RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

O Chip Cubano se Alastra Pela América Latina - E a RIC Brasileira?

sábado, 16 de novembro de 2013 |
Uma reportagem recente do jornal venezuelano El Nacional, intitulada “O chip cubano se propaga pela América Latina”, levanta o véu que encobre um tremendo sistema tecnológico de controle de dados de todos os cidadãos da América Latina que passariam ao domínio de empresas estatais cubanas vinculadas à Direção Geral de Inteligência, mais conhecida como G2, o serviço de espionagem e informação de Fidel Castro. No fim do artigo mostramos também as ultimas informações sobre a RIC, a carteira de identidade RFID brasileira.

Isso já ocorre em três países, justamente aqueles que mais têm avançado no denominado  “socialismo do século XXI”: Venezuela, Argentina e Bolívia


Com o vazamento de informações do sistema de inteligência dos Estados Unidos, iniciado pelo jornal esquerdista inglês The Guardian, em série de reportagens sobre a espionagem americana, foram criadas as condições ideais para os governos de viés comunista do continente, incluindo ai o do Brasil, alegarem os mais variados motivos, a pretexto - pasmem - de “segurança nacional”, para avançar no controle da informação, como se vê no caso do projeto do Marco Civil da Internet que o governo da Dilma tenta aprovar a toque de caixa no Congresso Nacional e que amordaça a internet.

Transcrevo como segue um resumo da reportagem do diário venezuelano El Nacional, em tradução livre do espanhol, com link ao final para leitura completa da reportagem. Reputo como muito importantes as informações nela contidas. Leiam:

Esquema do cartão de identidade implantando na Venezuela com a tecnologia cubana

Um contrato com a Venezuela foi o trampolim que Cuba usou para começar a vender serviços de identificação de governos latino-americanos aliados ao projeto político do falecido presidente Hugo Chávez. O acordo comercial de 172 milhões de dólares , assinado em 2007, para o fornecimento do cartão eletrônico venezuelano, abriu as portas para as empresas estatais da ilha a participar como intermediários e fornecedores no mercado de chips de identidade, que é dominada por um seleto grupo de países cujo topo são a Alemanha , Holanda, França , Finlândia, China e Estados Unidos.

Negociação entre Caracas e Havana, que foi feita sem discussão pública, não só colocou em mãos estrangeiras os dados dos venezuelanos. Também constituiu a oportunidade ideal a Cuba para expandir os seus horizontes estratégicos. O acordo, cujos detalhes foram revelados pelo El Nacional, de 17 de julho de 2011 - foi assinado pelo Ministério do Interior com a empresa cubana Albet Engenharia de Sistemas, que por sua vez sub-contratou a Gemalto multinacional holandesa (esta empresa holandesa opera no Brasil) para desenvolver o projeto cartão de identidade eletrônico venezuelano. O documento introduziu o conceito de "autoria moral" para garantir a apropriação por parte dos cubanos da propriedade dos programas que foram desenvolvidos então, e isto agora forma parte do portfólio comercial que os cubanos oferecerem no continente.

Por decreto presidencial, Argentina e Bolívia também colocaram nas mãos de Cuba a concepção e gestão de novos sistemas de identificação eletrônica. Funcionários da ilha estão agora envolvidos com os serviços públicos que contenham dados confidenciais de mais de 80 milhões de pessoas na América Latina. Diplomatas cubanos têm produtos de utilidade preciosos para os seus parceiros na região. "Nós desenvolvemos uma tecnologia que nos permite enfrentar com êxito a segurança interna de um país assediado", disse Rolando Gomez, o embaixador de Cuba na Bolívia, quando apresentaram em La Paz os sistemas de emissão de passaportes com chips em 2012. Neste ato, disse que assim conseguiram controlar a subversão: "Isso foi neutralizado a partir de nossa própria segurança, controlando a entrada e saída do território para exercer plena soberania".

