma concentração mais elevada do que as pessoas normalmente bebem na água - o equivalente a 5 partes por milhão, em oposição a uma parte por milhão - Denbesten também sabia que muitos americanos são rotineiramente expostos a altos níveis de flúor a cada dia. Nota: No brasil o máximode flúor na água, pelo menos pela lei, é de 1,7 partes por milhão. Por exemplo, as pessoas que bebem grandes quantidades de água, tais como atletas ou trabalhadores no sol quente; pessoas que consomem determinados alimentos ou sucos com altos níveis de flúor; crianças que usam suplementos de flúor nos seus dentistas; alguns trabalhadores de fábrica, como o resultado de exposição no local de trabalho; ou certas pessoas doentes, tudo pode acabar com que consumam níveis cumulativos mais altos de flúor. Os níveis de consumo começam a aproximar-se - ou podem até mesmo superar, para alguns grupos - os mesmos níveis de flúor observados nos ratos Forsyth.

Leia mais:




Revista The Lancet: O Flúor é uma Neurotoxina!






Água fluoretada, uma Herança Nazista





Fontes:
- Blog Anti-NOM: A Relação Secreta entre o Flúor, Higiene Dental e a Bomba Atômica
- Fluoride Alert: The Deepwater Documents: Lawsuit Against The Us Bomb Program Over Fluoride Poisoning
- El Robot Pescador: La relación secreta entre el flúor, la higiene dental y la Bomba Atómica
- Jon Rappoport´s Blog: Fluorides, the Atomic bomb, and a spy

4 comentários:

Anônimo disse...

Respondendo ao José Antonio Esteves:

as instituições supostamente responsáveis por proteger nossa saúde, na verdade, fazem o oposto.

se você ver os vídeos e entrevistas do Invandelio Sanctus, no youtube, verá como a ANVISA, as faculdades de medicina, etc, fazem exatamente o oposto do que deveria ser a sua função: por exemplo, proibem as coisas que nos fazem bem e liberam e até estimulam o que nos faz mal. O Ivandélio diz que o Magnésio cura as pessoas e esvazia os hospitais, portanto, ele supõe que o Magnésio deverá ser proibido em breve pela ANVISA, pois os rótulos atuais já qualificam o cloreto de magnésio como muito muito perigoso...

Philipe disse...

Acredito que a toxicidade relatada deve ter advindo da interação do flúor com partículas de metais de transição (radiativos) provenientes das próprias jazidas de águas destes países. Acredito também que os compostos de flúor utilizados na fluoretação da água devam ser voláteis,e definidos em legislação específica.

Philipe disse...

Acredito que a toxicidade relatada deve ter advindo da interação do flúor com partículas de metais de transição (radiativos) provenientes das próprias jazidas de águas destes países. Acredito também que os compostos de flúor utilizados na fluoretação da água devam ser voláteis,e definidos em legislação específica.

Philipe disse...

Acredito que a toxicidade relatada deve ter advindo da interação do flúor com partículas de metais de transição (radiativos) provenientes das próprias jazidas de águas destes países. Acredito também que os compostos de flúor utilizados na fluoretação da água devam ser voláteis,e definidos em legislação específica.

Posts Relacionados
 
;