RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

8 Efeitos Chocantes na Saúde do Desastre de Fukushima

sexta-feira, 13 de junho de 2014 |

Já passaram alguns anos desde o desastre de Fukushima, mas as ruínas ainda estão ardendo e as conseqüências negativas para a saúde são mais pronunciadas do que nunca. A resposta um tanto indiferente para o desastre de Fukushima de muitas agências governamentais de saúde em todo o mundo foi talvez mais chocante do que o próprio desastre. Autoridades de todo o mundo nos asseguraram que não nos preocupássemos, alegando que qualquer radiação que havia entrado em contato com os cidadãos teria sido bem abaixo do nível detectável e prejudicial. A mensagem é clara, os cidadãos comuns não podem mais contar com seus governos para a sua proteção.

Enquanto toneladas de água radioativa continuam a ser derramadas no Oceano Pacífico, muitas agências nacionais de saúde têm levantado os níveis máximos para a exposição à radiação aceitável para poder reforçar as suas declarações absurdas. As normas anteriores para 30 anos de exposição à radiação teria gerado uma taxa de câncer de 1 em 10.000. Agora que os padrões de radiação foram levantadas (graças ao esforço do governo Obama para aumentar a exposição à radiação para 2000 millirems), a taxa de câncer de 30 anos de exposição está agora em 1 em 23[1]!

Que outros problemas surgiram desde o desastre nuclear em Fukushima?

1. Contaminação da Pele

Contaminação da pele continua sendo um dos maiores riscos após um desastre radiológico como o de Fukushima. A disponibilidade de agentes de descontaminação radiológica permaneceu em quantidade limitada imediatamente após o desastre, e muitos destes agentes necessitam de água fresca. Infelizmente, o acesso a água limpa pode ser muito difícil em áreas próximas a Fukushima, devido aos altos níveis de radiação[2]. A exposição da pele a produtos químicos e radiação pode resultar em problemas de pele superficiais e danos endócrinos[3].

2. Trauma Psicológico

Os dados indicam que os trabalhadores e as mães de crianças pequenas têm o maior risco de TEPT (Transtorno de estresse pós-traumático), depressão e ansiedade após um evento radiológico. Estes efeitos podem ser uma consequência direta da exposição à radiação, e a radiação em si pode ser diretamente ligada a desordens de humor. Além disso, os pais podem temer pela sua bem-estar de suas famílias durante e após um desastre nuclear, aumentando ainda mais as chances de se tornar psicologicamente e emocionalmente instável[4]. As crianças e adolescentes também podem experimentar dificuldades psicológicas de longo prazo com consequências desconhecidas[5].

3. Câncer

Os cientistas e agências governamentais de saúde tem muita muito consciência do impacto da radiação sobre o risco de câncer em seres humanos e animais. Doses elevadas podem ser fatais e aumentar as chances de defeitos genéticos hereditários[6].

4. Danos na Tireoide

O iodo 131, um radioisótopo de iodo encontrado em fissão nuclear, se acumula rapidamente na tireóide e substitui o iodo estável e  benéfico. Ele interrompe a função tireoidiana normal impactando negativamente os hormônios, o peso corporal e os níveis de energia. Este isótopo de iodo pode causar câncer de tireóide e hipotireoidismo[7]. Desastres nucleares, especificamente os de Chernobyl, Hiroshima e Fukushima, resultaram em um aumento significativo de câncer da tiroide [8].

5. Mulheres têm Maior Risco

Pesquisas realizadas na área em torno de Fukushima explorou o impacto que a radiação teve em homens e mulheres e comparou os gêneros em relação a gravidade do risco à saúde. As mulheres se mostraram mais sensíveis aos efeitos da radiação, sendo que as mulheres grávidas apresentaram um nível ainda mais alto de suscetibilidade[9].

6. Problemas de Gravidez

As mulheres grávidas correm um risco maior de desenvolver problemas relacionados à deficiência de iodo quando expostas ao iodo 131, uma questão que pode retardar a funcionalidade da tireóide e hormonal. A deficiência do iodo em mulheres grávidas pode causar aborto espontâneo, natimortos, e outras complicações[10].  À medida que os anos continuam a passar após o desastre de Fukushima, as autoridades japonesas ainda alegarm desconhecimento dos possíveis efeitos de radiação tem sobre as mulheres grávidas e seus filhos nascituros.

7. Distúrbios da Tireoide e Recém-nascidos

Apesar da grande quantidade de efeitos para a saúde do feto em desenvolvimento, uma pesquisa revelou problemas graves com a radiação na glândula tireóide em recém-nascidos. De março a junho de 2011, problemas de tireóide aumentaram 28% em recém-nascidos ao longo da costa do Pacífico. Estados ao longo desta área incluem o Havaí, Califórnia, Oregon, Washington e Alasca. Um estudo publicado em 2013 no Open Journal of Pediatrics observou incidência significativamente mais elevada de hipotireoidismo nestes estados[11].

