RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Estudo: Pacientes que Usam Anti-Depressivos São Mais Propensos a Sofrer Recaídas de Depressão Grave

terça-feira, 26 de julho de 2011 |
depressão e medicamentos mais chance de recaídaScienceDaily

Os pacientes que usam anti-depressivos são muito mais propensos a sofrer recaídas de depressão grave do que aqueles que não usam medicação alguma, conclui Paul W. Andrews, PhD, pesquisador da Universidade McMaster de Ontário, no Canadá.

Em um estudo que pode inflamar uma nova polêmica no calorosmoreamente debatido campo da depressão e medicação, o psicólogo evolucionista Paul Andrews conclui que os pacientes que usaram medicamentos anti-depressivos podem ser quase duas vezes mais suscetíveis a futuros episódios de depressão grave.

Andrews, um professor assistente no Departamento de Psicologia, Neurociência e Comportamento, é o autor de um novo estudo na revista Frontiers of Psychology (Fronteiras da Psicologia).

A meta-análise sugere que as pessoas que não tomaram qualquer medicação têm um risco apenas 25% de recaida, em comparação com 42 por cento ou mais para
aqueles que tomaram e pararam de tomar anti-depressivos.

Andrews e seus colegas estudaram dezenas de estudos publicados anteriormente para comparar os resultados de pacientes que usaram anti-depressivos em comparação com aqueles que usaram placebo.

Eles analisaram estudos de pacientes que começaram o uso de medicamentos e foram passados para placebos, indivíduos que foram administrados placebos durante todo seu tratamento, e ndivíduos que continuaram a tomar a medicação durante todo o curso do tratamento.

Andrews diz que anti-depressivos interferem com a auto-regulação natural de serotonina e outros neurotransmissores do cérebro, e que o cérebro pode corrigir demais uma vez que a medicação seja suspensa, provocando uma nova depressão.

Embora existam várias formas de anti-depressivos, todos eles perturbam o mecanismos de regulação natural do cérebro, que ele compara a colocar um peso em uma mola. O cérebro, como uma mola, empurra contra o peso. Tirar os medicamentos antidepressivos é como remover o peso da mola, deixando a pessoa em risco aumentado de depressão quando o cérebro, como uma mola comprimida, atira para fora antes de voltar para o seu estado de repouso.

"Descobrimos que quanto mais estas drogas afetam a serotonina e outros neurotransmissores no cérebro - e é isso que elas deveriam fazer - maior é o risco de recaída, uma vez que você para de tomá-los", diz Andrews. "Todas essas drogas reduzem os sintomas, provavelmente em algum grau, a curto prazo. O problema é o que acontece a longo prazo. Nossos resultados sugerem que quando você tenta sair das drogas, a depressão retornará. Isso pode deixar pessoas presas em um ciclo onde precisam continuar a tomar anti-depressivos para evitar um retorno dos sintomas".

Andrews acredita que a depressão pode realmente ser natural e benéfica - um estado em que o cérebro está trabalhando para lidar com o estresse - embora isto seja doloroso.

"Há muita discussão sobre se a depressão é ou não uma verdadeira desordem, como a maioria dos médicos e das organizações psiquiátricas acreditam, ou se é uma adaptação evolutiva que faz algo de útil", diz ele.

Estudos longitudinais citados no artigo mostram que mais de 40 por cento da população pode sofrer de depressão grave em algum momento de suas vidas.

Episódios mais depressivos são desencadeadas por eventos traumáticos como a morte de um ente querido, o fim de um relacionamento ou a perda de um emprego. Andrews afirma que o cérebro pode diminuir outras funções, como o apetite, o desejo sexual, o sono e a conectividade social, para concentrar seus esforços em lidar com o evento traumático.

Assim como o corpo usa a febre para combater a infecção, ele acredita que o cérebro também pode estar usando a depressão para combater o estresse incomum.

Nem todos os casos são iguais, e casos graves podem chegar ao ponto onde eles claramente não são benéficos, enfatiza.

Fontes:
Estudo: Blue again: perturbational effects of antidepressants suggest monoaminergic homeostasis in major depression
Science Daily: Patients Who Use Anti-Depressants Are More Likely to Suffer Relapse, Researcher Finds

8 comentários:

Vi disse...

A indústria farmacêutica poria em xeque qualquer conclusão psicopositiva acerca de distúrbios como a depressão. Por mais que se torne claro que certos processos dolorosos como a depressão são catalisadores de uma evolução adaptativa, a retórica "farmacapitalista" daria um jeitinho de dissuadir a população disso. Para eles, vender saúde é muito mais humano que simplesmente descobrí-la.

Carpe diem.

Anônimo disse...

Eu arrisquei, deixei de lado essas drogas há alguns dias e estou me sentindo muito mais leve e livre.

Fred disse...

http://wearechangeportugal.org/

A associação internacional WeAreChange está a dar os seus primeiros passos em Portugal:

http://www.wearechangeportugal.org/

Em Espanha a WeAreChange (onde é conhecida como investigar11s) esteve presente nos protestos anti-Bilderberg.

A WeAreChange ,http://www.wearechange.org/, é um movimento internacional para a paz e a justiça social formado por cidadãos e independente de qualquer ideologia ou religião. Nasceu nos EUA com o objectivo inicial de procurar a verdade sobre os atentados de 11 de Setembro.

Esta organização pretende denunciar a corrupção dos governos e juntar cidadãos em todas as partes do mundo que estejam interessados em manifestar-se e em educar o público sobre assuntos que são geralmente encobertos ou censurados pelos “meios de comunicação social”.

Actualmente a WeAreChange está espalhada por mais de 20 países em vários continentes.

Gostaríamos de contactar com todos os que têm ideais semelhantes.

Agradecemos desde já a atenção.

http://www.wearechangeportugal.org/

Fernando Negro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana disse...

Antidepressivos não deveriam estar no mercado pois não curam nem melhoram o estado depressivo e os efeitos colaterais podem ser considerados crimes contra a humanidade.
Pesquiso há 6 anos, em inglês pois em português vocês sabem, e é um horror.
Que bom achar um site em português que esteja divulgando o backstage dessa loucura toda.

Anônimo disse...

olha isso:

http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/as-acoes-humanas-podem-provocar-terremotos/n1597306119868.html

Anônimo disse...

Eu tomei Anti Depressivos,será que vai demorar para me recuperar?

5 disse...

Essa reportagem está enviesada, é obvio que quem toma antidepressivo tem mais chance de ter uma recaída de uma pessoa que nunca teve o diagnostico de depressão, e embora o antidepressivo não cure nada de fato, ele dá ao individuo uma melhor qualidade de vida enquanto ele faz um tratamento psicologico que o ajude a melhorar de situação

Posts Relacionados
 
;