RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Estão Vendendo Nossa Água? A Verdade Sobre a Seca em São Paulo!

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015 |
Fórum Anti-NOM


Sobre a crise da água em São Paulo, nem todos estão cientes que a Coca Cola e outras empresas tem contratos sigilosos de fornecimento de água, e que estas empresas estão ainda sendo acusadas de apropriação indevida de água bruta (antes do tratamento). Estão vendendo a nossa água? Estão deixando o povo passar necessidade enquanto a Coca-Cola pode continuar o uso desenfreado de água para fazer seus refrigerantes venenosos?

Vi dois artigos falando sobre as grandes industrias de bebida do mundo. A primeira falando da Coca-Cola e a segunda da Nestlé.

A Coca já secou mananciais por onde passou, segundo aponta a fonte. É até plausível que uma empresa do tamanho dessa que utiliza a água como a sua maior fonte de matéria prima precise de grandes quantidades de água potável para a produção.

Segue o artigo: 



A Coca-Cola é assim

    

“Obrigado por compartilhar a felicidade”, diz-se no último anúncio da Coca-Cola (em espanhol), mas olhando de perto parece que a Coca-Cola de felicidade compartilha bem pouco. Se pensam que não, perguntem aos trabalhadores das fábricas que a multinacional pretende fechar agora no Estado Espanhol ou aos sindicalistas perseguidos, e alguns, até sequestrados e torturados na Colômbia, na Turquia, no Paquistão, na Rússia, na Nicarágua ou às comunidades da Índia que ficaram sem água após a saída da companhia. Isso para não falar da péssima qualidade dos seus ingredientes e do impacto na nossa saúde.

Em cada segundo consomem-se 18,5 mil latas ou garrafas de Coca-Cola em todo o mundo, segundo os dados da própria empresa. O império Coca-Cola vende as suas 500 marcas em mais de 200 países. Quem garantiria isso a John S. Pemberton, quando em 1886, elaborou tão exitosa poção numa pequena farmácia de Atlanta. Hoje, pelo contrário, a multinacional já não vende apenas uma só bebida mas muito mais. Através de campanhas multimilionárias de marketing, a Coca-Cola vende-nos algo tão desejado como “a felicidade”, “a faísca da vida” ou “um sorriso”. Todavia, nem o seu Instituto de la Felicidad [ou a Fábrica da Felicidade, em português] é capaz de esconder toda a dor que a empresa provoca. O seu currículo de abusos sociais e laborais corre, tal como os seus refrigerantes, todo o planeta.

Agora, chegou a vez do Estado Espanhol. A Companhia acaba de anunciar uma reorganização que implica o encerramento de quatro das suas onze fábricas, o despedimento de 1.250 trabalhadores e a recolocação de outros 500. Uma medida que, segundo a multinacional, é tomada “por causas organizativas e produtivas”. Pelo contrário, um comunicado da central sindical CCOO desmente esta informação e assinala que a empresa tem enormes lucros de cerca de 900 milhões de euros e um faturamento de mais de 3 bilhões de euros.

As más práticas da empresa são tão globais como a sua marca. Na Colômbia, desde 1990, oito trabalhadores da Coca-Cola foram assassinados por paramilitares e outros 65 receberam ameaças de morte, segundo “El informe alternativo de Coca-Cola” da organização War on Want. O sindicato colombiano Sinaltrainal denunciou a multinacional por detrás destas ações. Em 2001, o Sinaltrainal, através da International Labor Rights Fund e da United Steel Workers Union, conseguiu interpor nos Estados Unidos um processo contra a empresa por estes casos. Em 2003, o tribunal indeferiu a petição alegando que os assassinatos ocorreram fora dos Estados Unidos. A campanha do Sinaltrainal, de qualquer maneira, tinha já conseguido numerosos apoios.


