RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Estudo Sugere que a Poluição do ar Está Matando Mais Africanos do que o HIV

terça-feira, 13 de novembro de 2018 |

Um novo estudo declara que a poluição do ar é a principal causa de morte na África, com as condições de saúde relacionadas à poluição do ar matando mais pessoas do que a AIDS ou a malária.

O estudo revelou que, como um todo, a poluição do ar causa a morte prematura de mais de 1,2 milhão de pessoas todos os anos na África. Em comparação, a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), uma das doenças mais notórias do continente, mata 760 mil africanos em média.


As descobertas foram apresentadas por Susanne Bauer, uma afiliada do Earth Institute que cria modelos de composição atmosférica no Goddard Institute for Space Studies da NASA. Ela explica que uma das maiores fontes de poluição do ar no continente é a queima de biomassa, uma prática agrícola onde os restos de culturas nos campos são queimados.

A prática remove restos do campo e fertiliza o solo a tempo para o próximo lote de culturas, mas apresenta um grande problema ambiental e de saúde. Ele libera partículas muito finas no ar, a maioria das quais é prejudicial ao corpo humano. A prática é tão difundida na região que a África Subsaariana é a terceira maior origem de emissões de biomassa no mundo.

Essas partículas são muito pequenas, cerca de metade da largura das células vermelhas do sangue de uma pessoa. Uma vez inaladas, essas partículas se alojam nas vias aéreas humanas, aumentando o risco de desenvolver vários problemas graves, incluindo câncer de pulmão e outras doenças pulmonares, ataque cardíaco, derrame e outros.

Para chegar a seus números, a equipe de Bauer combinou um modelo climático e dados de satélite para criar um mapa detalhando a origem da queima de biomassa e onde a fumaça acaba. Eles também estudaram a distribuição de gases e partículas nocivas de outras fontes, como a indústria e a natureza. Os dados coletados foram então inseridos em um modelo econômico de saúde que estimou o número de vidas encurtadas pela poluição do ar, levando em conta fatores como a distribuição da idade e o risco de outras doenças.

Eles descobriram que, embora a queima tanto das florestas quanto dos campos produzisse a maior quantidade de poluentes atmosféricos, ela foi apenas a terceira maior causa de mortes relacionadas à poluição do ar, matando uma média de 70.000 pessoas em um ano. Isso ocorreu porque a prática de queima de biomassa normalmente ocorre em áreas escassamente povoadas.

Curiosamente, a segunda maior fonte de poluentes atmosféricos resultou em mais mortes. Estes são gases de fábricas e automóveis, bem como fuligem e carbono orgânico, que são normalmente encontrados em áreas urbanas densamente povoadas. As substâncias químicas desses gases incluem monóxido de carbono, óxido de enxofre, sulfatos e ozônio, entre outros.

A equipe admite que sua pesquisa não é perfeita. Por um lado, baseia-se no pressuposto de que todas as partículas liberadas, seja de queima de biomassa ou outras fontes de poluição do ar, são de igual toxicidade. Na realidade, diferentes partículas podem ter diferentes níveis de impacto no corpo humano. Este fato, no entanto, não diminui a realidade de que a poluição do ar causa problemas reais de saúde.

Eu acho muito impressionante que a mortalidade geral da poluição do ar seja da mesma ordem de grandeza que a AIDS”, observou Bauer. “Há muitas iniciativas para combater a AIDS, para combater a malária, mas a poluição do ar certamente é pouco abordada nesse continente.

Bauer entende que consertar o problema não será fácil, mas a conscientização é um bom começo. Sua equipe acredita que as intervenções podem salvar até 350.000 pessoas todos os anos. Essas intervenções poderiam incluir a redução da poluição industrial, o uso de técnicas de manejo da terra melhores e mais seguras, e informações sobre os efeitos nocivos das tempestades de poeira na saúde humana.

O estudo foi apresentado em uma reunião da American Geophysical Union.

Leia mais:


Alerta Vermelho Pela Poluição na China. COP21 deu de Ombros e Socialismo Comemorou o Achatamento da População











Fontes:
Natural News: Study suggests air pollution is killing more Africans than HIV/AIDS
State of the Planet: Air Pollution May Kill More Africans Than HIV/AIDS
Do Something: 11 Facts about HIV in Africa

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;