8. O Câncer de Tireóide em Crianças

Durante um evento radiológico, protegendo a saúde das crianças (o grupo populacional mais suscetível) torna-se um problema principal. [12] Até o momento, 44 ​​crianças japonesas com idade inferior a 18 habitações próximas da usina nuclear de Fukushima, no momento do desastre desenvolveram câncer de tireóide, um aumento significativo em comparação com a incidência de câncer antes do evento.

O Que Pode Ser Feito Durante um Evento Nuclear?

Qualquer tipo de emergência nuclear requer uma ação imediata, em um esforço para proteger os cidadãos. As autoridades governamentais normalmente administram altas doses de iodeto de potássio para as pessoas afetadas em um esforço para bloquear a absorção do de iodo 131 pela tiróide[13]. Embora este protocolo tradicional possa ajudar, os resultados mostram a necessidade de melhores e mais eficazes opções de proteção.

Quando se trata de proteger a si mesmo e sua família, você acabará por ter de confiar em seus próprios esforços, em vez dos exercidos pelos membros oficiais do governo. Apesar de iodeto de potássio ter sido tradicionalmente utilizados para bloquear a absorção de iodo 131 pela tiroide, não é a forma mais eficiente de iodo para o corpo humano. Iodo Nascente (nascent iodine) oferece uma opção mais biodisponível com uma maior taxa de absorção. Desintoxicação também pode ser útil para a remoção de impurezas e metais tóxicos que podem se acumular durante um evento nuclear.
-Dr. Edward F. Group III, DC, ND, DACBN, DCBCN, DABFM

References:

  1. Global Research News. Civilian Cancer Deaths Expected to Skyrocket Following Radiological Incidents.Public Employees for Environmental Responsibility (PEER).
  2. Tazrart A, Bérard P, Leiterer A, Ménétrier F. Decontamination of radionuclides from skin: an overview. Health Phys. 2013 Aug;105(2):201-7. doi: 10.1097/HP.0b013e318290c5a9.
  3. Asfandyar Khan Niazi and Shaharyar Khan Niazi. Endocrine effects of Fukushima: Radiation-induced endocrinopathy. Indian Journal of Endocrinology and Metabolism. 2011 April-June; 15(2): 91-95.
  4. Bromet EJ. Emotional consequences of nuclear power plant disasters. Health Phys. 2014 Feb;106(2):206-10. doi: 10.1097/HP.0000000000000012.
  5. Hayashi K, Tomita N. Lessons learned from the Great East Japan Earthquake: impact on child and adolescent health. Asia Pac J Public Health. 2012 Jul;24(4):681-8. doi: 10.1177/1010539512453255.
  6. Boice JD Jr. Radiation epidemiology: a perspective on Fukushima. J Radiol Prot. 2012 Mar;32(1):N33-40. doi: 10.1088/0952-4746/32/1/N33.
  7. Spallek L, Krille L, Reiners C, Schneider R, Yamashita S, Zeeb H. Adverse effects of iodine thyroid blocking: a systematic review. Radiat Prot Dosimetry. 2012 Jul;150(3):267-77. doi: 10.1093/rpd/ncr400.
  8. Dilas LT, Bajkin I, Icin T, Paro JN, Zavisi BK. Iodine and thyroid gland with or without nuclear catastrophe. Med Pregl. 2012 Nov-Dec;65(11-12):489-95.
  9. Evangeliou N1, Balkanski Y2, Cozic A2, Møller AP3. Global and local cancer risks after the Fukushima Nuclear Power Plant accident as seen from Chernobyl: A modeling study for radiocaesium (134Cs &137Cs). Environ Int. 2013 Dec 19;64C:17-27. doi: 10.1016/j.envint.2013.11.020.
  10. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22742605
  11. Joseph J. Mangano, Janette D. Sherman. Elevated airborne beta levels in Pacific/West Coast US States and trends in hypothyroidism among newborns after the Fukushima nuclear meltdown. Open Journal of Pediatrics, 2013, 3, 1-9 OJPed.
  12. Fushiki S. Radiation hazards in children – lessons from Chernobyl, Three Mile Island and Fukushima. Brain Dev. 2013 Mar;35(3):220-7. doi: 10.1016/j.braindev.2012.09.004.
  13. Reiners C, Schneider R. Potassium iodide (KI) to block the thyroid from exposure to I-131: current questions and answers to be discussed. Radiat Environ Biophys. 2013 May;52(2):189-93. doi: 10.1007/s00411-013-0462-0.

Leia mais:






Catástrofe Chegando? Peixes Pescados no Japão Podem Revelar Algo Assustador







[Fukushima] Tepco Escondeu Níveis de Radiação Recorde em 2013







Fukushima - Da Era Nuclear à Catástrofe Global




Fontes:
Notícias Naturais: [Chocante] 8 Efeitos na Saúde do Desastre de Fukushima
Global Healing Center: 8 Shocking Health Effects from the Fukushima Disaster

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;