O rastro de abusos da Coca-Cola se encontra praticamente em cada canto do planeta onde ela está presente (ZooFari/Wikimedia Commons)

Encontramos o rastro de abusos da Coca-Cola praticamente em cada canto do planeta onde ela está presente. No Paquistão, em 2001, vários trabalhadores da fábrica do Punjab foram despedidos por protestar e as tentativas de sindicalização dos seus trabalhadores em Lahore, Faisal e Gujranwala se chocaram com a oposição da multinacional e da administração. Na Turquia, os seus empregados, em 2005, denunciaram a Coca-Cola por intimidação e torturas e por utilizar um setor especial da polícia para estes fins. Na Nicarágua, no mesmo ano, o Sindicato Único de Trabalhadores (Sutec) acusou a multinacional de não permitir a organização sindical e ameaçar com despedimentos. E encontramos casos semelhantes em Guatemala, Rússia, Perú, Chile, México, Brasil, Panamá. Uma das principais tentativas para coordenar uma campanha de denúncia internacional contra a Coca-Cola foi em 2002 quando sindicatos da Colômbia, da Venezuela, do Zimbábue e das Filipinas denunciaram conjuntamente a repressão sofrida pelos seus sindicalistas na Coca-Cola e as ameaças de sequestros e assassinatos que receberam.

Cabe destacar ainda que a companhia não é unicamente conhecida pelos seus abusos laborais mas também pelo impacto social e ecológico das suas práticas. Como a própria empresa reconhece: “A Coca-Cola é a empresa da hidratação. Sem água, não há negócio”. E onde se instala, ela suga a água até à última gota. De fato, para produzir um litro de Coca-Cola, são precisos três litros de água. E não só para a bebida mas também para lavar garrafas, máquinas… Água que a posteriori é descartada como água contaminada, com o consequente prejuízo do meio ambiente. Para saciar a sua sede uma engarrafadora da Coca-Cola pode chegar a consumir até um milhão de litros de água por dia, a empresa toma unilateralmente o controle de aquíferos que abastecem as comunidades locais deixando-as sem um bem essencial como a água.

Na Índia, vários Estados (Rajastán, Uttar Pradesh, Kerala, Maharastra) encontram-se em pé de guerra contra a multinacional. Vários documentos oficiais assinalam a diminuição drástica dos recursos hídricos onde a empresa está instalada, acabando com a água para o consumo, a higiene pessoal e a agricultura, sustento de muitas famílias. Em Kerala, em 2004, a fábrica de Plachimada da Coca-Cola foi obrigada a fechar depois do município ter negado a renovação da sua licença acusando a Companhia de esgotar e contaminar a sua água. Meses antes, o Tribunal Supremo de Kerala sentenciou que a extração massiva de água por parte da Coca-Cola era ilegal. O seu encerramento foi uma grande vitória para a comunidade.

Casos similares aconteceram também em El Salvador e Chiapas, entre outros. Em El Salvador, as fábricas de engarrafamento da Coca-Cola esgotaram os recursos hídricos após décadas de extração e contaminaram aquíferos ao desfazer-se da água não tratada procedente das fábricas da empresa. A multinacional sempre se recusou a responsabilizar-se pelo impacto das suas práticas. No México, a Companhia privatizou inúmeros aquíferos, deixando as comunidades locais sem acesso aos mesmos, graças ao apoio incondicional do Governo de Vicente Fox (2000-2006), antigo presidente da Coca-Cola do México.

O impacto da sua fórmula secreta sobre a nossa saúde está também extensamente documentado. As suas altas doses de açúcar não nos beneficiam e convertem-nos em “viciados” da sua poção. E o uso do aspartame, edulcorante não calórico substitutivo do açúcar, colocado na Coca-Cola Zero, está demonstrado que consumido em altas doses pode ser cancerígeno, como assinalou a jornalista Marie Monique Robin no seu documentário “O nosso veneno cotidiano”. Em 2004, a Coca-Cola da Grã-Bretanha viu-se obrigada a retirar, após o seu lançamento, a água engarrafada Desani, depois de se ter descoberto no seu conteúdo níveis ilegais de brometo, substância que aumenta o risco de cancro. A empresa teve que separar meio milhão de garrafas, do que havia anunciado como “uma das águas mais puras do mercado”, apesar de um artigo na revista The Grocer assinalar que a sua fonte era água tratada das torneiras de Londres.

Os tentáculos da Coca-Cola, assim mesmo, são tão grandes que, em 2012, uma das suas diretoras, Àngela López de Sá, chegou à direção da Agência Espanhola de Segurança Alimentar. Que posição vai ter, por exemplo, a Agência face ao uso do aspartame quando a empresa, que até poucos dias lhe pagava o salário como sua atual diretora, o usa sistematicamente? Conflito de interesses? Já o assinalamos antes com o caso de Vicente Fox.

