RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Donald Trump Brasileiro Ganha "Apoio Esmagador" na Votação Presidencial no Primeiro Turno

terça-feira, 9 de outubro de 2018 |

via Infowars

Depois de uma das campanhas presidenciais mais bizarras da história do Brasil (em determinado momento, um candidato estava na prisão e outro que foi hospitalizado com uma facada fatal), Jair Bolsonaro, o candidato de direita que adotou o rótulo de "Donald Trump Brasileiro" superou até mesmo as expectativas mais otimistas.


Aproximadamente 90 minutos após o encerramento das últimas pesquisas nas províncias mais a oeste do país, 95% dos votos foram contados. O resultado: uma vitória esmagadora em favor de Bolsonaro, que levou para casa impressionantes 46,8% dos votos, de acordo com a TV Globo.

Isso significa que, em um sinal de grande notícia para as ações brasileiras, como a ameaça de uma mudança esquerdista foi evitada, Bolsonaro superou até mesmo as pesquisas mais otimistas e quase conseguiu uma vitória no primeiro turno. Mas como a Constituição do Brasil pede um segundo turno se nenhum candidato obtiver maioria absoluta, espera-se que Bolsonaro, ex-militar e legislador federal, enfrente o candidato do Partido dos Trabalhadores Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo e indicado por Lula, em um segundo turno para o dia 28 de outubro.

Acompanhado por uma escolta armada, Bolsonaro - que há um mês foi atacado por um fanático armado de faca - votou em uma escola em um setor militar do Rio de Janeiro sendo saudado como “mito” pelos apoiadores.


Os investidores esperam que as ações se recuperem na manhã de segunda-feira, já que Bolsonaro era o candidato preferido do mercado. Na sexta-feira, o Bloomberg informou que alguns investidores investiram no Ibovespa para proteger suas posições no caso de uma exibição mais fraca do que a esperada por Bolsonaro, que emergiu como o principal favorito depois de ter sido esfaqueado em um comício de campanha pela última vez. mês.

* * *

Os 147 milhões de eleitores do Brasil começaram a votar nas eleições federais de domingo, o que ajudará a decidir quem substituirá o centralizador Michel Temer como o presidente do maior país e economia da América do Sul.

Embora nenhum candidato deva conquistar uma maioria absoluta - o que significa que os dois primeiros colocados se enfrentarão em uma votação no segundo turno em 28 de outubro - o congressista federal Jair Bolsonaro, um candidato da direita que dividiu o país com seus comentários sobre A Ditadura Militar do Brasil, com 20 anos de governo, foi bem sucedido nas últimas pesquisas, com alguns colocando seu apoio em até 44%.

O que significa que depois de anos de regime esquerdista, seguido de um breve período de morno centrismo, um homem que adotou o rótulo de "o Donald Trump brasileiro" está prestes a vencer uma eleição presidencial, levando o movimento global anti-establishment à América do Sul.



Uma pesquisa realizada em 3 de outubro mostrou que Bolsonaro estava em 32%, contra 22% um mês antes, depois de um socialista deplorável ter ferido gravemente Bolsonaro, esfaqueando-o no intestino durante uma manifestação. Embora Bolsonaro tenha perdido uma quantidade enorme de sangue, ironicamente, o ataque ajudou a galvanizar seus partidários. Apesar de estar ausente de uma votação presidencial nesta semana, Bolsonaro ainda dominava.



É claro que a adoção de um candidato de direita por parte do eleitorado, em meio a uma onda de nostalgia pela ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985, não é por acaso. Os males sociais enfrentados pelos 210 milhões de brasileiros - que há apenas alguns anos desfrutavam de um período de relativa prosperidade - são inumeráveis ​​e difusos: a taxa de desemprego disparou para 12%, um escasso déficit orçamentário, má administração econômica e corrupção pública endêmica e a fé dos investidores internacionais que deixaram o Real despencar. O crime é desenfreado, com mais de 63.000 assassinatos no ano passado, faz as pessoas ansiarem pela estabilidade social que já foi uma marca da vida no país. Escolas, hospitais e estradas estão degradados e subfinanciados. Como esses e outros fatores (incluindo seu envolvimento em um escândalo de corrupção como o de sua antecessora, Dilma Roussef), o presidente brasileiro Michel Temer é universalmente desprezado, com um índice de aprovação de 2%.



Enquanto o Partido dos Trabalhadores, de esquerda, presidiu o mais recente boom econômico, também é responsável por liderar o país em uma espiral de morte econômica. E a maciça investigação sobre a corrupção na estatal Petrobras, um escândalo que levou à derrubada da ex-presidente Dilma Roussef, gerou um ressentimento generalizado contra a esquerda brasileira. O ex-presidente Lula da Silva, por algumas medidas o político mais popular do país, estava impedindo de concorrer devido a estar preso por acusações de corrupção. Fernando Haddad, que fica atrás de Bolsonaro nas pesquisas e provavelmente o enfrentará no segundo turno, está concorrendo no lugar de Lula depois que um tribunal decidiu que Lula não era elegível devido a uma lei que ele mesmo assinou durante sua presidência.

