RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Famílias de Vítimas Querem Reabrir a Investigação sobre o 11 de Setembro

sexta-feira, 27 de abril de 2018 |

Este mês, o comitê de advogados do 9-11 Inquiry, um grupo que representa as famílias das vítimas do 11 de setembro, entrou com uma petição junto ao Procurador do Distrito Sul de Nova York para pressionar por uma investigação sobre os crimes do 11 de setembro. O comitê afirma que eles têm evidências “conclusivas” de que explosivos foram plantados e detonados nos edifícios do World Trade Center, e que esta é a razão real para o colapso das torres.


De acordo com a petição de 52 páginas, que é acompanhada por 57 exposições, o estatuto federal exige que o Departamento de Justiça dos EUA revise as evidências com um júri especial. A petição afirma:

O Comitê de Advogados revisou as evidências relevantes disponíveis. . . e chegou a um consenso de que não há apenas evidências substanciais ou persuasivas de crimes ainda a serem processados ​​relacionados ao uso de explosivos pré-plantados e/ou incendiários. . . em 11 de setembro, mas há evidências conclusivas de que tais crimes federais foram cometidos.

As provas apresentadas na petição incluem o seguinte:

* Análise laboratorial científica independente de amostras de poeira do WTC mostra a presença de explosivos de alta tecnologia e/ou bombas incendiárias na forma de termite ou thermate.
* A análise especializada das evidências sísmicas de que as explosões ocorreram nas torres do WTC em 11 de setembro, antes do impacto do avião nas torres do WTC, e antes da construção desabar.
* Análise técnica da evidência de vídeo do prédio do WTC em colapso.
* Bombeiro relata explosões, e de ver "ferro derretido como em uma fundição". A petição afirma que a presença de ferro fundido exigiria temperaturas mais altas do que o combustível de aviação e os conteúdos de construção poderiam criar quando queimados, mas consistente com o uso de alta tecnologia. Termite ou thermate explosivo e bomba incendiária.
* A presença de microesferas de ferro previamente fundidas, que foram estabelecidas por análise de microscopia eletrônica de amostras de poeira do WTC, tanto pelo governo quanto por cientistas independentes, é outro fenômeno que seria cientificamente impossível com base apenas na queima de combustíveis e materiais de escritório.
* Vídeo e testemunho ocular da expulsão durante o colapso do WTC 1 e 2 de elementos de aço pesados lateralmente dos edifícios, o que não seria possível a partir de um colapso gravitacional.
* Análises científicas, depoimentos de testemunhas oculares e relatórios do governo confirmando a sulfidação e corrosão em alta temperatura do aço encontrado nos escombros após o colapso das torres do WTC e WTC 7, um fenômeno não esperado em um incêndio de jato de combustível e colapso da gravidade, mas consistente com o uso de thermate e altos explosivos.

Após a entrega da petição, o Comitê de Advogados realizou uma coletiva de imprensa em frente ao Tribunal Distrital de Nova York, junto com as famílias das vítimas.

Nenhuma das provas apresentadas na petição foi apresentada ou considerada na “Comissão do 11 de Setembro”, que foi inicialmente designada para investigar o colapso das torres. Nos anos que se seguiram aos ataques, a Comissão foi exposta como uma fraude, com muitos de seus membros se manifestando contra a história oficial.

De acordo com um relatório de 2006 do The Washington Post, a maioria das pessoas que supervisionavam essa comissão acreditavam que estavam sendo enganadas, e até realizaram uma reunião secreta sobre o encaminhamento do assunto ao Departamento de Justiça.

O relatório afirmou que:

A suspeita de irregularidades foi tão profunda que a comissão de 10 membros, em uma reunião secreta no final de seu mandato no verão de 2004, debateu o encaminhamento do assunto ao Departamento de Justiça para investigação criminal, de acordo com várias fontes da comissão. Funcionários e alguns comissários pensaram que os e-mails e outras provas forneceram causa provável suficiente para acreditar que os oficiais militares e de aviação violaram a lei fazendo declarações falsas ao Congresso e à comissão, na esperança de esconder a resposta aos desvios dos aviões, disseram as fontes.

Um dos comissários que expressou dúvidas sobre as evidências foi John Farmer, que mais tarde escreveu um livro chamado The Ground Truth, detalhando como as evidências foram intencionalmente deixadas de fora do relatório e como as agências de inteligência mentiram sobre aspectos importantes do incidente, incluindo sua resposta inicial ao ataque.

Fiquei chocado com o quão diferente a verdade era da maneira como foi descrita… Os vídeos contavam uma história radicalmente diferente do que nos foi dito e ao público durante dois anos”, disse Farmer.

Thomas H. Kean, ex-governador de Nova Jersey que liderou a Comissão, disse que o NORAD mentiu sobre sua resposta ao ataque.

Nós até hoje não sabemos porque o NORAD [o Comando Aeroespacial da América do Norte] nos contou o que eles nos disseram. Foi tão longe da verdade. . . . É uma daquelas pontas soltas que nunca foram amarradas”, disse Kean.

Os dois co-presidentes da Comissão, Kean e Lee Hamilton, disseram publicamente que a comissão foi “criada para fracassar”. Em seu livro, Without Precedent: The Inside Story da 9/11 Commission,  Kean e Hamilton descrevem como a comissão foi intencionalmente subfinanciada e não recebeu tempo suficiente para resolver as provas, e como eles foram mentidos por agências de inteligência e políticos que pareciam ter algo a esconder.

Hamilton disse em uma entrevista à CBC que “nós tivemos muitos céticos por aí, que realmente não queriam formar a Comissão. Os políticos não gostam que alguém olhe para trás para ver se eles cometeram um erro.” Na entrevista, Hamilton também revelou que Henry Kissinger era quem eles realmente queriam que dirigisse a Comissão.

Havia até mesmo membros da Comunidade de Inteligência que tinham histórias semelhantes para contar, incluindo o ex-diretor do FBI Louis Freeh, que apontou que havia partes do relatório que ele sabia serem falsas. Especificamente, Freeh disse que alguns dos terroristas suspeitos de realizar o ataque eram conhecidos pelas agências de inteligência há muito tempo, enquanto o relatório final da Comissão afirmou que essas agências não tinham conhecimento prévio dos terroristas.

A Comissão era tão frágil que uma coalizão de denunciantes de inteligência foi formada para contestar a história oficial. A coalizão consistia de agentes da NSA, do FBI e de outras agências, que disseram que havia evidências que foram intencionalmente ignoradas e deixadas de fora do relatório da comissão.

Considerando os muitos problemas com a Comissão, uma nova investigação é muito necessária.

Leia mais:



FBI Lança Fotos Nunca Antes Vistas do 11/09 do Acidente do Pentágono


























Fontes:
Activist Post: Citing “Conclusive Evidence” of Explosives, Families of Victims File Petition to Re-Open 9/11 Investigation

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;