RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

6 Perguntas que os Gigantes da Tecnologia se Recusam a Responder sobre o Banimento do Infowars

terça-feira, 14 de agosto de 2018 |

Mesmo que a internet esteja repleta de controvérsias sobre o expurgo coordenado sobre Alex Jones e o InfoWars pelo Facebook, YouTube, Spotify e Apple, não há uma transparência real sobre sua decisão e sobre o processo pelo qual ela foi feita.

Alex Jones e o InfoWars têm sido as principais tendências do Twitter por horas, e até mesmo alguns jornalistas de esquerda como Michael Tracey estão condenando os Mestres do Universo do Vale do Silício, nomeando-se como os árbitros da liberdade de expressão na web.


Mas a Apple, o Facebook, o Spotify e o YouTube ofereceram, no máximo, apenas explicações do porque baniram o conteúdo do InfoWars de suas plataformas - ou por que, depois de meses de pressão dos democratas e da CNN, todos chegaram à mesma decisão no mesmo dia. Questões sobre transparência têm um escopo muito mais amplo que apenas o caso do InfoWars e Alex Jones. Além da proibição de outros indivíduos, como Tommy Robinson, as mesmas perguntas se aplicam a uma série de ações dos Mestres do Universo, incluindo parcerias com governos estrangeiros para encerrar contas, banir usuários para limitar o escopo de seu envolvimento e banimentos de usuário em massa.

O site Breitbart News enviou as seguintes perguntas para o Facebook, YouTube, Spotify e Apple, e ainda não receberam uma resposta real para a maioria delas. A Apple e o YouTube escolheram fornecer a mesma declaração enlatada que forneceram a todos os outros meios de comunicação que os contataram, enquanto o Facebook e o Spotify ignoraram totalmente a solicitação.

AS QUESTÕES QUE O VALE DO SILÍCIO NÃO RESPONDE

1) Que conteúdo especificamente do InfoWars / Alex Jones demonstrou ter "discurso de ódio" e de outra forma quebrou regras?

Paul Joseph Watson, editor do InfoWars, confirmou ao Breitbart News que nenhum dos gigantes da tecnologia que visou o InfoWars e Alex Jones nas últimas 24 horas apontou para conteúdo específico que violava seus termos de serviço.

2) Quando foi a decisão de bani-los? O que mudou ao longo de alguns dias a partir de quando você defendeu não banir o conteúdo do Infowars?

Algumas semanas atrás, Mark Zuckerberg defendeu o  InfoWars em uma entrevista, dizendo: "A abordagem que adotamos para notícias falsas não é sobre dizer, você não pode dizer algo errado na Internet... Todo mundo faz as coisas erradas, e se estivéssemos derrubando as contas das pessoas quando elas errassem, então seria um mundo difícil dar voz às pessoas e dizer que você se importa com isso.

Então, o que mudou, por que de repente e por que simultaneamente com a maioria das outras plataformas principais?

3) Quem tomou a decisão de banir o Infowars? 

É improvável que a decisão de banir o InfoWars tenha sido tomada por um revisor de conteúdo partidário.

4) Você fornecerá orientações claras sobre "discurso de ódio", incluindo a definição de discurso de ódio de uma maneira que seja clara para todos os usuários?

Quando pressionado por um membro do Congresso no início deste ano, Mark Zuckerberg admitiu que ele não poderia definir "discurso de ódio". No entanto, essa é a razão que o Facebook e outras plataformas deram para banir o InfoWars e Alex Jones. Eles agora têm uma definição? Se assim for, o que é?

5) Como a grande tecnologia planeja gerenciar a nova onda de demandas para censurar e remover conteúdo de outros sites conservadores?

Como esse, por exemplo:



6) O Facebook / YouTube / Apple / Spotify se comunicaram ou coordenaram com o Google / YouTube, Apple, Spotify ou qualquer outra plataforma de tecnologia que recentemente baniu o conteúdo do InfoWars antes da remoção de Alex Jones e do conteúdo do InfoWars? Algum representante ou funcionário dessas empresas entrou em contato com o Facebook / YouTube / Apple / Spotify antes de realizar proibições semelhantes?

Não houve nenhum evento catalisador aparente imediatamente antes da censura.

Aqui estão as respostas que o site Breitbart News recebeu de duas das empresas contatadas na íntegra.

Youtube:

Todos os usuários concordam em cumprir nossos Termos de Serviço e as Diretrizes da comunidade quando se inscreverem para usar o YouTube. Quando os usuários violam essas políticas repetidamente, como nossas políticas contra incitação ao ódio e assédio ou nossos termos que proíbem a violação de nossas medidas de fiscalização, encerramos suas contas.

Apple:

A Apple não tolera discursos de ódio, e temos diretrizes claras que os criadores e desenvolvedores devem seguir para garantir um ambiente seguro para todos os usuários. Podcasts que violam essas diretrizes são removidos do nosso diretório, tornando-os não mais pesquisáveis ​​ou disponíveis para download ou streaming. Acreditamos em representar uma ampla gama de pontos de vista, desde que as pessoas sejam respeitosas com as opiniões divergentes.

As outras empresas contatadas pelo Breitbart News não responderam.

Em um dia que deixou a ala esquerda como o HuffPost perguntando “Por que Agora?”, a única coisa que fica clara é que os mestres de tecnologia do Universo têm alguma explicação a fazer.

Leia mais:


Ataque ao Infowars é uma Guerra Cibernética do Estado Profundo






[CENSURA] Facebook, Google, Spotify, Twitter - Todos Conspiram para "Proibir" o Discurso Conservador


















Fontes:
Natural News: Zero transparency: 6 questions that tech giants refuse to answer about the Infowars ban
- Breitbart: Zero Transparency: 6 Questions that Tech Giants Refuse to Answer About the InfoWars Ban
Breitbart: VICE Admits: Twitter Is Shadowbanning Conservatives, Mainstream Republicans
Breitbart: Report: Facebook’s Guidelines for Removing Pages Revealed
Breitbart: Mark Zuckerberg Declines to Share Facebook’s Definition of ‘Hate Speech’ with Senate
Huffpost: After Years Of Alex Jones' Right-Wing Conspiracy Theories, Why Now?

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;