Plano Avança Progressivamente

Em 2005, Cuba começou a estabelecer uma rede de empresas públicas de exportação de produtos de informática. Um relatório do Ministério da Informática e das Comunicações, primeiro sob a égide do general Ramiro Valdes, considerado o arquiteto dos sistemas de inteligência política cubanos e agora Medardo Diaz. Outras empresas estão vinculadas ao Ministério do Interior, chefiado pelo general Abelardo Colomé Ibarra , a quem ele se reporta à Direção Geral de Inteligência, conhecido como G2, um serviço que é considerado por especialistas como um dos cinco melhores treinados do mundo. Há quem duvide que os cubanos se limitem a oferecer aos governos ferramentas para a preservação da ordem e a segurança cidadã.

"Essas empresas são parte de uma estratégia para estender redes de inteligência cubanas na região. São na verdade uma fachada para o G2, que lhes permite controlar os sistemas de emissão de documentos de identificação, que ninguém pode simplesmente outorgá-los a qualquer um", diz Anthony Daquin, ex-assessor do Ministério de Assuntos Internos da Venezuela e que estava envolvido nos processos de seleção de fornecedores para o cartão de identidade eletrônica e passaporte. O engenheiro está agora nos Estados Unidos em busca de asilo depois que sofreu sofreu uma perseguição policial em Caracas por suas críticas à tutela cubana. Suas reivindicações foram negadas pelos porta-vozes oficiais do governo venezuelano, que disseram que os cubanos não manipulam os dados da cidadania e só têm ajudado na atualização dos serviços de identificação nacionais.

Site da empresa da empresa cubana Datys. Os comunistas usam nomes normalmente inspirados no inglês para disfarçar.

A Camuflagem Cubana

As empresas estatais cubanas têm diferentes denominações. Em Caracas funciona a Albet Engenharia e Sistemas, que vende os programas produzidos na Universidade das Ciências Informáticas de Havana. Essa foi a empresa responsável pelo projeto de identificação venezuelano. Outra empresa, no entanto, é o rosto mais internacional: chama-se DATYS. Produz software para várias finalidades, desde a identificação de impressões digitais e escutas telefônicas até o monitoramente de redes sociais, entre outros. Esta empresa contribuiu para o projeto de sistema de segurança baseado no reconhecimento de vestígios de impressões digitais que entraram em uso na Argentina desde 2012 . Na Bolívia, DATYS iniciou o desenvolvimento de passaportes eletrônicos com outra companhia cubana, a Security Print.

O surgimento de Cuba no mercado de identificação veio em um momento crucial: a Organização dos Estados Americanos estabeleceu 2015 como o prazo para os países da região modernizar seus registros civis e de sistemas de emissão de documentos como um meio para acumular o direito à identidade. Além disso , a Organização Internacional de Aviação Civil segurança apertaram suas regras e estabeleceu que a partir de 2010 Membros devem emitir apenas passaportes eletrônicos com dados biométricos (como o rosto ou impressão digital).


BIG BROTHER BOLIVARIANO

Cristina Fernandez de Kirchner, presidente da Argentina, celebrou a cooperação cubana firmada para o desenvolvimento de sistema de identificação biométrica Federal de Segurança ( Sibios ), um projeto para coletar dados de filiação, características físicas distintas e impressões digitais dos 40 milhões de argentinos. "Um agradecimento especial para a República de Cuba colaboração para desenvolver este sistema, este software de muito baixo custo que permitirá, em tempo real, entender e saber quem é a pessoa que está ante um funcionário de segurança", disse ela em uma cerimônia na Casa Rosada, a 07 de novembro de 2011.

Cristina criou o Sibios pelo Decreto 1766/2011 como apoio para a investigação de crimes e funções de segurança preventiva. Os dados biométricos da população serão incorporadas em um chip no passaporte e poderão ser utilizados e cruzados pela Polícia Federal, Guarda Nacional, a Guarda Costeira, Polícia de Segurança do Aeroporto, o Registo Nacional de Pessoas e o Departamento de Migrações.

