RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Ignore o Teste de QI: O seu Nível de Inteligência não é Fixo para Toda a Vida

quarta-feira, 3 de setembro de 2014 |

Estamos ficando mais estúpidos. Essa é uma afirmação feita em um artigo recente na New Scientist, informando sobre um declínio gradual no QI em países desenvolvidos como o Reino Unido, Austrália e Holanda. Tal pesquisa alimenta um fascínio de longa data com testes de inteligência humana. No entanto, tais debates são muito focados sobre o QI como um traço ao longo da vida que não pode ser mudado. Outra pesquisa está começando a mostrar o contrário. 

Nota Blog Anti-NOM: outra possibilidade fora do escopo deste artigo é o impacto que elementos tóxicos como o flúor tem sobre o nosso QI. Veja o artigo "Estudo: Exposição ao Flúor pode Reduzir a Inteligência das Crianças" para mais detalhes.

O conceito do teste de inteligência foi realizado pela primeira vez com sucesso por psicólogos franceses no início de 1900 para ajudar a descrever as diferenças em quão bem e rapidamente as crianças aprendem na escola. Mas agora é freqüentemente usado para explicar essa diferença - que todos nós temos um nível fixo e inerente de inteligência que limita o quão rápido podemos aprender.

Definido vagamente, a inteligência se refere à nossa capacidade de aprender rapidamente e se adaptar a novas situações. Os testes de QI medem nosso vocabulário, a nossa capacidade de resolver problemas, raciocinar logicamente e assim por diante.

Mas o que muitas pessoas não conseguem entender é que, se os testes de QI medem apenas nossas habilidades nessas tarefas específicas, ninguém estaria interessado em nossa pontuação. A pontuação só é interessante porque se pensa que ela é permanente para a vida.

Quem está ficando mais inteligente?

Os testes de QI padronizados utilizados por psicólogos clínicos para fins de diagnóstico, tais como a escala Weschler, são projetados de tal forma que não é fácil de se preparar para eles. O conteúdo é mantido surpreendentemente secreto e são trocados regularmente. A pontuação dada para um indivíduo é relativa, ajustada com base no desempenho das pessoas da mesma idade.

Mas, mesmo quando nos tornamos mais instruídos e mais hábeis para os tipos de tarefas medidos em testes de QI (um fenômeno conhecido como "efeito Flynn" , por causa de James Fylnn, que foi quem primeiro notou isso) nosso QI permanece praticamente o mesmo. Isso ocorre porque o sistema de pontuação de QI leva em conta a quantidade de melhorias esperadas ao longo do tempo, e depois o desconta. Este tipo de índice é chamado de "escore padronizado" - ele esconde sua pontuação verdadeira e simplesmente representa a sua posição em relação a seus pares que também foram ficando mais inteligentes ou menos na mesma avaliação.

Esta aparente estabilidade nos escores de QI faz a inteligência parecer relativamente constante, enquanto que na verdade todos nós estamos ficando mais inteligente ao longo de nossas vidas. O teste de QI e o sistema de pontuação de QI  são constantemente ajustados para garantir que a média de QI permaneça em 100, apesar de um bem observado aumento na capacidade intelectual em todo o mundo.

Política de testes de QI

Os psicólogos estão conscientes de que os escores de inteligência estão um pouco sujeitos à influência cultural e oportunidades sociais, mas alguns ainda têm insistido que não podemos elevar muito o nosso QI. Isso acontece porque nossa inteligência geral (ou "g") é um traço fixo que é insensível à educação, "treinamento cerebral", dieta ou outras intervenções. Em outras palavras, eles dizem, que todos nós somos biologicamente limitados em nossos níveis de inteligência.

A ideia de que o QI é fixo para a vida é construída na política questionável ​​dos testes de QI. A conseqüência mais grave desta situação é o uso de testes de QI para culpar dificuldades educativas dos alunos, em vez de sistemas de ensino.

Mas é trabalho dos psicólogos encontrar melhores maneiras de ensinar, não encontrar melhores maneiras de justificar o mau desempenho dos alunos. Este uso particular de testes de QI fez com que um líder no campo de pesquisa da inteligência, Robert Sternberg, se refira a testes de QI como "psicologia negativa" em um artigo de 2008.

Nem tudo está perdido

Aqueles que inclinam em direção à noção de que o QI é fixo para a vida conseguiram ignorar décadas de pesquisas publicadas na área da análise comportamental aplicada. Isto relatou muito grandes ganhos de QI em crianças com autismo que tenham sido expostas a intervenções comportamentais intensivas uma vez que tenham sido diagnosticados com dificuldades de aprendizagem.

Um outro estudo norueguês de 2009 examinou os efeitos de um aumento da duração da escolaridade obrigatória na Noruega na década de 1960 a qual alongou o tempo na educação para os noruegueses em dois anos. Os pesquisadores usaram os registros de capacidade cognitiva feito pelos militares para calcular o QI de cada indivíduo no estudo. Eles descobriram que o QI tinha aumentado 3,7 pontos para cada ano adicional de educação recebida.

Os estudos mais recentes de John Jonides e seus colegas da Universidade de Michigan relataram melhorias em medidas objetivas de inteligência para aqueles que praticavam a tarefa de formação do cérebro chamado de "tarefa n-back" - uma espécie de teste de memória informatizada.

Minha própria pesquisa, no campo da teoria do quadro relacional, tem demonstrado que a compreensão das relações entre as palavras, como "mais do que", "menos do que" ou "oposto a" é fundamental para o nosso desenvolvimento intelectual. Um recente estudo piloto mostrou que nós podemos aumentar consideravelmente as pontuações padrão de QI  treinando crianças em tarefas relacionais de competências linguísticas ao longo de um período de meses. Mais uma vez, esta descoberta desafia a ideia de que a inteligência é fixa para a vida.

Então, está em tempo que reconsideramos as nossas ideias sobre a natureza da inteligência como uma característica que não pode ser alterada. Sem dúvida, pode haver alguns limites para o desenvolvimento de nossas habilidades intelectuais. Mas a curto prazo, a coisa socialmente responsável a fazer é não se sentir restringido por esses limites, mas ajudar cada criança a prosseguir e até mesmo superá-los.

Leia mais:



Estudo da Universidade Harvard Relaciona o Flúor na Água com o Autismo, Desordens Mentais e TDAH







Estudo: Alimentação Saudável Resulta em Crianças Mais Inteligentes





Fontes:
Disinformation: Ignore the IQ test: your level of intelligence is not fixed for life 
The Conversation: Ignore the IQ test: your level of intelligence is not fixed for life
New Scientist: Brain drain: Are we evolving stupidity?
About Education: History of Intelligence Testing
About Education: The Wechsler Adult Intelligence Scale
Princeton: Flynn effect
Books Google: Are We Getting Smarter?
PNAS: Increasing fluid intelligence is possible after all
Springer Link: Comprehensive Synthesis of Early Intensive Behavioral Interventions for Young Children with Autism Based on the UCLA Young Autism Project Model
PNAS: Schooling in adolescence raises IQ scores
PNAS: Improving fluid intelligence with training on working memory
Soak Your head: DUAL N-BACK
Google Books: Relational Frame Theory
Nui Maynooth: A Relational Frame Training Intervention to Raise Intelligence Quotients: A Pilot Study

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;