RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

O Terrorismo Implementado pelos Drones dos EUA no Paquistão

sábado, 9 de novembro de 2013 |

Ataques de drones são um instrumento de tática de terror, que dizimam a população civil.

Agora sabemos exatamente quantos membros da Câmara dos Representantes dos EUA que realmente se importam com o terrorismo norte americano, a ponto de participar de uma audiência no Congresso sobre um ataque de drones feito pelos EUA que seguiram um padrão de terrorismo clássico, ao matar uma avó e ferindo nove crianças no Paquistão.

São cinco (5)
Cinco membros da "casa do povo" se apresentaram para a reunião e apenas um deles permaneceu lá por todos os 90 minutos previstos.

Quando uma das testemunhas expressou decepção com a pouca participação, um congressista assegurou-lhe: foi até melhor do que esperávamos. Todos os que foram eram democratas.
Nenhum outro Deputado Americano juntou-se ao público de pouco mais de 100 pessoas, eles teriam ouvido o que alguns dos sobreviventes descrevem como um ataque inexplicável ( e inexplicável , porque a CIA não explica ), em que o primeiro míssil robô explodiu uma velha parteira de 67 anos de que estava colhendo quiabo e feriu dois de seus netos. Os outros saíram correndo de uma casa vizinha para ver o que tinha acontecido, quando então o segundo míssil do Drone explodiu e feriu mais sete crianças.

Esta é uma tática terrorista clássica, às vezes chamada de "double tap ", em que é usada a primeira explosão para atrair uma multidão de socorristas e curiosos, para que sejam usados como alvos para a segunda explosão . Normalmente estes ataques duplos atingem uma efetividade significativa.
Em um mundo mentalmente sadio, deveriam ter ocorrido mais protestos contra a única superpotência do mundo, que está usando táticas terroristas sobre as populações civis em uma meia dúzia ou mais de países, com base na lógica de uma guerra global contra o terror ( não obstante este é o nome oficial ), que até agora parece apenas ter provocado morte e o caos em um cenário mundial já mortal e caótico, porque ninguém no governo parece ser capaz de se apresentar com uma forma menos destrutiva de defender a pátria , em detrimento de qualquer outro país que escolherem.
 
Os paquistaneses continuam nos pedindo para pararmos de matar a sua gente
 
Até mesmo o organizador da audiência, o Republicano Alan Grayson da Flórida, que mostrou grande simpatia à família da avó assassinada, de alguma forma na verdade acredita que os assassinatos são, em última análise, culpa do Paquistão. Em uma aplicação estranha da tática de culpabilização da vítima, Grayson disse à BBC que os ataques com drones não seriam possíveis sem a aprovação do governo paquistanês.

"O Paquistão tem uma força aérea forte, que tem o poder de impor uma vigilância em suas fronteiras sempre que assim decidir", disse Grayson , deixando livres aos ouvintes a inferir que ele não tinha nenhuma objeção a aviões paquistaneses abatendo drones Americanos. Ele também alegou que o exército paquistanês de um milhão de soldados possa ser capaz de controlar centenas de militantes facilmente , talvez esteja considerando o “grande sucesso” Americano em suas batalhas contra os insurgentes em outras partes da região.

O ministro da Informação do Paquistão , Pervez Rashid, prontamente refutou Grayson e reafirmou a rejeição do governo paquistanês sobre os ataques com drones, como violações da soberania do Paquistão, que apenas fazem com que mais revoltados se juntem aos militantes . Ele falou da unanimidade Paquistanesa na oposição ao ataques com drones, da crescente oposição internacional aos ataques com drones, e de sua esperança de que seu governo consiga acabar com ataques de drones em breve.
 
 
Como Grayson, Rashid evitou tocar no ponto central sobre ataques de aviões não tripulados ao redor do mundo: os Estados Unidos são uma nação fora da lei que continua a violar o direito internacional com impunidade, é um Estado pária que outros não podem controlar, a um custo que não estão dispostos a suportar. (Outros países que atualmente fazem guerra com drones incluem a Grã-Bretanha no Afeganistão e Israel em Gaza.)

