RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Cinquenta Tons de Cinza - Pedofilia Escondida às Claras?

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012 |
Este post que segue foi retirado do site the ulsterman report , contendo uma carta enviada por uma leitora, que traz à luz certos sinais que mostrariam a possibilidade de que o livro (e futuro filme) "Cinquenta Tons de Cinza" seria na verdade uma história de abuso sexual de uma criança, uma apologia a pedofilia. Leiam e tirem suas próprias conclusões.


50 Tons de Cinza - Pedofilia Escondida a Plena Vista

O fenômeno 50 Tons de Cinza, um livro que se tornou tão popular entre as mulheres que alguns estão se referindo a ele como "Pornô para as mamães" para as massas. Essa descrição é realmente muito mais preocupante do que a maioria das pessoas pensa.

Sim, Cinquenta Tons de Cinza é pornografia. Como a maioria da pornografia, o enredo é fraco, os personagens unidimensionais, enquanto que o sexo em si é gráfico, detalhado, mas estereotipado. O tema subjacente a 50 Tons é algo muito mais sinistro e aterrador do que sua mera pornografia ordinária. É pedofilia. É pornografia infantil.

Agora eu sei que depois de dizer isto, muitos fãs do sexo feminino de 50 Tons de Cinza, muitas delas mães, naturalmente, se colocarão em defesa contra esse tipo de descrição. Estas mulheres, sendo mães, são naturalmente protetoras das crianças. Pessoas como Jerry Sandusky (ex-treinador de futebol americano condenado por abusar de quase 50 crianças) são vistos com ódio, repulsa e nojo. Merecidamente. Que mãe iria querer perdoar qualquer coisa que tenha a ver com o abuso sexual de crianças? De inocentes?

Mas isso é exatamente o que é "Cinquenta Tons de Cinza". É a história de uma menina sendo molestada sexualmente, seguidamente, por uma figura masculina autoritária, controladora. É o cenário de abuso clássico. E as mães estão, em alguns casos, entrando na onda, o que leva a repugnância desse fenômeno a um outro nível ainda mais assustador.

Assim, tendo dito isto, e eu espero não ter perdido nenhum(a) de vocês ainda. Devo-lhe uma explicação depois de ter feito esse tipo de acusação sobre um livro que alguns(mas) de vocês podem estar lendo agora. Vou começar com
uma introdução.

Minha experiência profissional é centrada em quase 20 anos com serviços de proteção às crianças. Durante esse tempo, eu já vi situações que me deixam, literalmente, acordada à noite. A quantidade de abuso infantil que está acontecendo em nossa sociedade, a sexualização das nossas crianças...  Basicamente, o que você ouve falar, o que é relatado nas notícias, é apenas uma pequena amostra do enorme problema e dos atos repugnantes que estão acontecendo todos os dias. As crianças estão sendo violadas. As crianças estão sendo abusadas. A cada dia. Repetidamente.

Eu não procurei 50 Tons de Cinza. Foi trazido a minha atenção por uma amiga de longa data que também é psicóloga clínica em uma universidade. Ela é um pouco mais velha do que eu. Ela cresceu na era da contra-cultura e fez o seu quinhão de experimentação de todos os tipos. Então, ela é dificilmente uma puritana. Ela hoje é mãe e avó. E ela é inteligente. Uma das coisas que a fascina é esta época de fenômenos culturais. E de como, devido à tecnologia, as coisas agora se espalham tão rapidamente por toda a sociedade, e tornam-se o assunto do momento, em um ritmo cada vez mais rápido. Ela diz que, por vezes, este fenômeno é bastante inofensivo, e outras vezes pode ser muito prejudicial para as crianças e/ou adultos que começam a imitar algo por uma necessidade de pertencer à "próxima sensação do momento".

A reação dela ao livro "Cinquenta Tons de Cinza" foi muito mais agressiva do que qualquer coisa negativa que eu possa lembrar dela falando antes. Esta reação surgiu porque eu mencionei para ela assim do nada. Eu tinha visto algumas menções do livro nas notícias, e sabendo do seu interesse sobre as tendências culturais, perguntei a ela sobre o assunto. Ela parou de falar, olhou para mim e disse que o livro era sobre pedofilia. E foi ela que, em seguida, conectou à tragédia envolvendo Sandusky onde tantos meninos tinham sido abusados sexualmente. Sandusky cometeu seus atos de criminalidade sob o pretexto de ajudar a juventude. Foi assim que ele ganhou acesso a estas crianças. Minha amiga disse que "Cinquenta Tons de Cinza" era basicamente a mesma coisa. Seu disfarce era uma história de uma jovem mulher envolvida em uma relação sexual com um homem mais velho.

