RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

MH17: Da Síria à Ucrânia, Quando a Mentira é Apanhada

quarta-feira, 14 de outubro de 2015 |

Na melhor das hipóteses, os Estados Unidos, seus aliados da OTAN e o regime que criaram coletivamente em Kiev, Ucrânia, vão poder afirmar que a Rússia, ou militantes que defendem o leste da Ucrânia das incursões armadas de Kiev, derrubaram acidentalmente o voo 17 da Malaysia Airlines (MH17) após controladores aéreos em Kiev colocarem-no de forma imprudente em um curso sobre um campo de batalha que outros aviões fizeram questão de contornar.

Na pior das hipóteses, os EUA e seus parceiros juniores em toda a Europa e os remanescentes da comunidade britânica serão implicados, seja por abatê-lo acidentalmente ou, pior ainda, derrubando-o de propósito, a fim de enquadrar a Rússia e os militantes anti-regime na Ucrânia oriental.

A Rússia certamente não tinha nada a ganhar derrubando um avião civil sobre um campo de batalha de militantes anti-regime que seriam apropriadamente capazes de conter e se defender. Mas o que dizer da OTAN e os seus aliados da Ucrânia? Em uma guerra que eles estão perdendo, eles poderiam ter se beneficiado com a criação de um pretexto para a OTAN intervir mais diretamente?

O ganho que tiveram em termos de propaganda contra a Rússia tem sido impressionante. A partir do momento em que o avião foi abatido, os EUA, a OTAN e a Ucrânia usaram o incidente para acusar a Rússia e, mais especificamente, o presidente russo, Vladimir Putin, no tribunal da opinião pública. Ele tem usado manobras legais e sua bem oleada imprensa para transformar a investigação do desastre em uma caça às bruxas com um resultado inevitável já ansiosamente determinado para envolver a Rússia.

Os meios de comunicação ocidentais tem intencionalmente distorcido as palavras de investigadores para deturpar as provas e preliminares e declarações muito cautelosas para retratá-las como conclusões definitivas para estabelecer a culpa da Rússia.

O Dutch Safety Board  (DSB) e o Joint Investigation Team (JIT) investigam o desastre desde a seguinte declaração cautelosa em agosto 2015 em relação às peças dos mísseis anti-aéreos Buk encontrados perto dos destroços do MH17:

As peças são de particular interesse para a investigação criminal uma vez que elas podem eventualmente fornecer mais informações sobre quem estava envolvido no acidente do MH17. Por essa razão, o JIT também investiga a origem dessas peças. O JIT irá recorrer internacionalmente a ajuda de especialistas, entre outros especialistas forenses e especialistas em armas.

Atualmente, a conclusão não pode ser estabelecida já que existe uma conexão casual entre as peças descobertas e a queda do voo MH17.

O JIT conduz a investigação criminal e o DSB a investigação sobre a causa do acidente. Ambas as investigações são conduzidas separadamente, mas o JIT e o DSB, ocasionalmente, partilham material. Em seu relatório final o DSB apresentará um relatório sobre as peças descobertas.

No entanto, a partir dessa declaração cautelosa, redes de mídia ocidentais correram com manchetes como a BBC "MH17: 'Peças de mísseis de fabricação russa no local do acidente na Ucrânia", e o The Guardian "Acidente do MH17: Fragmentos do lançador de mísseis BUK russo encontrados no local do acidente," ambos os quais tentam envolver a Rússia, até mesmo no título. Só depois de ler cuidadosamente ambos os relatórios na sua totalidade um leitor descobrirá o quão tênue a evidência é realmente.

O artigo do The Guardian foi mais longe ao afirmar:

Uma versão preliminar do relatório vazou no início deste ano. Um oficial dos EUA, que não estava autorizado a falar publicamente e falou sob condição de anonimato, disse à Associated Press em julho que este vazamento mostrou que o avião foi derrubado por um míssil Buk terra-ar lançado de uma aldeia sob o controle do rebeldes.

Esta é uma afirmação ousada a fazer, com o DSB e JIT já afirmando claramente em seu mais recente comunicado de agosto que nenhuma ligação foi feita ainda entre as partes dos mísseis Buk e o avião abatido, muito menos quem lançou os mísseis. Se uma versão preliminar fez estas afirmações antes desta declaração mais recente, então, séria dúvida é lançada sobre como esta investigação está sendo conduzida e em relação a veracidade de qualquer conclusão de tal investigação igualmente duvidosa.

Considerando os esforços que os EUA e seus aliados tiveram para enganar o mundo em relação aos seus crimes contra o Estado da Síria, e considerando o ganho que eles já forjaram a partir da exploração do desastre do MH17, deve-se questionar a sabedoria e o raciocínio do Ocidente para ir através de tais extremos para melhor retratar a Rússia e os lutadores ucranianos orientais como culpados de acidentalmente derrubarem um voo comercial sobre um campo de batalha ativo, que nunca deveria ter sido direcionado sobre em primeiro lugar.

O que é mais provável de se repetir no final deste mês, é que a credibilidade exaurida dos EUA e seus parceiros, tanto politicamente como em toda a mídia, deixará de influenciar a opinião pública ou os fatos no terreno na Ucrânia de qualquer forma, jeito ou sentido independentemente das conclusões das investigações do MH17 pelo DSB e JIT. A Rússia conta com mais monopólio equilibrado adequado de longa data do que o Ocidente tem realizado sobre o espaço da mídia global, e será mais do que capaz de se defender naquele espaço, independentemente do resultado da investigação.

E uma vez que a própria investigação tem sido tão transparentemente manipulada pelos meios de comunicação ocidentais e políticos ocidentais, é provável que a grande maioria que segue essa investigação vai deixar de ser influenciado por qualquer alienação colocada sobre as conclusões publicadas.

Devemos lembrar o ataque com armas químicas na Síria, onde conclusões ambíguas de um relatório da ONU foram transformadas em uma acusação de culpa pela mídia ocidental. Mesmo assim, essa acusação foi posta de lado pela grande maioria no público que há muito tempo perdeu sua fé na palavra do Ocidente. Desde então, as mentiras sobre a Síria atingiram um crescendo sem precedentes em relação à credibilidade ocidental a um nível mais baixo registrado. Esta ausência de credibilidade na Síria provavelmente vai manchar o que quer que os esforços do Ocidente façam para alienar o relatório do MH17, e tentar alienar o relatório MH17 só irá expandir esse vazio de credibilidade que se abriu no coração do mundo ocidental.

Leia também: [BOMBA!] Estados Unidos Apoiou Plano Para Lançar Ataque de Armas Químicas Sobre a Síria e Culpar o Regime de Assad

Um círculo mais sábio de interesses especiais pode reavaliar o mérito de apostar sobre uma estratégia perdedora de mentir e manipular a percepção de um público cada vez mais consciente. Mas um círculo mais sábio de interesses especiais provavelmente não teria se encontrado nestas circunstâncias, em primeiro lugar.

Leia mais:


Imprensa Russa Revela que a Queda do MH17 na Ucrânia foi um Complô para Assassinar Putin




Fontes:
- Activist Post: MH17: From Syria To Ukraine, When Lying Catches Up
Openbaar Ministerie: Investigation into possible Buk-missile-parts
The Guardian: MH17: Dutch Safety Board report to be published in October
Land Destroyer Report: The BBC's Credibility Crisis is Terminal

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;