RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

O Exército Americano Está Enviando Antraz Vivo para Outras Partes do Mundo

terça-feira, 2 de junho de 2015 |

Não olhe agora, mas há um novo surto de antraz programado para acontecer. Talvez o mais surpreendente é que o exército norte-americano seja o culpado.

De acordo com relatórios da CNN e outros, quatro técnicos de laboratório nos EUA e cerca de 22 fora do país estão confinados em tratamento de pós-exposição depois de militares inadvertidamente enviaram amostras de antraz vivo utilizando a empresa de transporte FedEx, disseram autoridades de defesa.

A CNN informou que a rede soube no dia 27 de maio que um laboratório com sede em Maryland havia enviado amostras vivas, o que provocou uma revisão urgente em todos os setores para ver se outras amostras de antraz vivo também foram enviadas.

Exército no controle de danos

As amostras, as quais pensavam estar mortas e, portanto, foram enviadas em condições menos restritivas do que elas normalmente teriam sido sujeitas a ter os remetentes conhecidos, as amostras estavam, na realidade, vivas.

No meio da manhã no dia seguinte, 28 de maio, as informações conflitantes começaram a surgir sobre quando as amostras foram realmente enviadas e para onde elas foram.

"Os funcionários estão preocupados porque as amostras remanescentes do laboratório em Dugway, Utah, de onde as amostras são originárias, foram testadas e determinadas por conter agente vivo", informou a CNN.

Os funcionários da FedEx não confirmaram o fato inicialmente.

"A FedEx está comprometida com a segurança do transporte de todas as remessas dos clientes, e nossa prioridade é a segurança de nossos funcionários", disse o porta-voz Jim McCluskey. "Nós trabalharemos em estreita colaboração com o Departamento de Defesa e os Centros de Controle de Doenças (CDC) para reunir informações sobre essas remessas."

Enquanto isso, os funcionários do Departamento de Defesa foram informados de que não havia nenhum risco para o público em geral a partir das caixas. No entanto, quatro trabalhadores através de nove estados que receberam as entregas estão sendo tratados como se tivessem sido expostos à amostras vivas porque eles manusearam as caixas.

O Col. Steve Warren, porta-voz do Departamento de Defesa, disse que uma amostra também tinha sido enviada para o Joint United States Forces Korea Portal e para o Integrated Threat Recognition Program na Base Aérea de Osan na Coreia do Sul.

"A amostra foi destruída em conformidade com os protocolos apropriados", disse Warren, segundo a CNN.

Além disso, cerca de 22 pessoas de um laboratório de treinamento também foram expostas, de acordo com um comunicado da base aérea. Eles incluíram cinco membros da ativa da Força Aérea, dez membros da ativa do Exército, três civis e quatro contratantes. Eles estão sendo tratados na Coréia do Sul.

Cresce o número de incidentes onde o antraz tem sido (mal) manipulado

Por que o exército - do governo dos EUA - mantém amostras de antraz vivo ou morto em primeiro lugar? O antraz é uma doença infecciosa grave que pode ser utilizada como uma arma de destruição em massa, como no caso da intoxicação em massa por antraz que ocorreu logo após os ataques terroristas de 11 de setembro.

De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde, o governo e os exército, rotineiramente, conduzem investigação relacionada com o antraz como uma forma de combater a doença, bem como um elemento de guerra.

Por que as amostras que estão sendo enviadas para uma base aérea na Coreia do Sul? Ninguém no Pentágono diz, mas de acordo com um relatório de 2000 do House Government Reform and Oversight Committee, a Coreia do Sul, juntamente com a Coreia do Norte e um punhado de outras nações, tinham um programa de armas biológicas ativo que, presumivelmente, incluiu o desenvolvimento do antraz como uma arma.

De qualquer forma, o exército estava em total controle de danos após relatos sobre o vazamento do envio. A agência Reuters relatou:

O chefe do exército do Estado-maior Raymond Odierno disse que os investigadores estavam agora revendo os próprios procedimentos para determinar por que as bactérias não foi tornada inativa. 

"O melhor que posso dizer é que não foi erro humano", disse Odierno aos jornalistas, avisando que sua informação foi baseada unicamente em relatórios preliminares. 

O acidente militar em relação ao antraz vem apenas 11 meses depois que os pesquisadores dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças semelhantemente não trataram devidamente o antraz. Os pesquisadores do laboratório que estão estabelecidos para manusear patógenos extremamente perigosos, enviaram o que eles pensavam que eram amostras mortas de antraz para outro laboratório do CDC que teve menos medidas de proteção em vigor.

Parece que o governo está terrivelmente interessado em antraz nos dias de hoje, por algum motivo. Nós podemos apenas refletir.

Leia mais:

Fontes:
- Natural News: The military is sending live anthrax around the country
CNN: Live anthrax U.S. military sent inadvertently
FBI: Amerithrax or Anthrax Investigation
NIH: Anthrax
House Government Reform and Oversight Committee: Department of Defense Anthrax Vaccine Immunization Program Avip
Reuters: U.S. Army chief says no human error seen in anthrax mishap

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;