O problema para ela, e isso era um GRANDE PROBLEMA, é que a narradora da história era, na verdade, uma garota menor de idade. Minha amiga indicou, com base no uso da linguagem da narração, que esta menina tinha provavelmente não mais do que 12 ou 13 anos de idade. Fiz menção de que a menina da história estava na verdade se preparando para se formar na faculdade. Minha amiga, uma mulher com anos de experiência como psicóloga clínica, cujos conhecimentos que eu tinha testemunhado pessoalmente várias vezes ao longo dos anos, balançou a cabeça e me disse que ela não seria capaz de me convencer, simplesmente falando sobre isso. Ela disse que eu deveria ler o livro, mas fazê-lo com os olhos de alguém cujo trabalho tivesse sido por muitos anos tentar proteger as crianças. Como alguém que tem visto mais e mais os sinais de abuso, e os danos do abuso. Porque há sempre sinais de advertência. Eu sei disso. Quantas vezes eu ouvi as pessoas horrorizadas dizendo "Eu não posso acreditar que eu não vi isso!", "Como que eu não me liguei nisso?" Ou, pior ainda, "eu sabia que algo não estava certo, mas eu não queria acreditar que eles eram capazes de fazer algo assim."

Vou tentar resumir as palavras de minha amiga neste momento o melhor que posso.

"Predadores sexuais são enganadores. Eles quase sempre têm um disfarce. É este disfarce que lhes dá o acesso às crianças. "Cinquenta Tons de Cinza" é um engodo. Ela agora tem acesso a milhões de leitores. É uma história sobre o abuso do começo ao fim. E não é apenas o abuso de um homem e uma mulher - é o abuso de um homem e uma menina.

Quando você ler, procure pelos sinais. Eles estão todos lá.

A personagem feminina não tem nenhuma experiência sexual. Nenhuma. A ela é dada a idade de 21 anos, mas esta idade é em si mesma um disfarce. Sua verdadeira idade emocional é muito, muito mais jovem. Ela nunca chegou a se masturbar. Ela nunca chegou a um orgasmo. Só isso já é um dos maiores atrativos para o pedófilo. Essa é a psicologia desse tipo de ato. Você tira a pureza.

Mas saindo do fato de que a menina não teve nenhuma experiência sexual. Agora preste atenção a narrativa de seu diálogo. Ouça realmente como ela fala. Mais uma vez, ela não está falando como uma jovem mulher, ela está falando como uma menina. Ela fala sobre dar estrelas (pirueta) e pular corda, repetidamente, esta é a linguagem e as imagens de uma menina.

Depois que essa menina tem sua inocência tirado dela. O agressor, o homem mais velho, faz com que ela pense que esta é a sua própria escolha. Mais uma vez, você e eu sabemos que esta é uma das principais ferramentas do pedófilo. Eles criam um ambiente em que a criança sente que é a sua própria idéia. É o que eles querem. Mas o que acontece depois que a inocência é tirada? Em seguida, o agressor torna-se mais abertamente abusivo. Controlador. Nesta história ele diz a menina como falar. O que vestir. O que comer. Ele é o papai e ela é filha. Quando você ler isso leia como uma mãe que também é uma mulher que tem experiência com a tragédia da vida real de abuso.

E há muitos temas mais sobre esse abuso neste livro. Há palmadas e o uso de óleo de bebé. Por que o óleo de bebê? Pense sobre isso. A menina usa tranças. Ela reclama que ele a trata como uma criança. Ele diz que ela age como uma criança. Há mesmo uma cena em que o agressor cria uma situação para tomar a inocência dela novamente. Ele arranca seu ob e se envolve em sexo forçado mais uma vez. o "Hímen" é rasgado, e os restos de sangue novamente simbolizam um ato de estupro pedófilo."

Ela passou a dizer que agora há mulheres defendendo o livro, e ela entende isso, mas isto a preocupa. E a preocupa muito, porque ela está absolutamente convencida de que o livro está propositadamente defendendo o estupro de uma criança e tenta fazer desta atrocidade algo normal.