Técnicos cubanos aportaram na Bolívia, em 2009, o ano em que o país estreou um censo eleitoral com dados biométricos, incluindo impressões digitais e sinais físicos dos cidadãos. Em 8 de abril daquele ano, o presidente Evo Morales emitiu o Decreto Supremo 068, que autorizou a contratação direta - por um total de 1,47 milhões de dólares - de empresas cubanas Acited -Impressão DATYS e Segurança para fornecer equipes e software de emissão de passaportes legíveis e fornecer ao Estado 350 mil cartões para o documento atual, o oficial e o diplomático.

Mais tarde, em 2010 e 2011, outros decretos Morales DATYS virou para a instalação de equipamentos para a captura de dados de registros biométricos em 9 e 16 escritórios escritórios departamentais bolivianos consulares em países como Espanha, Argentina, Chile, Brasil, EUA, Itália, França, Inglaterra e Japão. "Os técnicos explicam-me que a partir de agora as pessoas que entram no país serão registradas e será monitorado todos os seus movimentos na Bolívia", explicou Morales satisfeito quando apresentou o sistema cubano no Palácio do Governo, em 23 de outubro do ano passado.

O Sistema Emipas.bo, com ele operam os passaportes da Bolívia, é descrito no site da DATYS. Permite a 
personalização do documento eletrônico e a inclusão de dados biométricos e numérico prometendo também garantir a singularidade das pessoas que aparecem no banco de dados. Frontpas também é outro aplicativo para o monitoramento e vigilância nas fronteiras, incluindo câmeras de vídeo.


Vídeo de propaganda do governo do PT que circulou em 2011



UM PROJETO MISTERIOSO

A negociação com Cuba não tem sido isenta de críticas. "Nós levantamos em observações do Parlamento sobre a participação do país nas áreas de segurança e de identificação, mas o governo não responde e desqualifica os denunciante", diz Adrian Oliva, do Partido de Convergência Nacional. "Os sistemas de migração, os cartões eleitorais e de identidade são conectados. Neste último caso, o que também tem assessoria cubana, observamos muitas irregularidades como a existência de pessoas com mais do que uma identidade". Essas observações, no entanto, formaram parte de um debate que pareceu diluir-se e não se traduziu em ação ante as instâncias parlamentares ou judicial.

Em outubro de 2012, o Ministério do Governo da Bolívia assinou um novo contrato com DATYS , desta vez por cerca de US $ 700.000, para o fornecimento de software, licenças e hardware especializado para o Sistema Nacional de Imigração, o projeto deve ser implantado em três aeroportos e 15 pontos de fronteira . 
O documento indica que, além de verificar a identidade dos indivíduos e da autenticidade dos documentos de viagem , tem entre seus objetivos DATYS confirmar que o passageiro tenha o visto adequado para o propósito da viagem declarado. O contrato inclui um aviso de que não passa despercebida: indica que eles também têm a missão de ajudar a identificar os que vêm de "países de risco em certas atividades ", bem como verificar os impedimentos para entrada e saída de cidadãos nacionais e estrangeiros "por listas negras de instituições bolivianas ou organismos internacionais."

Nem o Ministério nem o Departamento de Migração da Bolívia respondeu a pedidos de entrevistas para esclarecer em que medida cubanos têm acesso a bases de dados nacionais. Além do silêncio, os chips cubanos alcançam novas latitudes do continente.

RIC RFID do Brasil

O Brasil tem seus próprios planos para uma carteira de identidade com chip RFID. No entanto, acordo com este video da UOL, a RIC esta longe de ser implementada. A noticia abaixo mostra um projeto aprovado pelo senado em marco de 2013 determinando a emissão gratuita da primeira via para todos os cidadãos. Como as outras identidades do continente, a brasileira também sera baseada em RFID. Basta saber se usará a mesma tecnologia cubana.

Senado aprova projeto para emissão gratuita de novo modelo de RG

 O Senado aprovou nesta quarta-feira projeto que obriga a emissão, de forma gratuita, do novo documento de identidade criado pelo governo federal há mais de dois anos. O projeto prevê a gratuidade para a primeira emissão do documento, um cartão com chip que vai substituir a cédula em papel do RG (registro geral) nos próximos dez anos.

