RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Fotógrafo de Moda Terry Richardson é Acusado de Explorar e Abusar de Modelos

sexta-feira, 29 de novembro de 2013 |


Blog Anti-NOM

O importante fotógrafo de moda Terry Richardson é frequentemente mencionado neste site (especialmente na seção Imagens Simbólicas), visto que seu trabalho muitas vezes encarna tudo o que está de errado com a indústria do entretenimento: exploração, desumanização, violência, "hipersexualização", pedofilia... tudo isso misturado com um monte de simbolismo Illuminati. A vibe insalubre e suja que emana de seu trabalho levou-me a referir a ele como "Terry o assustador"... mas o fator assustador não pára por aí.

Durante anos, especialistas do setor afirmam que Terry Richardson usa sua posição de poder na indústria para atrair, explorar e abusar de jovens ​​modelos e celebridades facilmente influenciáveis - transformando ensaios de foto regulares em conteúdo adulto não intencional. Terry é às vezes descrito como o "Jimmy Savile americano", pois suas ações são conhecidas, mas raramente denunciadas, visto que ele continua recebendo um "joinha" favorável (a sua marca favorita) da elite ocultista.

Obama acha que está tudo certo com ele.

Dois minutos depois... 

Ao longo dos anos, Richardson se transformou em um encontro um tanto inevitável para celebridades que vêm e vão e que buscam reconhecimento. Para muitas modelos no entanto, esses encontros se transformaram em prostituição forçada. Sabendo que  se recusarem este fotógrafo significaria ser demitida de sua agência, por isso as modelos se sentem forçadas a obedecer às exigências degradantes e abusivas de Richardson.

Aqui está um artigo do New York Post resumindo reclamações contra Richardson.

Expondo Terry Richardson, o 'pervertido' favorito da moda

Ele é o Annie Leibovitz de sua geração, tendo fotografado cada celebridade culturalmente relevante da década passada - Lady Gaga , Rihanna, Beyoncé . Ele é o homem por trás da mudança controversa de Miley Cyrus e diretor seu vídeo "Wrecking Ball". Em 2007, ele fotografou Barack Obama para a Vibe. Seu trabalho aparece em quase todas as grandes publicações de moda, e ele tem feito campanhas para marcas de luxo de bilhões de dólares.

Ele também gosta de ser chamado de "tio Terry". Disse sobre si mesmo que teria copulado com uma ovelha, e uma vez embarcou em um projeto chamado "Breaking In The Carpet", fotografando-se ejaculando em tapetes de quartos de hotéis aleatórios.

Mas na indústria da moda, Terry Richardson - da camisa xadrez, óculos enormes e do onipresente gesto do  "joinha" - é notório por anos, os relatórios desenfreados de exploração sexual e abuso de suas modelos.

"Eu era um garoto tímido", ele disse, "e agora eu sou um cara poderoso, com um tesão, dominando todas essas meninas."

Ao longo das duas últimas semanas, Richardson, de 48 anos, obteve uma nova realização. Ele é o primeiro fotógrafo de seu calibre a ser alvo de uma petição online: "Vogue, Mango, Supremo e todas as outras marcas: Parem de usar o alegado agressor sexual Terry Richardson como seu fotógrafo".

A petição é o trabalho de uma menina de 18 anos de idade, dos arredores de Londres, chamada Alice Louise. Ela não tem conexão com a indústria da moda que não seja como consumidora. Até hoje (29/11) sua petição teve mais de 17.380 assinaturas. Clique aqui para visualizar e assinar a petição.

 "Você começa a questionar por que você vê este homem em todos os lugares enquanto existem denúncias, e suas imagens explícitas apresentando a si mesmo, que simulam estupro, engasgos e sufocamento, ainda estão flutuando em torno da Internet", diz Louise. "Os potenciais predadores não devem ser elogiados na indústria da moda."

"Na semana passada, a H&M anunciou, via Twitter, que está reconsiderando novas colaborações com Richardson: "Se essas acusações forem verdadeiras, é totalmente inaceitável para nós. Atualmente não estamos trabalhando com Terry Richardson".

Equinox também parou com Richardson, que tinha feito suas três últimas campanhas. "O ponto natural está agora a explorar uma nova direção", disse a empresa em um comunicado.

Richardson se recusou a falar sobre essa história, mas divulgou um comunicado através de seu agente.

 "O fato de ele não estar filmando a nova campanha da Equinox não tem nada a ver com a petição", disse. "Tanto que Terry está trabalhando atualmente com uma longa lista de clientes de alto nível, então nós realmente não sabemos a que você está se referindo."

"Eu sou um pervertido"

Os primeiros relatos de abuso de Richardson veio à tona em 2010, quando a supermodelo Rie Rasmussen disse a Page Six que ela teria se encontrado com ele em Paris.