Então, deixei aquela conversa pensando que talvez minha amiga estivesse exagerando. Eu tive dificuldade em acreditar que algo tão popular poderia realmente ter um tema tão sinistro e revoltante, e ao mesmo tempo que eu respeitava a sua perícia e experiência, pensei que dessa vez ela tinha de estar vendo algo que simplesmente não estava lá.

Eu peguei o livro, sentei-me, e eu o li.
A primeira coisa que me surpreendeu foi o quão pobremente estava escrito. Não era apenas ruim. Era horrível. Mas escrita ruim não é um crime horrível, e não torna o conteúdo da história perverso. Mas, na minha leitura do mesmo, assim como minha amiga disse, o tema de abuso infantil, de pedofilia, estava ali à vista de todos. Lembro-me de terem me dito há muito tempo que algumas vezes a melhor forma de se esconder alguma coisa é deixar à vista. Isso é o que 50 Tons de Cinz está realmente fazendo.

O personagem principal não tinha nenhuma experiência sexual. Nenhuma. Ela era uma inocente. Ela era uma garota que tinha acabado de tomar sua primeira bebida com álcool. De forma alguma aquilo foi um acidente pelo autor. O autor tinha que ter propositalmente feito ela uma menina, apesar de sua idade dada de 21. Nesse ponto, isto me pareceu estranho. No meu campo (de abuso infantil), nós chamamos isto de um sinal de aviso. Um sinal que pode ser um problema sério.

De lá, assim como o minha amiga havia me avisado, ficou pior. Muito pior. E ela estava certa a respeito que me contando sobre este assunto não teria o impacto do que eu ler com os olhos abertos. Ela tinha me dito os sinais para eu procurar, e enquanto eu virava as páginas, esses sinais confirmavam repetidamente.

A narrativa, que é a voz da menina conversando com o leitor, era a voz de uma menina. É inconfundível. Há muito pouca maturidade emocional e absolutamente nenhuma maturidade sexual. Ela é seduzida por este homem da mesma forma que um pedófilo seduz uma criança. O personagem masculino é como Jerry Sandusky. Ele faz um show de seu dinheiro, seu poder, as coisas que ele pode comprar para ela, mas enquanto isso está acontecendo, estamos lendo os pensamentos de uma criança. Estamos lendo a sedução de uma menina por um pedófilo. Ela é quase completamente impotente. Ela é ingênua até mesmo para uma adolescente, e certamente muito mais ingênua do que um estudante universitária. Ela é incapaz de sequer tomar as mais simples das decisões do dia-a-dia e deve ser dita o que fazer por seu agressor, e este por sua vez gasta muito tempo e esforço convencendo esta criança de que isso é realmente o que ela quer. Eu já vi isso antes. Com muita freqüência. Muitas vezes. E isso sempre me deixa enojada.

Estamos lendo pornografia infantil. Remove a idade falsa da menina, que não tem base na realidade, e o que estamos realmente a ler é o abuso de uma pequena menina.

A personagem principal é descrita com tranças, palavras dadas como "Holy Cow" (santa vaca, expressão de surpresa nos EUA), "lá embaixo" (falando das partes sexuais), "Jesus"\ "porcaria dupla", ela não sabe operar um computador (mas é, supostamente, uma graduanda na faculdade), descreve pula-corda e fazendo piruetas, repetidamente diz que fazem ela se sentir como uma criança, tem o seu amigo imaginário (deusa interior), sente vergonha, é espancada e banhada em óleo de bebê, é dita o que dizer, o que comer, o que fazer, até que finalmente e, infelizmente, tão previsivelmente, é fisicamente agredida. (Mas ela retorna para ele, logo depois, o que é, novamente, um tema muito comum de abuso, incluindo a pedofilia).

E além de todas essas evidências, há o fato de que o personagem masculino é ele próprio um produto do abuso sexual nas mãos de um pedófilo. A menina cujos pensamentos ouvimos a medida em que é abusada, reconhece este aspecto do agressor do sexo masculino, mas aparentemente é muito ingênua ou não quere perceber que ela continua esse ciclo de abuso de si mesma. (Que novamente reforça a idéia de que ela é realmente ela prórpia apenas uma criança). Não há como o autor fazer isto por acidente. Ela coloca o tema da pedofilia abertamente, portanto, escondendo-a às claras.

As pessoas que tiveram de lidar com o mundo real de abuso sexual de crianças irão talvez entender isto mais facilmente do que outras. Como o pedófilo frequentemente foi vítima ele mesmo de abuso. Eles entram na sociedade, tornam-se pais ou mães, mas muitas vezes eles também se tornam abusivos. Eles procuram dominação, controle e tomada da inocência tal qual como lhes foi tomado. Aqueles que já foram abusados, se tornam os abusadores. É o ciclo triste doente e trágico da pedofilia.

