RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Nome Monsanto Começa a ser Apagado Conforme a Bayer Assume a Corporação do Mal

quinta-feira, 7 de junho de 2018 |

Espera-se que a Bayer finalize seu acordo de compra de 62,5 bilhões de dólares da Monsanto nesta semana - e os planos para aposentar o infame nome “Monsanto” já estão em marcha. Mas mesmo que o nome Monsanto se torne uma coisa do passado, as ações sujas e produtos perigosos da empresa continuarão a viver.


A Bayer certamente sabe uma ou duas coisas sobre a troca de marca para salvar a face; uma vez conhecida como IG Farben, a empresa se envolveu em uma série de atos repugnantes no passado, incluindo o uso de trabalhadores escravos judeus durante o Holocausto. Mudar seu nome para a Bayer não mitigou esse fato - embora certamente tenha ajudado a empresa a continuar lucrativa.

É quase certo que essas duas empresas acabaram juntas, pois tanto a Bayer quanto a Monsanto têm um histórico de crimes contra a humanidade. Infelizmente, esse emparelhamento malvado vai significar um desastre para o resto de nós.

Mudar nomes não significa nada

À medida que a fusão da Bayer e da Monsanto se aproxima, a Bayer revelou que, uma vez combinada, o nome Monsanto deixará de existir. Em vez disso, a Monsanto e seus produtos simplesmente se tornarão parte da "família" da Bayer.

Mas a renomeação do Roundup como um produto da Bayer muda o fato de que ele é tóxico e deixa as pessoas doentes? Não. A mídia independente repentinamente parará de relatar seu glifosato causador de câncer e produtos transgênicos perniciosos? Absolutamente não. A Monsanto pode desaparecer no nome, mas seu legado de toxicidade e desrespeito pela vida humana infelizmente continuará vivo - e as pessoas estão certas em se preocupar com o que vem a seguir.

Embora o nome Bayer possa não chamar tanta ira quanto o nome da Monsanto, ele deveria - e talvez um dia o faça. A história da empresa Bayer é tão sórdida e distorcida quanto a da Monsanto, afinal de contas.

Mais de 20 anos atrás, Helge Wehmeier, então chefe da Bayer Corp, pediu desculpas publicamente ao falecido Elie Wiesel e outros sobreviventes do Holocausto pelas ações notoriamente desumanas da IG Farben.

Sinto pena e arrependimento e peço desculpas pela desumanidade de meu país pelo que a IG Farben fez ao seu povo”, disse Wehmeier a Wiesel durante uma palestra em 1995. Wiesel foi um dos muitos trabalhadores escravos judeus usados ​​pela empresa durante o Holocausto. A empresa também teria investido pesadamente no desenvolvimento do Zyklon B, um inseticida tóxico.

O passado sombrio de Bayer

Os cientistas da IG Farben também realizaram experimentos com seus escravos cativos. Em 2003, a sobrevivente do Holocausto Zoe Polanska Palmer falou sobre suas experiências como um teste nazista. Muitos médicos da SS supostamente trabalharam para a empresa-mãe da Bayer, a IG Farben, incluindo o Dr. Victor Capesius e o Dr. Helmut Vetter - ambos julgados e condenados por vários crimes de guerra, sendo este último executado após a guerra. Capesius, diz Polanska Palmer, é o médico que fez experimentos nela e testemunhas dizem que ele trabalhava para a Bayer.

A Sra. Polanska Palmer não estava sozinha; inúmeras crianças foram supostamente sequestradas e colocadas em experimentos. No final da década de 1990, Eva Mozes Kor lançou seu próprio processo contra a Bayer, alegando que a empresa supervisionou a compra dela e seu irmão gêmeo dos nazistas e que eles foram então usados ​​como "cobaias" pelo infame Josef Mengele. Kor alega que ela e outras crianças foram propositadamente infectadas com uma série de doenças “para testar a eficácia de vários medicamentos fabricados pela Bayer”.

Kor declarou na época: “Depois de 54 anos, é hora de a Bayer assumir a responsabilidade por suas ações.” Além da restituição financeira, Kor disse que quer ouvir um pedido de desculpas. Embora a Bayer tenha admitido o uso de trabalho escravo, a empresa não divulgou prontamente os outros atos de maldade em que sua empresa-mãe estava envolvida.

Em 2003, em resposta às alegações de Polanska Palmer, a Bayer alegou que o nome Bayer nem existia entre 1925 e 1952 e, portanto, a empresa que conhecemos hoje não tinha nada a ver com a IG Farben. Sério?

Como as fontes explicam, a IG Farben nunca deixou de existir. Mesmo que os aliados tenham desmembrado a empresa devido a suas atividades más e desumanas, ela simplesmente se tornou três novas empresas: Bayer, Hoechst e BASF. Em 2012, a IG Farben ainda existia como uma empresa em liquidação.

A Bayer está realmente tão distante da IG Farben quanto afirma estar?

Leia mais:


Uma Combinação do Inferno: Fusão Monsanto-Bayer Recebe luz Verde... Agricultores Estão Preocupados, e Deveriam Estar












































































Fontes:
- Natural News: Monsanto name to be wiped as BAYER consumes the evil corporation, creating the world’s largest chemical giant with a history of crimes against humanity
Daily News: BAYER SORRY FOR NAZI ROLE
AXIOS: "Monsanto" will disappear in three days
The Two-way: Monsanto No More: Agri-Chemical Giant's Name Dropped In Bayer Acquisition

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;