RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

A Verdadeira História de Como Oprah Winfrey Ajudou a Promover um Estuprador em Massa que Administrava uma Fazenda de Escravas Sexuais

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019 |

Em 2010, a 'guru' do talk show Oprah Winfrey dedicou um episódio inteiro de seu programa a um "curandeiro" que ela professa como um encontro "feliz". Mas, esse "curandeiro da fé" já foi exposto como um estuprador em série que na verdade operava uma enorme "fazenda de escravas sexuais" e uma "fábrica de nascimentos" por trás de sua fachada religiosa.


Na época, Oprah estava convencido de que João Teixeira de Faria, mais popularmente conhecido como “João de Deus”, era credível. Ela afirma que quase desmaiou ao encontrá-lo pela primeira vez, já que sua presença era aparentemente demais para ela, fazendo com que ela sentisse “uma enorme sensação de paz”.

Intitulado "Salto de Fé: Conheça João de Deus", este episódio em particular do programa de Oprah teria gerado interesse em João de Deus. Por causa da Oprah, em outras palavras, dezenas de milhões de pessoas que nunca tinham ouvido falar de João de Deus foram rapidamente introduzidas nos muitos “incríveis milagres” desse “curandeiro”, que incluem histórias sobre curar uma mulher de câncer simplesmente cortando o peito sem anestesia e removendo um tumor.

Diz-se também que João de Deus curou muitas outras pessoas simplesmente tocando-as e citando uma oração sucinta, que pareceria torná-lo um milagreiro moderno, com poderes de cura sobrenaturais - ou algo do tipo que seus seguidores foram levados a acreditar.

Avançando para 2019, centenas de mulheres apresentaram alegações de que João de Deus as estupraram. O "curandeiro da fé" também está sendo acusado de recrutar garotas para suas muitas "fazendas de escravos para crianças", onde foram repetidamente engravidadas como parte de uma "fábrica de nascimentos", antes de serem mortas e descartadas.

Uma dessas mulheres, Zahira Lieneke Mous, da Holanda, teria dito ao The New York Times que ouviu pela primeira vez sobre João de Deus “através de um amigo e viu o documentário de Oprah Winfrey”. Uma vítima de agressão sexual anterior, Mous confidenciou a João de Deus, acreditando nele para um homem justo e espiritual - apenas para aprender da maneira mais difícil que ele também é um predador sexual.

Eu realmente espero poder ajudar outras mulheres a sair dessa sombra, porque não precisamos sentir vergonha”, disse Mous aos apresentadores da TV Globo. "Ele tem que se sentir envergonhado, e todas as pessoas que o protegem para que ele possa continuar a fazer o que ele faz."

Mulher que acusou que João de Deus estava operando a escravidão sexual “comete suicídio” 

Mas a terrível experiência de Mous é apenas a ponta do iceberg. Graças à promoção de João de Deus por Oprah - Oprah também promoveu agressivamente Barack Obama como um tipo de “messias”, a propósito - ele supostamente passou a cometer agressão sexual, estupro e pior contra centenas de outras mulheres e crianças, usando seu status percebido como um "homem de Deus" para atrair suas vítimas em suas garras.

Segundo os promotores brasileiros, mais de 200 mulheres se apresentaram para acusar João de Deus de impropriedades sexuais contra eles - incluindo sua própria filha, Dalva Teixeira, que diz que seu pai a abusou e estuprou repetidamente entre as idades de 10 e 14 anos. Ele somente parou, ela afirma, depois que ela ficou grávida de um de seus empregados, o que resultou em João de Deus espancando-a tanto que ela abortou.

Outra mulher, Sabrina Bittencourt - que, desde a redação do nosso último artigo e deste, foi relatada como tendo “cometido suicídio enquanto estava em fuga e 'vivendo sob proteção' no Líbano - disse aos oficiais que João de Deus estava fazendo uma operação de escravas sexuais na qual bebês recém-nascidos estavam sendo vendidos por mais de 51.000 dólares cada para clientes nos Estados Unidos, Europa e Austrália.

Bittencourt alegou que João de Deus oferecia às meninas pobres, entre os 14 e os 18 anos, a “oportunidade” de irem para várias minas e fazendas minerais que possuíam nos estados brasileiros de Goiás e Minas Gerais. Após a sua chegada, essas meninas foram transformadas em escravas sexuais, forçadas a engravidar e seus bebês foram vendidos a dinheiro "pelo maior lance".

Em troca de comida, elas foram engravidadas e seus bebês vendidos no mercado negro”, afirmou Bittencourt antes de sua misteriosa morte. “Centenas de meninas foram escravizadas durante anos, vivendo em fazendas em Goiás e serviram como ventres para engravidar, para que seus bebês fossem vendidos. Essas meninas foram assassinadas após 10 anos de parto. Nós temos vários testemunhos.

É o tipo de história de terror que pode nunca ter se tornado realidade se não fosse pela promoção ignorante desse “monstro”, como sua filha a chamava, pela ingênua e espiritualmente ingênua Oprah Winfrey - que, em resposta ao desdobramento deste caso, só poderia oferecer "empatia" para as mulheres "que agora estão se manifestando e espero que a justiça seja feita".

Leia mais:


Clube Bilionário aposta em restringir superpopulação







Fundação Gates: Perigosos Contraceptivos para Mulheres Negras





Fontes:
Natural News: The true story of how Oprah Winfrey helped promote a mass rapist who ran a child slave farm
The New York Times: Celebrity Healer in Brazil Is Accused of Sexually Abusing Followers
Zero Hedge: Rape, Murder, & A Suspicious Suicide: Jailed "Psychic Surgeon" To Stars Ran Gruesome Sex Slave Farms
Politico: Messianic rhetoric infuses Obama rallies

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;