Com "50 Tons de Cinza", está tentando-se fazer com que esta condição anormal se torne normal e aceita. Graças à visão do minha amiga, e minha própria experiência, eu sei que o que ele realmente é - uma história de abuso sexual de uma criança, encoberta pelo disfarce clichê de um homem rico misterioso e problemático. Isso é outra coisa minha amiga psicóloga clínica apontou mais tarde. Tire o aspecto do dinheiro e o personagem do abusador torna-se muito menos atraente e portanto, teria sido muito mais difícil convencer o público. As mulheres são, na verdade, tão superficiais? Sim, nós podemos ser.

Mas as mulheres, a grande maioria de nós, não são pessoas que conscientemente toleram o abuso sexual de crianças. Nós não toleramos de forma alguma o horror que é a pedofilia.
Infelizmente, porém, isto é exatamente o que está acontecendo com a popularidade de 50 Tons de Cinza. É uma trapaça pedófila.

É um dos atos mais horríveis e doentios contra os mais fracos da nossa sociedade, escondido à vista de todos.

Talvez a minha amiga tenha colocado melhor quando conversamos sobre o assunto. 50 Tons de Cinza não a excitou. Ela não achou o livro interessante, sexy ou romântico.

50 Tons de Cinza a fez chorar. O livro a deixou doente. Isso a fez pensar nos nos abusos de todas essas crianças por um monstro demente e deformado como Jerry Sandusky, que assim como a pedofilia de 50 Tons de Cinza, estava escondido às claras.

---------------------------------------------------

Participe também da discussão no Fórum Anti-NOM

Fonte:

32 comentários:

Flavia Tavares disse...

Realmente achei estranho o "sangue" e até comentei com minha irmã que este sangue aparece em meninas e não em mulheres, enfim, pode bem ser verdade já que a autora do livro é semi analfabeta e ridícula.

Camila Monteiro disse...

Hum, sabe que não havia visto por esse lado! Bem, me liguei mais no romance e na descoberta do passado conturbado e traumático do Christian!
Claro que a pedofilia está evidente e isso não passa despercebido, mas me liguei mesmo no romance.

Não sei bem se foi a intenção da escritora essa visão que foi dada aqui no texto, mas que é interessante e intrigante é mesmo!

Sônia disse...

Hum, 12 ou 13 anos não é pré-púbere, não é pedofilia.

Anônimo disse...

Não discordo completamente do artigo, nem sou favorável ao livro (fiquei tão irritada com a péssima escrita que parei na decima página, e comecei a ler porque todas as minhas amigas de 20 e poucos anos estava lendo e disseram que eu TINHA que ler, porque era muito bom), mas...
Alguém considerou que esse livro era originalmente uma fanfic, escrita por uma pessoa qualquer com base em um outro livro besta, que só foi adaptada (os nomes dos personagens) para vender e dar dinheiro? Por que é isso que ele é!
Fanfic (segundo a wikipédia) é a abreviação do termo em inglês fan fiction, ou seja, "ficção criada por fãs". Trata-se de contos ou romances escritos por terceiros, não fazendo parte do enredo oficial dos animes, séries, mangás,livros, filmes ou história em quadrinhos a que faz referência,ou uma história inventada por eles.
Se o livro tem esse aspecto de pedofilia, então a famosa saga que quase todas as adolescentes leem e se maravilham, tem tanta pedofilia quanto. E não são só esses, há tantos romances que fizeram sucesso, disfarçados de livros para jovens e adolescentes, que no fundo escondem histórias de abuso e repressão que fica difícil listar... Os próprios contos de fadas são assim. Tome como exemplo a bela adormecida, que (na versão original, não melhorada pela disney) adormece apos picar o dedo no fuso de uma roca, então o príncipe a encontra, estupra, e ela acorda nove meses depois, dando a luz ao seu filho...
Não que não haja essa pedofilia escondida no livro, ou abusos de poder escondidos em outros, mas o que difere uma leitura de outra é, sempre, o olhar que você dá à história - tanto que você nunca lerá o mesmo livro duas vezes, com os mesmos olhos, sempre verá algo diferente.
O que realmente me perguntei quando terminei de ler esse post foi: Será que nós não vemos o que queremos ver? Será que nós não vemos nos livros, e filmes, o que estamos procurando ver?...

