RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Não é tão Fácil Quanto no Cinema: Cientistas Dizem que Explodir Asteroides que Ameaçam a Vida da Terra Será Extremamente Difícil

quinta-feira, 15 de agosto de 2019 |


A maioria dos filmes de Hollywood que giram em torno de impactos de asteroides terminam com os heróis explodindo com sucesso a rocha espacial no último minuto. Mas os pesquisadores alertam que um asteroide potencialmente destruidor em direção à Terra será muito mais difícil de parar na vida real.

Como muitos outros antes deles, a Universidade Johns Hopkins (JHU) analisou a quantidade de força necessária para destruir um asteroide em direção à Terra. Ao contrário de seus antecessores, eles concluíram que os asteroides eram mais resistentes do que o esperado anteriormente, exigindo, assim, explosões muito maiores do que as atuais missões de deflexão de asteroides planejaram.


Os resultados de seu estudo podem ser valiosos para outros pesquisadores que estão desenvolvendo métodos e tecnologias para impedir que os asteroides próximos da Terra atinjam o planeta. Além disso, eles também podem ajudar a melhorar a eficiência das missões planejadas de mineração de asteroides no futuro.

"Nós costumávamos acreditar que quanto maior o objeto, mais facilmente ele quebraria, porque objetos maiores têm maior probabilidade de apresentar falhas", disse o pesquisador da JHU, Dr. Charles El Mir. “Nossas descobertas, no entanto, mostram que os asteroides são mais fortes do que costumávamos pensar e exigem mais energia para serem completamente destruídos.”

Asteroides são muito mais complicados do que aparentam nos filmes de Hollywood

Os pesquisadores determinaram previamente a força e propriedades físicas de vários tipos de rochas. No entanto, uma vez que uma rocha espacial atingiu o tamanho de um asteroide grande o suficiente para causar um evento de extinção, os cálculos não foram confiáveis.

Para simplificar as coisas, os pesquisadores do JHU mantiveram um único cenário de impacto de asteroides. Eles calcularam uma rocha espacial teórica com um diâmetro de 0,62 milhas (um quilômetro).

Em sua simulação, o impactador atingiu um asteroide mais massivo que mediu 15 milhas (25 km) de diâmetro. A velocidade de impacto do menor asteroide foi de 5 km por segundo.

Outros pesquisadores investigaram esse cenário no passado. Eles relataram que o evento de impacto de asteroides resultante aniquilou completamente a rocha espacial menor.

No entanto, a equipe da JHU percebeu que os estudos anteriores não levaram em conta a taxa lenta em que as rachaduras se formam dentro dos asteroides. Quando El Mir e seus colegas adicionaram esses dados ao cenário, eles aprenderam que a colisão de asteroides simulada levou a um processo de dois estágios.

Durante o primeiro estágio, numerosas rachaduras apareceram e se espalharam pelo asteroide. As fissuras infligiam danos consideráveis ​​ao núcleo da rocha.

No entanto, em vez de se desfazer, o asteroide continuou a se manter unido. O núcleo danificado mas ainda sólido reteve massa suficiente para gerar gravidade.

No segundo estágio, o núcleo de asteroide arrastou os pedaços menores que se quebraram durante a colisão, mas permaneceu dentro de seu campo gravitacional. A gravidade puxou as peças de volta para o núcleo.

NASA Simula as Consequências se um Asteroide Atingir Los Angeles... E não é Nada Bonito





Asteroides mais resistentes são ruins para a Terra, mas potencialmente úteis para os mineradores de asteroides

As operações de mineração de asteroides podem tirar proveito do comportamento previsto durante o segundo estágio após o impacto. Os mineradores espaciais podem atingir uma parte rica em minerais do asteroide com a garantia de que a gravidade da rocha irá arrastar os destroços de volta à sua superfície, minimizando a perda de recursos valiosos.

Quanto aos eventos de impacto de asteroides, os pesquisadores devem ponderar os prós e contras das opções disponíveis. Explodir um asteroide em pedaços pode funcionar nas rochas espaciais menores e mais frágeis, enquanto as maiores são empurradas para longe.

"Somos impactados com frequência por pequenos asteroides, como no evento de Chelyabinsk há alguns anos", acrescentou o pesquisador K. T Ramesh, da JHU. "É apenas uma questão de tempo até que essas questões passem de acadêmicas a definir nossa resposta a uma grande ameaça".

Leia mais:


Astrofísico Adverte sobre Impactos de Asteroides Devastadores Inevitáveis: "1.800 Objetos Potencialmente Perigosos Foram Descobertos até Agora"





Simuladas as Consequências Apocalípticas do Impacto de um Asteroide em Berlim ou Londres





Fontes:
- Natural News: Not as easy as in the movies: Scientists say blowing up asteroids that threaten life on Earth will be extremely difficult
Daily Mail: Destroying life-ending asteroids headed for Earth will be tougher than we thought: Space rocks are stronger and harder to blow apart than previously believed, computer simulations suggest
Futurism: DESTROYING INCOMING ASTEROIDS MIGHT BE HARDER THAN WE THOUGHT

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;