A marca que nos diz vender felicidade, reparte antes pesadelos. A Coca-Cola é assim diz o anúncio. Assim é e assim a descrevemos."

Em Jundiaí - SP, está situada a MAIOR fábrica da Coca-Cola do mundo.
Vejam:

Jundiaí é sede da maior fábrica da Coca-Cola do mundo

A localização privilegiada e a boa infraestrutura de Jundiaí foram determinantes para que o município paulista se tornasse a sede da maior fábrica da Coca-Cola no mundo em volume de produção. A unidade tem quase 180 000 metros quadrados de área, emprega mais de 1.000 funcionários e produziu 1,7 bilhão de litros de bebidas em 2013. Os produtos que saem de lá abastecem a maior parte do Estado de São Paulo, inclusive a capital, e parte de Minas Gerais. Recentemente, a fábrica montou um gigantesco armazém vertical com 23 metros de altura, 100 de largura e 75 de profundidade. A estrutura é capaz de armazenar a produção de quatro dias da fábrica, o que simplifica a logística e encurta os prazo de distribuição. (Gabriel Castro, de Jundiaí)

Suspeita de desvio de rio para abastecimento de indústria da Coca-Cola

Existe uma investigação da Promotoria de São Paulo que apura o desvio de um rio para atender a fábrica. Isso mesmo, um rio. A capacidade desse desvio é de 500 litros por segundo. Fazendo um cálculo rápido chega-se a quantia de 30.000 litros por minuto, 1.800.000 por hora e 43.200.000 litros por dia de água roubada. 


O MP indica que, em caso de seca, esse volume de água desviado causaria sério risco de escassez de água na região. 


Ora, temos a maior fábrica da bebida mais vendida do mundo que utiliza 3 litros de água para cada 1 litro do veneno preto. Acredito que essa fonte de água da empresa está sobrecarregada e a seca está prejudicando as reservas mais abaixo. Eu não sou geógrafo, mas racionando sobre o rumo das águas que desembocam no mar, acredito que isso pode afetar o sistema da cantareira.
Na própria apuração do MP, indica que "em tempo de estiagem mais de 1 milhão de pessoas podem ficar sem abastecimento de água em Campinas". 

Vejam: 
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2...i-sp.shtml

    

Em guerra contra a Nestlé

Em Minas Gerais, moradores e o Ministério Público também brigam com outra multinacional devido a apropriação das águas da região. Nesse caso, a meu ver, não afeta diretamente o sistema da cantareira, mas reforça a a metodologia empregada por essas empresas para com os nossos recursos hídricos. Se apropriam de algo natural e ganham rios de dinheiro.

Não inserirei o texto na íntegra pois é extenso e ficaria cansativo. Deixarei o Link:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/08/1499471-promotoria-apura-desvio-de-agua-de-rio-para-coca-cola-em-jundiai-sp.shtml

10 alimentos que mais consomem água para serem produzidos

1. Carne bovina. Para produzir 1 quilo de carne de bovina são necessários 15.400 litros de água.

2. Chá verde
8.860 litros de agua para produzir 1 quilo do chá. E para cada saquinho que contém aproximadamente 3 gramas das folhinhas, são necessários 30 litros de água.

3. Carne de porcoPara produzir um quilo de carne de porco são necessários 6.000 litros d'agua

4. ArrozPara produzir um quilo de arroz precisamos de 2.500 litros d'água 

5. Cana-de-açúcar. Para produzir 1 quilo de cana-de-açúcar são necessários 1.800 litros de água.

6. PãoPara produzir 1 quilo de pão é necessário 1.600 litros de água. 

7. CevadaPara se obter um quilo de cevada se utiliza 1.420 litros de água. 

8. Maçãs. 
Para produzir uma única maçã é necessário bem 125 litros de água, que sobem para 1.140 litros para cada caixinha de suco de maçã. 

9. Leite. Parece incrível, mas para produzir 1 litro de leite se usa 1.000 litros de água.

10. Vinho. Para o vinho a pegada de água é de 610 litros de água por quilo, portanto, um único copo de vinho consome 110 litros de água para ser produzido. Um estudo da consultoria Water Footprint Network revelou que a produção de cada litro de vinho consome outros 960 litros de água, a maior parte deles gasta no cuidadoso cultivo das uvas.