Tay disse...

Eu discordo. O que sua amiga teve foi uma interpretação, e fugindo bastante da realidade, diga-se de passagem. Pelo que você viu na resenha do meu livro, eu não vim aqui pra defendê-lo. Concordo que a história tem pontos fraquíssimos, é mal escrita mesmo, quase nenhum trabalho na linguagem.
Mas a partir do momento de dizer que ela não tem 21 anos, mesmo a autora dizendo ter, já foge de tudo. Quem manda no texto é quem o escreve, bem ou mal. Aí passa da interpretação para a extrapolação. Tá, ela era virgem. E daí, tenho amigas com mais de 21 que são virgens. Ela tem a mentalidade infantil. Isso não quer dizer que ela é criança, ela é sonhadora sim, sem experiência e isso que a faz colocar caraminholas na cabeça.
E outra, não acha que a literatura seria muito simplista se as pessoas simplesmente achassem que escrever sobre algo é fazer apologia disso? Nada a ver. E também não existiriam histórias de ficção interessantes, se fossem assim. Ou seja: mesmo que se tratasse de pedofilia, era uma história. As pessoas tem que ter maturidade suficiente para lê-las sabendo que aquilo é ficção, e quando se lê ficção é como um "tratado" que a gente faz com aquilo que pode ser real (e é, por vezes). Mas não é apologia a nada, não é um tutorial ou "modo de fazer". Essa é minha opinião.

Dastan disse...

50 Tons de Cinza não é sobre pedofilia ou tortura, como afirmam certas pessoas.

A personagem principal já é uma mulher, maior de idade e prestes a terminar sua faculdade (o fato de ser desajeitada e inexperiente não muda o fato de ser adulta). Grey é um jovem e dominador empresário de sucesso.


Em minha opinião seria uma falácia tal acusação em relação ao livro, pois, o argumento é meramente subjetivo e diverge dos fatos (os personagens são adultos).


O que realmente ocorre então?

É simples, na minha modesta opinião, a autora foi inteligente ao focar em 3 aspectos principais, ou seja, instintos, desejo e fantasias sexuais. Explico:

Instintos: Grey é um personagem criado especialmente para mexer com os instintos femininos. Ele é atrativo na parte física, ele é atrativo na parte da curiosidade e mistério, sua frieza e calma funcionam como parte do charme e dão ideia de alguém que sempre sabe o que fazer. Ele é um líder nato e dominador, o que também meche com o instinto feminino no sentido de unir "proteção e pegada".

Desejo: O personagem meche com o velho desejo feminino do belo príncipe encantado que, sem razão aparente, se interessa pela mulher desastrada e que não é nenhuma top-model. Isso alimenta o desejo de que toda mulher pode encontrar seu belo príncipe encantado e que ela seja a favorita dele.

Fantasias Sexuais: Se o personagem fosse apenas um belo príncipe encantado, mas sem essa "pimenta" da sexualidade, ele não passaria de um sem sal (sem pegada) "Edward do Crepúsculo". Mas a autora resolveu esse probleminha ao dotar seu personagem de muitos artifícios sexuais. Ele é o príncipe encantado que guia pela mão a princesa nas mais variadas aventuras sexuais.


Não existe monotonia nessa relação. As mulheres podem se identificar com a personagem e, ao mesmo tempo, extravasar em suas fantasias, se libertarem da inibição sexual nem que seja apenas em suas mentes.


Não é surpresa que o livro se tornou um sucesso de vendas e comentários.


Acredito que o livro foi projetado mais para o público feminino, mas isso não impede que homens também o leiam e o apreciem. No meu caso, posso dizer que gostei do livro e a acusação da postagem, em minha opinião, é infundada e baseada em interpretação tendenciosa.


:)

Anônimo disse...

Fico com os clássicos, não perderia meu tempo lendo uma porcaria de livro pornográfico tentando se mostrar "moderno" e ao que me parece pelos comentários é apenas o galã fodão dominando a mulher submissa aos seus desejos, muito pretensioso pra mim, apenas um homem como qualquer outro, com defeitos e virtudes, mas longe do esteriótipo de conquistador fodão, e muito menos de "dominador com pegada" se eu quiser pornografia eu procuro na internet, é mais prático, há livros muito melhores e recomendaria vários sobre vários temas, essa daí tá parecendo aqueles romances de banca de jornal tipo "Júlia" ou "Sabrina" com um toque "caliente" ou seja, mais uma masturbação mental, zero em conhecimento, mulherzinhas sonhadoras façam bom proveito, mas vocês podem ser melhores que isso, e ainda vão reclamar de submissão, machismo e esteriotipação da mulher.