 "Eu disse a ele: 'O que você faz é completamente degradante para as mulheres. Espero que você saiba que você apenas se deita com meninas porque você tem uma câmera, muitos contatos na moda e consegue colocar suas fotos na Vogue'.

A supermodelo Coco Rocha também disse que ela havia trabalhado com Richardson uma vez, e foi tão desconfortável que ela disse aos agentes que nunca mais iria. Mas Rocha era, até então, poderosa o suficiente para fazer tal exigência. As modelos mais novas, Rasmussen disse a Page Six, "têm muito medo de dizer não, porque a sua agência colocaram elas nesse trabalho, e [elas] são jovens demais para arrumar briga."

Após o confronto de Rasmussen, uma modelo chamada Jamie Peck foi adiante. Ela desfilou para Richardson, quando ela tinha 19 anos, e escreveu que seu primeiro ensaio com ele foi bastante manso: "Ele falou em tons efeminados de alguém tentando muito não parecer sexualmente ameaçador, apesar do fato de que ele era basicamente andando em um traje moderno pedófilo", escreveu ela. Ele pediu a ela para chamá-lo de tio Terry, e ela posou nua enquanto dançava aos Yeah Yeah Yeahs. Em seguida, ela foi embora.

Na segunda sessão, disse Peck, Richardson pediu a ela para tirar a roupa, ela disse que estava menstruada. Então ela disse: "Ele me pediu para tirar o meu absorvente para ele brincar", acrescentando que ele gostaria de usá-lo para fazer chá. "Eu recusei educadamente", escreveu Peck . "Foi então que ele decidiu apenas ficar nu".

De acordo com Peck, Richardson levava-a para o sofá, enquanto mencionava grandes nomes, disse que ela deveria sair com ele e seus amigos famosos, em seguida, pediu-lhe para masturbá-lo enquanto suas assistentes a encorajavam. Depois que Richardson chegou ao clímax, uma de suas assistentes lhe entregou uma toalha e ela fugiu, sentindo-se envergonhada e como se precisasse de duas duchas.

Uma aspirante a modelo chamada Felice Fawn então postou uma troca de mensagens instantâneas que ela teve com um homem que se identificou como Richardson, perguntando se ela iria posar para ele, sob certas condições: "Eu sou um pervertido", escreveu ele. "Diariamente 20 modelos oferecem-me sexo para deixá-las famosas." Fawn não aceitou, e Richardson não assinou: "Teria tirado foto de você e publicado com certeza, mas sem problemas" ( Richardson mantém um impostor que realizava essa troca.)

Em novembro de 2012,  Scout, filha de Bruce Willis e Demi Moore, twittou: "Na noite passada Terry Richardson tentou por o dedo em mim. Eu não o deixei, obviamente. Mas eu deixei ele me fotografar de topless na casa de banho." (Willis afirmou mais tarde que os tweets eram fictícios e feito para um projeto da escola.)

Objetos de Luxúria

Richardson nasceu em 14 de agosto de 1965, em Nova York. Seu pai, Bob Richardson, era um fotógrafo de moda bem-visto. Ele também era bissexual e um esquizofrênico bipolar. Quando Bob tinha 43 anos, ele deixou a mãe de Richardson para ficar com Anjelica Huston, de 17 anos de idade, que mais tarde disse que Bob foi tão abusivo que ela tentou cometer suicídio.

Quando Terry tinha 9 anos, sua mãe sofreu um acidente de carro devastador que a deixou em coma por uma semana.

Sua recuperação foi angustiante. "Ela estava de fraldas, não conseguia andar ", disse Terry . "Isso fez-me ficar muito atraído por pessoas disfuncionais".

Richardson abandonou a escola no 10º ano, e aos 18 anos era um viciado em heroína. Ele começou a trabalhar com seu pai em ensaios fotográficos e começou a trabalhar por conta própria depois de ganhar uma campanha publicitária para a estilista britânica Katharine Hamnett.

"Eu mandei um monte de fotos pessoais - pessoas com o suas genitálias de fora e tudo - e três dias depois, eles me chamaram e disseram que eu ganhei a campanha".

Em 1996, Richardson casou-se com a modelo Nikki Uberti e depois de ela ter sido diagnosticada com câncer, ele a trocou pela modelo Shalom Harlow.

"Eu era solteiro", ele disse, "e eu estava querendo explorar a sexualidade".

Quando ele teve seu primeiro show em New York Deitch Projects, em 2004, alguns dos artistas da galeria ameaçaram cortar os laços em protesto".

"Terry estava incomodado com todos os tipos de feministas de primeiro ano", disse Gavin McInnes da revista Vice. Entre os indivíduos fotografados por Richardson: uma jovem prostituta viciada em metanfetamina de Nova Jersey, tirou fotos de topless e seu assistente Alex tirou uma foto agachado embaixo de uma mesa fazendo sexo oral em Richardson. Aquele show tornou-se um livro, "Terryworld".