Bolsonaro é amplamente visto como o candidato pró-mercado e os sinais de seu avanço nas pesquisas reforçaram o Real brasileiro, assim como os ativos domésticos. E apesar de sua história de comentários misóginos e homofóbicos, Bolsonaro mantém amplo apoio entre as mulheres brasileiras, como uma empresária de São Paulo que compartilhou suas opiniões com o The Wall Street Journal.

O [Partido dos Trabalhadores] devastou o país”, disse Solange Correia, uma empresária de 58 anos em São Paulo que apóia entusiasticamente Bolsonaro, um dos poucos políticos brasileiros que não foram afetados por escândalos, apesar de seus 27 anos no cargo do Congresso.

Bolsonaro também criticou o processo eleitoral do Brasil, que depende de máquinas de votação eletrônicas, disse em um comentário que ecoou um feito pelo presidente Trump durante a campanha de 2016, que ele rejeitaria qualquer resultado em que ele não é o vencedor. Para garantir a justiça, o exército brasileiro está mobilizando 28 mil soldados para proteger as pesquisas, enquanto a Organização dos Estados Americanos está enviando equipes de observadores independentes.

Embora o economista tenha destacado Bolsonaro em um artigo alertando sobre o retorno à ditadura militar no Brasil, ele não é o único candidato que expressou simpatia e apoio a líderes autoritários. O Partido dos Trabalhadores manifestou apoio a homens fortes de esquerda em Cuba e na Venezuela, de acordo o The Wall Street Journal.

Muitos brasileiros temem pelo retorno ao governo autoritário de qualquer um dos candidatos, dada a simpatia de Bolsonaro pelo regime militar de 1964-1985 e o apoio a regimes de homens fortes na Venezuela e em Cuba demonstrados pelo partido de Haddad. Tais preocupações levaram o presidente do Supremo Tribunal, Dias Toffoli, a pedir publicamente por restrições no início da semana, no aniversário da Constituição de 1988. "Ditadura, nunca mais", disse ele durante uma sessão televisionada da Suprema Corte.

Alguns acadêmicos afirmaram que a atual obsessão do Brasil com líderes homens fortes atingiu “o ponto da loucura”.

"Chegamos a um ponto de loucura", disse Boris Fausto, um historiador brasileiro que aos 87 anos testemunhou duas longas ditaduras no Brasil indo e vindo. “O extremismo levou vantagem, particularmente a ascensão de uma extrema direita que não tem compromisso com a democracia.”

Isso pode ser verdade, mas, novamente, a raiva que os brasileiros sentem parece ser justificada. As leis eleitorais brasileiras determinam a votação de todos os cidadãos com idades entre 18 e 70 anos. Aqueles que não votarem correm o risco de receber uma pequena multa e outras penalidades administrativas. Para brasileiros com idade entre 16 e 17 anos, ou 70 anos ou mais, o voto é opcional.


Enquanto isso, a Bloomberg informou no início desta semana que os investidores estavam se aproximando do Ibovespa para se proteger de uma demonstração mais fraca do que a esperada por Bolsonaro na votação de domingo. Se ele superar as expectativas, espera-se que as ações domésticas subam em meio a uma enxurrada de coberturas curtas.
________________________________________________________________________________

Ibovespa salta 4,6% e tem a maior alta desde março de 2016 em meio à euforia com Bolsonaro

O dólar comercial recuou 2,31%, para R$ 3,766, no maior tombo desde 8 de junho, quando despencou 5,59%.


O mercado doméstico reagiu com euforia após Jair Bolsonaro (PSL) confirmar sua ida ao segundo turno com 46% da preferência dos eleitores, acima das expectativas e mostrando larga vantagem contra Fernando Haddad (PT), que teve 29, 28% dos votos no primeiro turno. Além disso, o partido de Bolsonaro fez uma forte bancada, de 52 deputados, a segunda maior (menos apenas que do PT).

Leia mais:



[Infowars] "Trump Brasileiro" é Esfaqueado por Terrorista de Esquerda






Fontes:
- Infowars: BRAZIL’S “DONALD TRUMP” WINS ‘OVERWHELMING SUPPORT’ IN FIRST-ROUND PRESIDENTIAL VOTE
Zero Hedge: Brazil's "Donald Trump" Wins 'Overwhelming Support' In First-Round Presidential Vote
Zero Hedge: Brazil's "Donald Trump" Presidential Candidate Stabbed At Campaign Event
Zero Hedge: Brazil's Bolsonaro Lost 40% Of Blood After Knife Attack By Crazed 'Socialist'
Zero Hedge: Brazil's "Donald Trump" Dominates Key Presidential Debate Despite Absence After Stabbing
The Wall Street Journal: Brazil’s Bolsonaro Takes Lead in First Round of Presidential Election
Bloomberg: China Foreign-Currency Reserves Drop on Trade Tensions, Yuan
InfoMoney: Ibovespa salta 4,6% e tem a maior alta desde março de 2016 em meio à euforia com Bolsonaro

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;