Quésede disse...

Ao ler a descrição de uma doença, uma pessoa comum não saberia dizer qual doença é, mas um médico saberia.
Da mesma forma é este livro.
Só pessoas com experiência e conhecimento de causa vão entender a real motivação do livro.
Mas deixa isso prá lá. O povão gosta de ser enganado, manipulado e no fim, se autodestrói.

Anônimo disse...

realmente este post sobre pedofilia sadica é chocante... porém, eu gostaria de divulgar agora algo ainda mais CHOCANTE e de EXTREMA GRAVIDADE!!!, que, por outros motivos não mostrei antes. VEJAM SÓ O QUE SAIU NA NEXUS o.O


http://www.911-truth.net/11th_of_September-the_Third_Truth_NEXUS_magazine_Portuguese.pdf

link alternativo:

http://www.911-truth.net/11th_of_September-the_Third_Truth_NEXUS_magazine_Portuguese.doc

Nany

Anônimo disse...

Pedófilo é um adolescente ou adulto que sente atração sexual primária por crianças pré-púberes.

A Nova ordem mundial que chamar qualquer coisa de pedofilia, como a mídia faz, para aumentar o seu controle sobre as pessoas. Como estão fazendo com a Internet.

Aldo Luiz disse...

Caros amigos
Minha visão coincide com a da Quésede. E, me atrevo dizer mais.

Perguntemos aos milionários planos de doença se o ser humano, cuja essência é divina e perfeita, não foi criado, transformado, e mantido no escravo robô idiota que os enriquece? Ilusão supor que uma deficiência hormonal capaz de confundir os sexos seja um outro sexo. Naturalmente a linha média, divisória, o radical caminho do meio, é o caminho do meio. Medicar é trazer para o meio. Mas, meio de quem? Isto também está sendo deturpado. A humanidade não é doente, ela foi adoecida com a corrupta cumplicidade da farmáfia. E evidentemente isto é parte de um plano muito maior e muito bem acobertado. O "vulgo" ou o famoso "consumidor" perdeu há muito o poder de auto crítica e nem se fala mais da crítica. Faz tempo não pensa mais, apenas reage docilmente formatado pela arma de controle e extermínio em massa chamada televisão.
E, o dinheiro, neste sistema pedófilo e corrupto por sua natureza, explica bem este milenar escravista labirinto do nada de memórias e programas ancestrais em que nos aprisionam em psicopático lucrativo fratricídio... O fato é que: A AGENDA de opressão e abuso da mulher é pedra fundamental do escravagismo, prá lá de milenar. Sabem eles muito bem, e sempre "legal" e "cientificamente", que esmagar a fêmea desde o ninho é certeza de perene próspera casa grande e senzala. O resto são confeitos neste bolo sórdido que nos enfiam por adentro enquanto nos abusam hipócritamente. A todos, religiosamente e sempre armados até os dentes... Perguntem ao perebento XVI e outras coroadas e não coroadas pedófilas deidades governantes. Ô corja!

Tem mãe que é cega mesmo...
Sinto muito, sou grato.

maluishitori disse...

Não li e depois desta descrição não lerei mesmo, principalmente por que isso me traria lembranças que eu não quero ter, mas enquanto lia as respostas me passou uma coisa aterrorizante pela cabeça.

E se este livro for um pedido de socorro e se a Autora passou por isso e estiver simplesmente desabafando com seu público sem admitir de verdade, por medo ou vergonha, mas ainda assim um desabafo, já vi muitas mulheres fazerem isso, desabafarem como se tivesse acontecido com uma amiga, ou como se fosse ficção simplesmente para ver a reação das pessoas, para tentar justificar o que estava acontecendo sem se sentir culpada.

Eu passei por isso, eu cheguei a dizer em casa que tinha acontecido com uma amiga, tentando receber palavras de apoio, tentando fazer as pessoas entenderem como eu me sentia, sem atrair os olhares e as palavras de pena, que só me fariam me sentir mais culpada... e se....

Anônimo disse...

