RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

FDA Escondeu Descobertas do Glifosato do Público Depois de Encontrar o Químico em TODOS os Alimentos

quarta-feira, 2 de maio de 2018 |

E-mails internos chocantes, descobertos através do Freedom of Information Act, têm revelado ainda outro escândalo: A FDA sabia que o herbicida tóxico, glifosato, estava contaminando o abastecimento de alimentos dos EUA - e ignorou a perigosa ameaça que representa para os consumidores americanos. Aparentemente, a descoberta de glifosato em produtos muito consumidos, como biscoitos de granola e milho, não preocupa os funcionários da FDA; os supervisores declararam que o glifosato presente nesses itens não conta porque eles não fazem parte do relatório “oficial” da agência.


A ciência que se dane; o governo federal tem um relatório para escrever - e agora, alguns estão se perguntando se talvez alguém, em algum lugar, já tenha dito a eles o que colocar nele.

Por décadas, a FDA tem sido responsável por testar amostras de alimentos para garantir que os padrões de qualidade específicos sejam cumpridos. Isso inclui o monitoramento de alimentos para quantidades ilegalmente altas de resíduos de pesticidas. Até recentemente, no entanto, a FDA não havia testado os resíduos de glifosato - um fato que atraiu muita atenção do Government Accountability Office, bem como das organizações de defesa do consumidor.

O glifosato por si só atraiu muitas críticas, devido à sua ladainha de efeitos adversos sobre a saúde humana e o meio ambiente. O principal ingrediente do Roundup da Monsanto foi criticado em 2015, depois que a International Agency for Research on Cancer da Organização Mundial de Saúde declarou que o glifosato era um "provável carcinógeno". Algumas pesquisas mostraram que o uso crescente desse pesticida pode estar contribuindo para o rápido declínio de populações de abelhas, também.

Leia também: Monsanto Ataca a IARC por Rotular o Glifosato Como um Provável Carcinógeno

Agora, uma série de e-mails da FDA mostra que vários cientistas da FDA descobriram sobre os níveis de resíduos de glifosato nos alimentos do dia-a-dia. Em investigações separadas, os químicos Richard Thompson e Narong Chamkasem encontraram traços de glifosato que excederam as quantidades legais em diferentes alimentos.

Em um e-mail, Thompson escreveu a seus colegas: “Eu trouxe biscoitos de trigo, cereal de granola e milho de casa e há uma boa quantidade em todos eles”, e observou que apenas sua amostra de brócolis parecia estar livre de glifosato.

As descobertas de Chamkasem foram semelhantes, com o químico observando que havia quantidades excepcionalmente altas de resíduos de glifosato no milho. Em um e-mail interno da FDA, Chamkasem informou que detectou o glifosato no milho em 6,5 partes por milhão, enquanto o limite legal é de 5,0 ppm.

"Esses e-mails quebram qualquer fé remanescente na Food and Drug Administration dos EUA operando como um tipo de defensora da saúde pública", explicou Mike Adams, fundador da CWC Labs e autor do Food Forensics. "O fato de que a FDA deliberadamente reteve essas descobertas alarmantes do público fala muito sobre as verdadeiras motivações desta agência falha", acrescentou Adams. “Está claro para todas as pessoas de mentalidade científica que a FDA se esquiva para esconder a verdade sobre produtos químicos agrícolas no fornecimento de alimentos, provavelmente protegendo os interesses financeiros das corporações químicas de pesticidas e herbicidas que exercem enorme influência sobre os reguladores do governo."

Leia também: [Estudo] O Glifosato Contribui para o Aumento do Autismo

Como a FDA enterrou suas descobertas enquanto os consumidores de alimentos continuavam a ingerir produtos químicos destruidores de ervas daninhas ligados ao câncer

Talvez o que mais preocupe sobre isso é que um supervisor da FDA basicamente rejeitou essa descoberta. Normalmente, o The Guardian explica, uma descoberta como essa é relatada à EPA. No entanto, um supervisor da FDA escreveu para um funcionário da EPA, declarando que o milho testado por Chamkasem não era uma amostra “oficial”.

Chamkasem também descobriu resíduos de glifosato em produtos de aveia e mel em 2016. Documentos da FDA mostram que, depois de anunciar essas descobertas, o laboratório de Chamkasem foi "transferido para outros programas" e toda a investigação foi suspensa temporariamente. Mais uma vez, a FDA declarou que esses itens não faziam parte de sua revisão de resíduos de glifosato.

O fato de que alimentos como trigo e aveia não fazem parte da revisão da FDA é, na verdade, altamente preocupante, já que se tornou bem conhecido que os agricultores usam o glifosato como dessecante. Trigo, aveia e outros alimentos são comumente pulverizados com glifosato no final da temporada para acelerar o processo de colheita. Portanto, há muitos motivos para suspeitar que esses alimentos também estão contaminados, mesmo que não devam ser tratados com glifosato.

Mas infelizmente, como o The Guardian observa ainda, parece improvável que as descobertas de Thompson ou de Chamkasem sejam incluídas no relatório oficial da FDA. Quando questionado sobre o teste do glifosato, um porta-voz da FDA teria declarado que “a FDA não encontrou nenhum nível ilegal em milho, soja, leite ou ovos, as quatro commodities que considera parte de sua designação especial de glifosato”. As “descobertas não oficiais” dos e-mails não foram abordadas.

Como de costume, o grande governo opera em sua própria agenda - quem vai responsabilizar essas pessoas?

Leia mais:


Espalhando as Sementes do Suicídio: A Monsanto Está Destruindo Nossa Agricultura

















Fontes:
Natural News: FDA hid glyphosate findings from the public after finding weed killer contamination in nearly ALL food
The Guardian: Weedkiller found in granola and crackers, internal FDA emails show
US RTK: FDA FOIA Documents Regarding Glyphosate Residue Testing
The Healthy Home Economist: DOZENS of Food Crops Treated with Pre-Harvest Roundup (it’s not just wheat!)

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;