Outros dados:

1 litro de refrigerante se gasta 7 litros de água. 

155 litros de água para 1 litro de cerveja

MP investiga desvio irregular de água do Atibaia para fábrica da Coca-Cola - Dados "Sigilosos"

Na portaria de abertura do inquérito, datada de 30 de julho, o Gaema cita um documento disponível no site oficial do Instituto Coca-Cola, onde a empresa diz que a planta de Jundiaí é abastecida com “água bruta captada pelo DAE (Diretório de Água e Esgoto de Jundiaí), tendo o Rio Jundiaí Mirim como a sua principal fonte”. O documento é uma explanação sobre o método de reaproveitamento de água da indústria e cita, de forma ambígua, uma vazão de 500 litros por segundo

Diante do desencontro de informações, nós instauramos o inquérito e solicitamos por meio de ofício mais dados, como o contrato entre a DAE e a empresa, e informações detalhadas do tipo de tratamento dado à água antes dela ser repassada à Coca-Cola”, explicou Garcia. "É um volume de água considerável e precisamos entender de que forma isso está sendo feito", 

O promotor lembra, ainda, que se o volume de água que se suspeita ser transferido de Jundiaí para a fábrica da Coca-Cola confirmar-se como o de 500 litros por segundo, o fluxo daria para abastecer uma cidade do porte de Valinhos, por exemplo, que atualmente, segundo o Departamento de Águas Esgoto de Valinhos, capta 400 litros de água por segundo atualmente.

A DAE, cujo acionista majoritário é a Prefeitura de Jundiaí, e que é o alvo da investigação do MP, informou por meio da assessoria de imprensa que não fornece água bruta para a Coca-Cola Femsa, instalada na cidade. De acordo com a empresa, existe um contrato de fornecimento de água tratada, mas a vazão não pode ser divulgada para resguardar o sigilo do cliente.

Este post foi retirado do tópico com mesmo nome no Fórum Anti-NOM.

Leia mais:


São Paulo: 10 Mitos sobre a Crise de Falta de Água







Banco Mundial e Nestlé Querem Privatizar a Água Mundial









Por que a Falta de Água é Alarmante - E a Culpa não é só do Calor Recorde e da Seca






Fontes:
- Fórum Anti-NOM: Estão vendendo nossa água? A verdade sobre a seca em São Paulo
Veja: Jundiaí é sede da maior fábrica da Coca-Cola do mundo
- Portal Fórum: A Coca-Cola é assim
- Folha: Promotoria apura desvio de água de rio para Coca-Cola em Jundiaí (SP)

5 comentários:

Aldo Luiz Fonseca disse...

Caro amigo, aqui segue o link de mais sobre o mesmo golpe. Sinto muito, sou grato. https://www.youtube.com/watch?v=yAaYozNkV3A

dilei disse...

belíssima matéria.....quero compartilhar no facebook, cadê essa opção?

Anônimo disse...

Me vejo impelida a responder este post com 2 vídeos...


http://youtu.be/XAl2hxZwzV4

http://youtu.be/U8LX046Iwv0

http://senar-ma.org.br/governo-federal-expulsa-pequenos-produtores-rurais-de-sao-joao-do-caru/


"Nosso poder reside também na penúria permanente da alimentação. O direito do capital, esfomeando os trabalhadores, permite sobre eles um controle mais seguro do que poderia fazê-lo a nobreza com seu rei."

"Mas todo proprietário rural pode ser um perigo para nós, pois ele pode viver em autarquia (autônomo). É a razão pela qual é preciso, a todo preço privá-lo de suas terras. O meio mais seguro para se alcançar isso é aumentar os encargos rurais, [...] encher de dívidas os seus proprietários. – Os Protocolos dos Porcos de Sião


POR FAVOR, REPASSEM.

Romeu Campos disse...

Por favor não deixem de assistir. Sinceramente, estamos sendo enganados.

https://www.youtube.com/watch?x-yt-ts=1422503916&v=7rt1NikDDgU&x-yt-cl=85027636

nancioliveira disse...

parabéns pela matéria,s todos em chegassem e lutassem pelos seus direitos não estaria,os sendo tão enganados , vamos fazer o que pode,os fazer

Posts Relacionados
 
;