Realmente não tinha visto por este lado! Acho que a autora não teve a intenção de fazer isto, mas sim que se inspirou muito na personagem de Bella Swan: ingenua, virgem e a té meio (muito) tonta!
Enfim, já não gosto de saga crepusculo, pois muito enjoativo, com uma garota muito chatinha.
Como a própria autora ja diz, ela fez escreveu o livro para se divertir e não imaginou publica-lo, por isso essa narrativa pobre e cansativa.

ishitori disse...

Eu fiz algumas pesquisas e descobri algumas coisas, 50 tons de cinza é uma obra de ficção, a personagem foi baseada na Bela de Crepúsculo, a história original lançada na internet pela escritora como uma Fanfic, são como contos eróticos envolvendo personagens famosos, as maiores escritoras e leitoras deste material são adolescentes.
.
O dela especificamente fez tanto suscesso que ela foi convidada a lançar como livro. Por isso a escrita que parece dar mais importancia para a pornografia do que para a própria história e por isso a protagonista tão infantil, por que é como ela vê a Bella Swan, que é infantil e submissa exatamente como descrevem que ela é no livro.
.
Mas a Bella Swan utilizada na história é a Bella do primeiro livro, então sim, se trata de uma garota de 16 anos na história original, adaptada para 21 para não causar alvoroço e problemas editoriais para o lançamento. A escritora com 45 anos, é simplesmente só mais uma do universo das fanfics, só que neste caso ela conseguiiu ir além da internet.

Anônimo disse...

tomei a vacina h1n1 em abril de 2010. ja sinto certas dores no ombro e bracos e em alguns pontos das pernas. creio que é por isso, pois sempre fui muito saudavel. na época so tomei uma dose, nao eram 3? alguem já sabe o que essa vacina vai causar e o que ela realmente tem em sua composicao? to esperando a resposta aqui nessa mesma página. obrigado, pessoal!

Vi disse...

Da última vez que conversei com algumas pessoas sobre o caráter duvidoso deste livro mal escrito, ouvi críticas ferrenhas ao meu "moralismo absurdo".
Enfim, é um livro desprezível! E é bem triste ver que um texto risível, fraco e mal intencionado como este vire esta bíblia contemporânea.

Vi
www.bardodataverna.blogspot.com
facebook.com/vicentrix

Jhones disse...

Visto tudo já citado, uma coisa fica evidente,
a clara intenção de dominar a mulher, e têla como um ser submisso. Lembrando que a maçonaria é "dominada" por homens e que em vários outros artigos, como filmes também é notável a tentativa de "escravização" através de "programações" desse tipo.(traumas, violência...)

Erica Bosi disse...

A personagem pode ter sido inspirada em Bella, de Crepúsculo, mas os dois livros são completamente diferentes. Quem já leu os dois sabe que Crepúsculo trata-se de uma história de amor muito bonita entre um casal que se respeita, ao contrário de 50 tons de cinza que conta uma história de dominação e agressão, de péssimo gosto.

Anônimo disse...

Esconder uma coisa,ao deixá-la a mostra,é uma tática que sempre dá certo.

Pessoas comuns não buscam por sinais específicos.

Nem todo que olha vê,ou sabe o que está vendo,haja vista as mensagens subliminares em desenhos.

Tomem por parametro a Bíblia.

Se fizermos um perfil do pai de Jesus e outro de Jeová,teremos dois seres totalmente diferentes,mas milhões de pessoas não enxergam isso.

Boa observação.


Grata pelo a viso.


Lia

Anônimo disse...

Por que se preocupar tanto com esse filme, não vi tanta falação a respeito dessa minissérie da Globo Felizes para sempre, e as novelas então nem se fala, acho que tem coisa mais importante para se preocupar.

Anônimo disse...

Olha, realmente concordo q a personagem Ana não tem 21 anos.
Ela está sempre caindo ou se esbarrando nas coisas, como todos nós na época do "estirão" antes de entrarmos na adolescência. Eu sou adulta e sou meio atrapalhada e derrubo coisas, mas não com a frequência q a personagem faz. É bom como falamos q a criança/pré-adolescente cresceu e não se deu conta.
Fala sério, uma universitária q não sabe mexer num computador???
Eu perdi a virgindade bem tarde, depois dos 21 anos, mas não era tapada daquele jeito. Justamente pude escolher bem a hora de fazer sexo pq percebia onde algumas conversas fiadas queriam m levar e pulava fora antes. Hj em dia, quem quer perder a virgindade depois dos 20 anos tem q ser muito esperta e saber sair de situações.

Anônimo disse...

Se é história o caso é verídico, caso contrário seria estória.