O dia após a audiência de de Grayson sobre o ataque terrorista, o primeiro-ministro paquistanês Nawaz Sharif se reuniu com o presidente Barack Obama na Casa Branca, e reiterou a oposição do Paquistão aos ataques com drones em seu país. Publicamente, o primeiro-ministro colocou a questão no contexto mais amplo da guerra contra o terror:

"O Paquistão e os Estados Unidos têm uma forte cooperação de contra-terrorismo em andamento. Concordamos em fortalecer ainda mais esta cooperação. Eu também levantei a questão dos drones no nosso encontro, enfatizando a necessidade de colocar um fim a esses ataques."

Obama não fala sobre as guerras secretas, mesmo quando todo mundo sabe sobre elas
 
O presidente Obama não mostrou respeito suficiente para com Sharif para reconhecer publicamente que a guerra de drones da América “pode ser” um problema para aqueles que estão sendo atacados.

Esta foi a mesma falta de resposta que o presidente anteriormente deu a um outro emissário do Paquistão, Malala Yousafzai , uma vítima do Talibã de 16 anos. Malala visitou a Casa Branca em 11 de outubro para uma conversa com o presidente e uma oportunidade de foto com suas filhas. A única declaração pública sobre a guerra americana de drones  veio na entrevista de Malala após a reunião:

"Eu agradeci ao presidente Obama pelo trabalho dos Estados Unidos no apoio à educação no Paquistão e no Afeganistão e pela ajuda aos refugiados sírios. Eu também expressei a minha preocupação de que estes ataques com drones estão incentivando o terrorismo. Vítimas inocentes estão sendo mortas nesses ataques, e isso pode levar ao ressentimento entre o povo paquistanês".

O que está por traz desta atitude do presidente é que é a CIA quem comanda as guerras de drones da América, por isso elas são definidas como secretas, independente de quantas pessoas saibam sobre elas. Esta é uma postura de “duas caras” que foi assumida pela administração Bush , quando começou a guerra dos Drones, que foi iniciada em 2004. Qualquer sentimento de auto-respeito do tribunal de crimes de guerra, poderia explorar esta questão em detalhes e atribuir responsabilidade nesse sentido. Até lá, os drones americanos podem matar indiscriminadamente em uma campanha de bombardeio que oficialmente não existe, mesmo que todo mundo sabe que ela existe e muitos funcionários falam sobre isso publicamente (mas anonimamente).

O resultado pode ser às vezes não intencionalmente hilário, como quando o presidente, em seus comentários não esclarecedores sobre a conversa com primeiro-ministro Sharif, disse que tinha falado sobre "violência sem sentido, o terrorismo e o extremismo", o que certamente é um eufemismo que descreve a guerra de drone dos EUA, entre outras atividades terroristas. O presidente exibiu este humor negro ao dizer com uma cara séria que "é preciso encontrar formas construtivas para... respeitar a soberania do Paquistão".

Respeitar a soberania de outras nações realmente não é o Jeito Americano


O presidente não teria que rolar na lama sobre respeitar a soberania do Paquistão -, ele poderia começar com um gesto, uma pequena oferta de boa-fé, como proibindo a CIA de exercer a pura técnica de terrorismo do duplo ataque. Médicos e enfermeiros paquistaneses e bons samaritanos podem não ficar agradecidos, mas estariam vivos.
Ou o presidente poderia fazer menos ainda, ele poderia simplesmente proibir a CIA de explodir os enlutados, nos funerais de vítimas de ataque de mísseis feitos anteriormente. Isso mostraria respeito, pelo menos de uma forma que até a Máfia tradicional respeita.
Os Estados Unidos não admitem que empreguem essas táticas terroristas em sua guerra de terror contra o terrorismo. Mas tem pelo menos um lado bom nisso - o presidente não teria que admitir que parou de fazer estas coisas.

Um comentário:

Anônimo disse...

O financiamento da Revolução Russa foi feito pelos judeus americanos Jacob Schiff, Felix Warburg, Max Breitung, Otto H. Kahn, Mortimer Schiff, Jerome H. Hanauer, e pelo Banco Kuhn Loeb & Co.

Posts Relacionados
 
;