RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

[Estudo] O Glifosato Contribui para o Aumento do Autismo

sexta-feira, 2 de março de 2018 |

Experimentos recentes em camundongos de laboratório autista estabeleceram uma conexão entre o autismo humano e os efeitos negativos do herbicida glifosato, alertou um arrepiante artigo do site científico Green Med Info.


O glifosato é o ingrediente ativado presente no herbicida prevalente Roundup, o qual é usado em culturas alimentares importantes. O produto químico tem efeitos deletérios na biologia humana, como a interrupção das bactérias benéficas encontradas no intestino.

Os pesquisadores observaram os paralelos entre o aumento acentuado do uso de glifosato e um aumento no número de casos de autismo durante o mesmo período de tempo. Eles acreditavam que o glifosato poderia explicar muitos dos sintomas e métricas biológicas do autismo, informou o Green Med Info.

Para testar sua hipótese, eles realizaram experimentos em camundongos, um animal de laboratório comum que pode desenvolver uma síndrome semelhante ao autismo humano.

Os pesquisadores usaram modelos múltiplos de camundongos em sua experiência. Um modelo consistiu em espécimes da espécie BTBR. Esses ratos são conhecidos por seus microbiomas de intestino mais fracos do que o normal. Um segundo modelo foi criado através da contaminação do cérebro de uma fêmea prenha com um produto químico, fazendo com que seus filhotes expressassem comportamentos autistas.

"Notavelmente, esses camundongos mutantes recapitulam quase toda a gama de sintomas autistas", observaram os pesquisadores.

Leia também: OMS: Glifosato da Monsanto Usado nos Transgênicos Pode Causar Câncer

Autismo ligado à perda de enzimas no cérebro e intestino

O estudo descobriu que o autismo em camundongos ocorreu quando seus cérebros não conseguiram produzir moléculas biológicas importantes como heparan sulfato (HS) que estão envolvidas no desenvolvimento adequado do cérebro e outras partes biológicas.

Os ratos BTBR são naturalmente incapazes de sintetizar o HS. O segundo modelo de ratos perdeu a capacidade porque a contaminação química do cérebro de sua mãe encerrou um gene que codifica uma enzima usada na síntese do HS.

Existem paralelismos em estudos de autismo humano. Se os glicogênios não produzem enzimas que ajudam a sintetizar o HS, o cérebro não se desenvolve corretamente, levando a uma chance muito maior de autismo na criança.

O site Green Med Info citou um estudo anterior, também envolvendo ratos BTBR, que revelou que problemas no microbioma intestinal poderia afetar o cérebro devido à conexão bidirecional proporcionada pelo eixo do intestino-cérebro.

O fígado normalmente transforma o colesterol em ácidos biliares que são armazenados na vesícula biliar ou sintetizados por bactérias intestinais para liberar taurina e glicerina. Mas os fígados dos ratos BTBR produziram quantidades menores de ácidos biliares e suas bactérias intestinais foram menos eficientes na síntese de taurina.

Leia também: Monsanto - O Veneno Transgênico

Glifosato, o grande disruptor enzimático

O artigo traçou essas deficiências genéticas a exposição intensa ao glifosato ao longo de muitas gerações. O glifosato demonstrou interromper as enzimas responsáveis ​​pela sintetização de ácidos biliares e taurina, e as culturas contaminadas pelo herbicida teriam sido transformadas em alimentos para ratos BTBR.

O produto químico também dificulta a produção do neurotransmissor serotonina e acetato, uma molécula usada para alimentar processos celulares. Baixos níveis de serotonina e acetato são típicos em crianças autistas deprimidas e apáticas.

Em suma, o estudo concluiu que o glifosato pode ser ligado ao autismo, porque desativa as enzimas importantes e os processos vitais envolvidos no desenvolvimento saudável e no crescimento de seres vivos como camundongos e humanos.

O glifosato goza de um uso generalizado como herbicida e agente de secagem. É pulverizado em trigo, cana-de-açúcar e outras culturas fundamentais que alimentam numerosos americanos e seus filhos.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), 2017 viu os níveis mais altos registrados de autismo nos últimos tempos. Quase uma em cada 36 crianças nos EUA é considerada autista.

Leia mais:


Roundup da Monsanto é Mais Perigoso do que Achávamos












Fontes:
Natural News: Is glyphosate contributing to the rise in autism? What mice models tell us…
GreenMedInfo: What We Can Learn from Mouse Models of Autism
Journal of Molecular and Genetic Medicine: The Possible Link between Autism and Glyphosate Acting as Glycine Mimetic - A Review of Evidence from the Literature with Analysis

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;