Anônimo disse...

Assistam a esta entrevista para refletir mais sobre este livro.... https://www.youtube.com/watch?v=FjScQ7Uszw4

Anônimo disse...

tay concordo plenamente, outro ponto que me chama a atenção no texto acima é o fato de que nem o livro nem o filme são livres, e nem devem ser. São livros e filme para adultos, principalmente mulheres já q foi caracterizado como pornô para mamães. Qual medo, de que mulheres se tornem pedófilas? Há a possibilidade? Em minha ignorância, somente se houver a vontade inconsciente de praticar o ato.Eu penso que se as mulheres n viram esses sinais talvez seja pq não tem essa intenção. A trança descrita no livro serve pra que ela n se enroscasse nos grilhóes e afins, Bdsm é uma prática consensual onde qqr uma das partes tem códigos e regras definidas a fim de que pode-se parar a qqr momento. Perdi minha virgindade aos quase 20 e tb sangrei. No livro ela sim, já ficou com outros namoradinhos onde sim, já teve contato sexual sem penetração ou sexo oral. Dizer q ela nunca teve absolutamente nada é uma inverdade. Errados são pais que permitem que meninas e meninos sem idade e maturidade suficiente o leiam ou assistam. Se ele fosse um predador a história n terminaria com um casamento feliz com filhos e familia saudável. Um predador sai em busca cada vez mais de outras presas. É o que penso qto à história pobremente escrita. É um conto, Se o final fosse outro, com ele deixando dela depois de conseguir destruir com seus sentimentos e vida, eu concordaria talvez.

Abdul Rashid disse...

Prezados, bom dia.....

Li com bastante calma o artigo, assim como tb os comentários....

Um que me chamou atenção foi: esses filmes, e livros de vampiros bonzinhos etc.... são usados para corromper nossos jovens e crianças.....

Eu penso que uma boa educação e uma presença forte dos pais na vida dos jovens, crianças e adolescentes resolve isso com bastante tranquilidade....

Minha filha tem 6 anos, é muito comunicativa, inteligente e extremamente ligada nas coisas, isso é um atributo dela....

As vezes estamos vendo um filme de vampiros, ou desenhos com bruxas e duende e eu muito brincalhão começo a gritar e fazer drama dizendo: e agora bb eles vão nos atacar, aonde vamos nos esconder... Ela olha pra mim com aquela cara de adulto e diz , ohhh pai é so um filme, isso não existe, relaxa.......

Por causa de respostas como essas que ela dá eu percebo que interagir com nossos pequenos ou adolescentes é fundamental para ajudá-los a discernir e entender o que é certo e errado.....

Quanto aos bombardeios em nossos jovens são diários, mas estamos numa guerra pela preservação da família....

Vamos usar as boas armas que nós temos.......

Anônimo disse...

Pode me dizer em que história ou versão da história infantil da Bela adormecida,ela é estuprada ainda criança, já que ela é picada pela roca aos 15 anos e em que parte eu perdi que ela acorda nove meses depois já para parir???
Agora fiquei perdida. Esqueci até o que iria comentar sobre o tal 50 tons,livro que,nem posso opinar porque não consegui chegar à décima página de tão monótono e mal escrito.

Anônimo disse...

Pedofilia se caracteriza à todo menor de 18 anos.

PRISCILLA OLIVER disse...

Cada um tem um gosto , mas essa estoria muito ruim e como tem pessoas que se enganam .Esta saindo como o planejado pelos "donos desse mundo". Se perdendo com leituras que nao constroi nada que nao forma moral ,nada , so a pratica de desejos sujos e imorais e que nao tras crescimento.

Celly Grapiuna disse...

Perfeito! Há tanta coisa melhor e mais interessante no mundo da literatura, livros dignos de leitura e debate... e o povo perdendo tempo com isso... Cresçamos.

Anônimo disse...

Esse ta por fora da legislação

monica campello disse...

Atualmente, o termo [pedofilia] é usado de forma corrente para qualquer referência a ato sexual com crianças e adolescentes, desde a fantasia e o desejo enrustidos até a exploração comercial, passando pela pornografia infantil e a realização de programas com crianças e adolescentes.
http://www.douradosagora.com.br/noticias/brasil/saiba-a-diferenca-entre-pedofilia-e-abuso-sexual-infantil

Enyo Paz disse...

O que é mais chocante? 50 Tons ou Christiane F???

Posts Relacionados
 
;