RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Plano Bilderberg para a Síria: Ordem Através do Caos

sábado, 31 de maio de 2014 |

Derrubar o governo na Síria até agora se provou problemático. O Grupo Bilderberg, está reunido semana em Copenhague, na Dinamarca, e um dos focos das reuniões será "A nova arquitetura do Oriente Médio". Este artigo analisa as reuniões anteriores do grupo no que se refere a Síria, e mostra os possíveis planos para este país diante do contexto atual.

O site Bilderberg Meetings, criado após os meios de comunicação alternativos começarem a expor a confabulação globalista secreta, lista o Oriente Médio como um dos temas principais a serem discutidos este ano em Copenhague, na Dinamarca.

Um item no site simplesmente marcado como "A nova arquitetura do Oriente Médio" oferece muita ambiguidade e zero detalhes sobre o que em particular as elites mundiais tem em mente. A discussão durante as reuniões anteriores, no entanto, oferece um provável curso da ação.

Durante a conferência Bilderberg de 2012, realizada em Chantilly, na Virginia, a chefe do Conselho de Transição Nacional Sírio, Bassma Kodmani, discutiu a derrubada violenta do regime de Bashar al-Assad e a instalação de um governo que recebe ordens do Departamento de Estado, da União Europeia e da OTAN.

"Kodmani é a Chefe das Relações Exteriores com o SNC (Conselho Nacional Sírio), uma coalizão de grupos de oposição sírios com sede em Istambul, na Turquia," Paul Joseph Watson escreveu em 2 de junho de 2012. "Enquanto na reunião Bilderberg ela vai estar na companhia de pessoas como do ex-secretário de Estado e do acusado de crimes de guerra Henry Kissinger, do falcão de guerra Richard Perle, e Thomas E. Donilon, Conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca de Obama."

"Kodmani é a queridinha do establishment, tendo escrito artigos de opinião própria para o New York Times  pedindo a derrubada de Assad. Nos últimos meses, sua posição tornou-se cada vez mais linha-dura e de intervenção pró-OTAN.  Em janeiro, ela pediu  por uma 'maior militarização da resistência local ou intervenção estrangeira'. Kodmani foi  também chamada para a Síria para formar uma aliança com Israel."

Derrubar o governo na Síria, até agora provou-se problemático. Além dos significativos contratempos militares, os chamados rebeldes - na verdade mercenários financiados e apoiados pela CIA, Arábia Saudita, Qatar e Turquia - perderam o seu rótulo anterior de "moderado" e agora estão congelados em uma frente mais ou menos unida de jihadistas sunitas radicais, grupo contra não apenas a al-Assad em Damasco, mas aos EUA e ao Ocidente também.

Pode-se argumentar que essa virada na guerra proxycontra al-Assad é um desenvolvimento natural ou artificial. Independentemente disso, o intenso personagem salafista da chamada resistência na Síria, trabalha em favor da agenda da ordem pelo caos, frequentemente utilizado pela elite financeira para minar a coesão social, de balcanizar vassalos, assim como o globalista Rockefeller Zbigniew Brzezinksi designou pessoas na Eurásia e no Oriente Médio. Brzezinski e a elite global empregaram uma estratégia semelhante durante a guerra proxy da CIA no Afeganistão. O apoio ao Mujahideen resultou na formação do Talibã e da Al-Qaeda, agora considerados como inimigos-chave na guerra contra o terror.

Durante a reunião Bilderberg realizada em Watford, no Reino Unido em 2013, os participantes discutiram sobre a Síria e o curso de ação necessário para remodelar a "arquitetura" do Oriente Médio. Foi decidido que um esforço seria feito para prolongar "a guerra na Síria, armando os rebeldes e derrubando recentes vitórias militares pelas forças de Assad", informou o Infowars.com.

Este esforço não foi realizado. Além de brigas internas entre o ISIS, a al-Qaeda prometeu um Estado Islâmico ao Iraque e Levante (grande área geográfica do Oriente Médio ao sul dos Montes Tauro), e outros grupos islâmicos, uma vigorosa ofensiva do Exército sírio e o Hezbollah no começo de março deste ano, voltou atrás com o avanço de rebeldes. Esforços militares subsequentes pelos mercenários da CIA, seriamente enfraquecidos e distraídos por brigas internas entre facções, eram ineficazes e permitiram ao governo sírio retomar al Buraq perto da cidade de Mashara em Quneitra sem confrontos armados. Outras áreas estratégicas também foram retomadas pelo Exército sírio.

No início desta semana, o Infowars.com relatou um esforço renovado pela administração Obama de aumentar a tensão na Síria.

Na quarta-feira, a Al Jazeera reportou "Barack Obama vai autorizar tropas americanas a treinar rebeldes sírios selecionados, a fim de combater o crescente poder dos extremistas ligados à Al-Qaeda."

"A abordagem política atual continua a ser o fortalecimento da oposição moderada, que oferece uma alternativa para o regime brutal de Assad e aos elementos extremistas dentro da oposição", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki.

Este movimento pode representar um esforço para conter as perdas de mercenários na Síria. Além disso, como o observador causal da guerra proxy na Síria sabe, os grupos rebeldes "moderados" na Síria estão agora praticamente irreverentes e Frente al-Nusra e outros jihadistas radicais dominam a luta, apesar do retrocesso em campo de batalha.

Na falta de envolvimento militar direto pela OTAN e de seu procurador da al-Qaeda a par com o esforço na Líbia, os mercenários turcos coordenados em parte pelo exército dos EUA na Jordânia estão susceptíveis de continuar um esforço falho para derrubar al-Assad e instalar um brutal regime salafista em Damasco.

Com a improvável vitória militar, o plano provavelmente sob discussão agora em Copenhague é inserir mais mercenários jihadistas através da Turquia para desestabilizar o país, iniciar um fratricídio violento e aterrorizar o povo sírio.

O esforço para destruir a Síria e ejetar a família al-Assad e o regime Ba'ath, que tem governado o país desde 1971, pode demorar mais tempo e será no fim mais custoso e sangrento do que a relativamente curta operação na Líbia, afastando assim qualquer cronograma planejado na conferência de Bilderberg esta semana em Copenhague.

Leia mais:



[Bilderberg 2014] Lista Oficial de Participantes e os Temas a Serem Discutidos









Membro Bilderberg Admite que Reunião Secreta é Mais Poderosa que Fórum Econômico Mundial de Davos









Fontes:
- Infowars: Bilderberg plan for Syria: Order out of chaos
Bilderberg Meetings: Press release
Infowars: Syria regime change on Bilderberg agenda
The New York Times: To Topple Assad, It Takes a Minority
- The Christian Science Monitor: Syria's opposition concerned about independent armed rebel groups
Take Over World: The Grand Chessboard
Infowars: Google-Berg: Global elite transforms itself for technocratic revolution
Infowars: Al-Qaedda disavows any ties with radical islamist Isis group in Syria, Iraq
Infowars: U.S. will train rebels to counter CIA´s Al-Qaeda terrorists in Syria

Um comentário:

Anônimo disse...

Lembrando a entrevista com o general da OTAN, Wesley Clark, onde a Síria e o Irã estavam na lista para serem desestabilizados. A intenção era pra terminar em 2012, ou seja, está atrasado.

Posts Relacionados
 
;