Imagens altamente sexuais têm sido comuns na fotografia de moda há décadas. Helmut Newton e Guy Bourdin integraram uma altamente sofisticada estética erótica na moda, mas também trabalharam com as mulheres que eram de idade. Os anúncios da Calvin Klein empurraram ainda mais as fronteiras nos anos 80 e início dos anos 90, mas nunca houve um fotógrafo de moda tão prolífico, rentável e suspeito como Terry Richardson.

Ele tornou-se o fotógrafo dominante do nosso tempo e é um reinado curiosamente teimoso. Deixando de lado seu comportamento pessoal, o seu trabalho técnico e artístico parece emocionalmente e culturalmente preso. Se você é uma jovem, celebridade feminina - menor - você foi filmada da mesma maneira: contra um pano de fundo branco, mal vestida, e, provavelmente, colocando algo em sua boca. De Blake Lively a Kate Upton, de Lindsay Lohan a Beyoncé, o tratamento é o mesmo.

Em quase todos os cartazes e capas de revista o que vemos é isso. Estamos vivendo no mundo de Terry - de fantasias aspiracionais de um menino de 12 anos de idade, as mulheres são nada mais que objetos clichês de luxúria ou degradação. Sua perversão nem é mesmo original, e será, provavelmente, um tédio o seu visual, que ao invés de ultrajar seu comportamento pessoal, marcará o seu declínio.

Em 2010, a atriz do seriado "Glee" Dianna Agron ficou mortificada depois de uma sessão de fotos com Richardson para a revista GQ (Gentlemen's Quarterly). A configuração: ela e a co-estrela Lea Michele fizeram umas garotas de torcida safadas simulando sexo a três com o colega de elenco Cory Montieth. Agron mais tarde pediu desculpas aos fãs que haviam ficado "desconfortáveis".

Em 2012, Chloë Sevigny admitiu que os métodos de Richardson eram muitas vezes manipuladores, e que pelo menos ela, como uma celebridade, foi capaz de impor limites: "[Modelos Jovens] saem de lá chorando, o que foi que eu fiz?"

Matérias de Capa

Muitas poucas pessoas vão falar sobre Richardson. Mesmo os raros editores que lhe vetaram - Kate Betts, quando ela estava na Harper Bazaar e Dennis Freedman, ex-W - nunca comentaram.

Terry Richardson dirigiu o vídeo da música "Wrecking Ball", de Miley Cyrus .

Uma fonte anônima do setor de moda disse que apesar de saber muito bem do "comportamento predatório de Richardson,  ele é tolerado porque o pessoal da indústria são apenas ovelhas. Há apenas um punhado de fotógrafos que têm o poder, um pouco de editores. . . todos os outros apenas seguem este pequeno grupo.

Ainda mais desconcertante: O mundo de revistas de moda é uma das poucas indústrias dominadas por mulheres. Como eles continuam a empregar um homem que provavelmente nunca deixariam sozinho com uma filha ou amiga é uma proeza de racionalização.

Também é difícil conciliar o apoio cúmplice de celebridades cujas imagens públicas estão em oposição a tudo que Richardson representa: Madonna, que recentemente disse a Harper Bazaar que ela havia sido estuprada quando veio pela primeira vez a Nova York, foi fotografada por Richardson por essa mesma questão. Lena Dunham, autodenominada feminista de sua geração, foi fotografada em sua roupa de baixo por Richardson para a revista V. Gloria Steinem posou com Richardson em um evento no ano passado, mas através de um porta-voz disse que ela não tinha ideia de quem ele era na época.

Uma vez que estas alegações vieram à tona, Richardson quase não deu entrevistas. Em 2012, ele disse ao jornal The New York Times que os relatos de seu comportamento explorador eram "dolorosos".

Hoje, Richardson diz que está limpo e sóbrio. A respeito de tirar fotos de meninas com a palavra "prostituta" escrito nas suas testas enquanto elas dão-lhe sexo oral ou serem enfiadas em latas de lixo, enquanto elas fazem o mesmo - Richardson, em 2004 , disse que estava cansado de tudo isso. "Ultimamente, eu me pego pensando que eu realmente adoraria me estabelecer, casar, ter filhos, ter uma relação regular."

Na sexta-feira, Richardson ainda estava solicitando modelos amadoras em seu site: "Se você tem 18 anos ou mais de idade, do sexo masculino ou do sexo feminino e gostaria de posar nua ou de topless para um próximo projeto, entre em contato."

Fontes:
- Blog Anti-NOM: Fotógrafo de Moda Terry Richardson é Acusado de Explorar e Abusar de Modelo
- Vigilante Citizen: Terry Richardson Accused of Exploiting and Abusing Models
- New York Post: Exposing Terry Richardson, fashion’s favorite ‘pervert’
- Danizudo: Terry Richardson Acusado de Explorar e Abusar de Modelos

Tradução inicial Danizudo / Revisão Jahaisa e Admin

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;