RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

China Está Ajudando os Governos do Mundo a Construírem seu Próprio Estado de Vigilância

terça-feira, 20 de novembro de 2018 |

Em todos os lugares, vemos a influência do governo chinês e seus métodos de vigilância totalitária.

Vá em frente e pesquise “Vigilância na China” (Sugestão: Use o DuckDuckGo ou um mecanismo de busca alternativo!) E observe quantos artigos surgem em relação à crescente distopia digital que está sendo finalizada na República Popular da China. Títulos como, Cartões de identificação inteligentes e reconhecimento facial: Como a China dissemina a tecnologia de vigilância em todo o mundo e o novo estado de vigilância da China, todos serão assistidos, revisados ​​e classificados, aquecerão o coração e encherão a cabeça com uma visão de sociedade onde nenhum pensamento é privado, criticar o Estado é ilegal e os seus comportamentos sociais afetam sua vida.

Este é o estado atual de grande parte da China. E está chegando a um bairro perto de você.


Um exemplo, a Reuters informou recentemente que a gigante de telecomunicações chinesa ZTE Corp está desenvolvendo um “cartão inteligente” para a Venezuela, para ajudar a rastrear os cidadãos a cada movimento. O governo venezuelano enviou um grupo à China para aprender como construir seu próprio estado de vigilância. De acordo a Reuters:

"O que vimos na China mudou tudo", disse o membro da delegação venezuelana e assessor técnico, Anthony Daquin. Sua surpresa inicial, ele disse, gradualmente transformou-se em medo de que tal sistema pudesse levar a abusos de privacidade pelo governo da Venezuela. "Eles estavam procurando ter o controle do cidadão."

No ano seguinte, quando ele levantou preocupações com autoridades venezuelanas, Daquin disse à Reuters que foi detido, espancado e extorquido por agentes da inteligência. Eles arrancaram vários dentes com uma arma e acusaram-no de comportamento traidor, disse Daquin, levando-o a fugir do país. Porta-vozes do governo não tinham comentários sobre o relato de Daquin.

Já se passaram dez anos desde a primeira viagem e a Venezuela está introduzindo o cartão de identificação inteligente conhecido como "carnet de la patria" ou "cartão da pátria". O cartão envia dados sobre a atividade de um indivíduo. Atualmente, ele está ligado ao governo por meio de programas subsidiados de alimentação, saúde e outros programas sociais. A Reuters analisou capturas de tela de dados de usuários e descobriu que o sistema de cartões armazena aniversários, detalhes familiares, emprego e renda, propriedades, histórico médico, benefícios previdenciários, detalhes de mídia social, filiação política e status de votação.

Olhando para a China, também vemos os produtos da influência chinesa. O site Quartz informou recentemente como a China está exportando seus métodos de vigilância digital para os governos africanos. O relatório afirma que o governo chinês e as corporações estão fornecendo infra-estrutura tecnológica para regimes autoritários e insistindo que as empresas internacionais aceitem a regulamentação de conteúdo chinês, mesmo fora da China. De acordo com o think tank norte-americano Freedom House, essa combinação é "uma ameaça existencial para o futuro da internet aberta e as perspectivas de uma democracia maior em todo o mundo".

O site Quartz relata:

No ano passado, a China promoveu sessões sobre seu extenso sistema de censura e vigilância para autoridades de mídia de países como Marrocos, Egito e Líbia. Em novembro passado, também realizou um seminário de duas semanas sobre “Gestão do ciberespaço para funcionários de países ao longo da iniciativa Belt and Road”. O Freedom House diz que “nem sempre fica claro o que transparece durante tais seminários”, mas essas reuniões geralmente são seguidas pela introdução de leis de segurança cibernética que se assemelham à lei da própria China, inclusive em Uganda e na Tanzânia.

Vale a pena você ler esse relatório. Os Estados Unidos não estão imunes a essa influência. O Google, com sede nos Estados Unidos, foi recentemente criticado por escolher construir uma versão censurada de seu mecanismo de busca para a China. Até mesmo o Facebook aparentemente planejava voltar para a China, onde o Facebook está bloqueado desde 2009. No entanto, hoje o Facebook anunciou que só o faria se a China permitisse "liberdade de expressão" e considerasse "implicações para a privacidade". .

O fato é que temos que aceitar o fato de que os principais governos do mundo estão cada vez mais apoiando medidas totalitárias. Os EUA, a China e a Rússia são hostis à liberdade de expressão e ao ativismo. Cada nação estvigiá em uma corrida armamentista tentando adquirir a mais recente tecnologia completa com reconhecimento facial e outros dados biométricos, bem como câmeras e microfones estrategicamente colocados em todo o mundo para que o Big Brother e nunca perca uma palavra. A implementação atual da tecnologia 5G permitirá que esta Rede de Vigilância Inteligente ganhe vida. A palavra na rua é que o lançamento do 5G estará completo entre 2018 - 2021.

O que você vai fazer sobre isso?

Leia mais:


Buscador Comunista do Google é Revelado







A Caminho dos EUA! APP de Censura Chinesa do Google e Rede de Controle






Assange: Esta Geração que Está Nascendo Agora... é a Última Geração Livre






Fontes:
Activist Post: China Is Helping Governments of the World Build Their Own Surveillance State
- Reuters: Pri: This Google engineer was asked to create a censored version of Google News for China. He refused.
Quartz Africa: China is exporting its digital surveillance methods to African governments
Bloomberg: Facebook Says Any Return to China Would Preserve Free Expression

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;