RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

É Tudo uma Conspiração

segunda-feira, 26 de maio de 2014 |

Jesse Walker discute as limitações da pesquisa sobre paranoia e teorias da conspiração no Slate:

Na corrida para as eleições italianas do ano passado, o senado do país NÃO aprovou uma lei dando aos legisladores 134 bilhões de euros  "para encontrar um emprego em caso de derrota." Mas uma história satírica ao longo destas linhas se espalhou na mídia social,  e nem todo mundo que passou a diante entenderam que era uma fraude. Em apenas um dia, 36 mil pessoas assinaram uma petição contra a suposta lei. Logo ela estava sendo invocado em protestos contra o governo. Vimos aqui no Brasil de forma semelhante quando um Hoax/fraude da reportagem da Revista France Football sobre mundial no Brasil, que apresentava algumas críticas ao mundial, especialmente sobre a segurança e as manifestações, acabou tendo uma versão em português bem diferente (e com algumas inverdades) da original sendo divulgada por inúmeros blogs e fóruns de discussão na internet, e acabou virando hit na internet, com a maioria das pessoas também pensando ser realmente a matéria da revista.

No caso da lei italiana, a confusão chamou a atenção de um quinteto de estudiosos, que estavam observando como uma grande amostra de usuários italianos do Facebook envolvidos com diferentes tipos de histórias: artigos da mídia corporativa, artigos da mídia alternativa, artigos de ativistas políticos e notícias falsas trabalhada por satíricos e trolls. Em março, a Technology Review do MIT, cobriu o trabalho dos pesquisadores em um artigo intitulado " Mineração de dados revela como teorias da conspiração surgem no Facebook ". O artigo começou com o conto de que projeto de lei italiano imaginário e as pessoas que acreditaram que era real, envolvendo o exemplo com a linha, "Bem-vindo ao mundo obscuro das teorias da conspiração."

Esta foi uma maneira estranha de enquadrar o problema. O boato envolveu um projeto de lei que supostamente havia sido aprovado pelo Legislativo, e não um plano secreto que está sendo armado por alguns conspiradores invisíveis; não era em qualquer sentido uma história sobre uma conspiração. O amplo estudo preocupou-se com a transmissão de  falsas  histórias, quer envolvam ou não conspirações; a palavra conspiração e suas variantes aparecem apenas quatro vezes no papel. No entanto, a Technology Review passa por cima dessa distinção, então agrava o problema através da generalização bastante expansiva da pesquisa. "As teorias da conspiração", especula o escritor, "parecem acontecer por um processo no qual um comentário comum satírico ou um conteúdo obviamente falso, de alguma forma, salta a barreira da credulidade. E isso parece acontecer por meio de grupos de pessoas que, deliberadamente, expõem entre eles a fontes alternativas de notícias." Evidentemente mais de uma barreira da credulidade foi violada.

Embora o Technology Review tenha definido a expressão "teoria da conspiração" muito amplamente, outros meios adotam definições que são muito estreitas. Em 2013, a PublicMind Poll da Universidade Fairleigh Dickinson concluiu  que 63 por cento dos eleitores registrados da América "compram pelo menos uma teoria da conspiração política." A imprensa devidamente relatou o número exato, embora não fosse realmente preciso: O que a pesquisa realmente encontrou foi que 63 por cento dos eleitores acreditam em pelo menos uma das quatro teorias apresentadas na pesquisa. O número dos que acreditam em "pelo menos uma" conspiração é certamente muito maior ...

Leia mais:



Estudo Afirma que 50% das Pessoas são Teóricos da Conspiração: Você Provavelmente é um Deles







"Há uma Enorme Conspiração Global" Diz Ex-Conselheira Sênior do Banco Mundial






[LIVRO] A Política Global de Eugenia não é mais uma Teoria da Conspiração








A Psicologia do "Teórico da Não-Conspiração"





Fontes:
- Disinformation: It’s All a Conspiracy
- Slate: It’s All a Conspiracy

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;