Autor do projeto, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) argumenta que o custo de R$ 40 para a sua emissão é "muito alto" para diversos brasileiros --por isso o governo deve arcar com a primeira versão do cartão. O custo foi estimado em abril 2010, quando o governo anunciou a mudança do documento, uma vez que a identidade traz um chip eletrônico com informações do cidadão.

"Para se ter uma ideia, o valor orçado corresponde a quase 10% do atual salário mínimo. Considerando-se a cesta básica, calculada em abril de 2011, o valor cotado para emissão do novo Registro de Identidade Civil fica ainda mais significativo", disse Nogueira.

Relator do projeto, o senador Benedito de Lira (PP-AL) afirmou que a troca do RG tradicional pelo documento eletrônico vai proporcionar maior "segurança e eficiência" na identificação do cidadão, mas não é justo que ele tenha que custear a troca.

http://f.i.uol.com.br/folha/cotidiano/images/10364317.jpeg
Cartão RIC (Registro de Identidade Civil), que
irá substituir o RG (Registro Geral) no Brasil

"Busca-se, por meio desta proposição, fazer com que o Estado arque ao menos com a primeira emissão desse documento", afirmou.

O novo modelo de identidade será único para o país e terá dez dígitos (uma sequência de nove números mais um dígito verificador). Hoje, cada Estado adota uma numeração diferente e sistemas próprios de emissão das carteiras de identidade, sem se comunicarem.

Em São Paulo, o documento tem nove dígitos; no Rio Grande do Sul, dez; e no Distrito Federal, sete, por exemplo. A ideia do governo é trocar todos os documentos --são 150 milhões atualmente-- em até dez anos.

Nesse período, as duas carteiras (antiga e novo modelo) serão aceitas, pois a substituição será gradativa e dependerá da capacidade do governo de aparelhar os institutos com equipamentos capazes de gerar o documento.

O modelo da carteira será similar a um cartão bancário com chip, reunirá dados pessoais, CPF e título de eleitor, e a impressão digital adaptada ao AFIS (sigla em inglês para Sistema Automático de Identificação de Impressões Digitais).

ComputerWorld: Conheça as especificações técnicas do RIC e como funcionará

Criptografia, RFID e banda larga. Todas serão tecnologias necessárias ao uso do cartão que servirá de suporte à nova identidade dos brasileiros.

O novo Registro de Identidade Civil (RIC), documento lançado no fim do governo Lula e que começa a vigorar este ano, gradativamente substituirá as atuais cédulas do RG. Com investimentos de cerca de R$ 90 milhões custeados pelo Ministério da Justiça, os primeiros cartões serão expedidos em 2011 pela Casa da Moeda do Brasil. Mas como serão eles? Que tecnologias usará além do chip contendo informações como gênero, nacionalidade, data de nascimento, foto, filiação, naturalidade, assinatura, órgão emissor, local de expedição, data de expedição e data de validade do cartão, e informações referentes a outros documentos, como título de eleitor, CPF, etc?

As normas do Registro de Identidade Civil (RIC) publicadas no Diário Oficial em 2010 determinam que cartão deverá ser feito de policarbonato (um plástico altamente resistente) e terá um certificado digital. Além disso, terá dois chips. Um servirá para aplicações que exijam contato, ou seja, a inserção do RIC em máquinas de leitura – catracas, ATMs, etc. E o outro será equipado com padrão RFID, para leitura de dados por radiofrequência, apenas por aproximação, como fazem algumas chaves de carros mais modernos. Outra exigência do Ministério da Justiça, coordenador do projeto, é a de que tanto o cartão como os chips durem ao menos dez anos.

A biometria é gravada numa camada interna do cartão, queimada a laser. E os chips trazem recursos de autodestruição das trilhas, no caso de tentativa de clonagem ou invasão. Isso é importante, porque a chave privada do certifi cado digital da pessoa estará dentro do chip. “Se alguém tentar tirá-la de lá, o processador tem uma resistência que apaga os dados”, diz Martini. "O cartão, essa chapinha minúscula, é um computador. Tem memória, sistema de arquivo, processador, um criptoprocessador e um sistema de gravar arquivo, para gerar o par de chaves com números complexos."

Os certificados digitais brasileiros usam assinaturas digitais assimétricas, baseadas nesse par de chaves. Uma chave (na verdade, uma combinação numérica) é pública e circula entre as instituições com as quais o cidadão se relaciona; a outra é privada, e só a pessoa tem. A conferência da assinatura acontece porque a sua chave pública só combina com o seu par privado. E o nível de segurança depende do tamanho da chave. De acordo com Martini, atualmente, chaves de 1.024 bits exigem tanto poder e tempo computacional para serem quebradas que são consideradas ideais em termos de segurança. E aquelas de 2.048 bits são virtualmente inquebráveis.

As chaves criptográficas de 512 bits, contudo, já não são recomendadas, devido ao avanço do poder de processamento das máquinas. Mesmo assim, seria preciso um cluster com dez computadores trabalhando ininterruptamente por cinco meses, para quebrá-la. “Assim, para compensar movimentar um custo computacional monumental como esse, é preciso ter muita coisa em jogo – segredos industriais de milhões de dólares, por exemplo. Ou seja, muito improvável”, analisa Martini.

O fato é que, com o tempo, a computação ganha poder e os algoritmos precisam ganhar maior complexidade. O presidente do ITI lembra que os cartões têm vida útil de dez anos, e também precisarão ser renovados periodicamente. Uma das intenções, diz, é propor estender a validade das certificações para cinco anos (atualmente, são três, como em Portugal), entre outros motivos, por conta do tamanho do País e da sua população. Ou, completa Paulo Airan, do Ministério da Justiça, alterar as normas que só permitem renová-las uma vez, para que isso possa ser feito repetidas vezes.

O fator humano

O ITI é responsável pela auditoria nas empresas que vendem certificações digitais. Esse processo cobre “um conjunto exaustivo de temas”, segundo Martini, mas “com muito mais foco no fator humano do que no tecnológico”. “É nas pessoas”, diz ele, “que está o maior risco de fraude”. Tokens, leitores e outros dispositivos têm hoje muita qualidade. O perigo está na hora da autenticação ao vivo, na presença da pessoa, na coleta dos dados – “se o agente de registro é confiável ou se pode ser corrompido”.

Atualmente, as auditorias são anuais nas nove certificadoras de primeiro nível (chamadas AC), que atuam no Brasil. Isso significa que elas têm o encargo de autoridade certificadora, com sala-cofre, pessoal especializado, e podem credenciar e auditar as certificadoras de segundo nível, que atuam no varejo. Como resultado das auditorias, é publicada mensalmente ou semanalmente a LCR, Lista de Certificados Revogados.

Banda larga, sempre ela

Outra necessidade técnica do projeto RIC será a comunicação de dados. Cada vez que for preciso consultar a base de imagens de impressões digitais, localizada em Brasília, a imagem de um dedo vai trafegar pela rede. No auge da operação, espera-se 80 mil consultas por dia.

O secretário-executivo do Comitê Gestor do RIC, Paulo Airan, do Ministério da Justiça, diz que o tema ainda está sendo discutido. “A princípio deve ser contemplado num processo de licitação ou ser objetivo de uma política de convênio com o ministério”. Ele lembra que há, ainda, a Infovia, rede baseada em Brasília, e, em tese, todos os estados devem ter link com o Infoseg, sistema de informação da Secretaria Nacional de Segurança Pública. Também não se sabe, dentro do Comitê Gestor, que papel poderá desempenhar a Telebrás.

Clique aqui para consultar as especificações completas do cartão RIC.

Fontes:
- Blog do Aluízio Amorim: O Chip Cubano se Alastra Pela América Latina Devassando Dados Pessoais dos Cidadãos em Proveito DE Governos Comunistas.
- Fórum Anti Novam Ordem Mundial: EXCLUSIVO: O Chip Cubano se alastra pela América Latina
- Senado aprova projeto para emissão gratuita de novo modelo de RG
- Diário Oficial: Especificações Técnicas da RIC brasileira

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;