RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Os EUA Estão Matando Russos na Síria Intencionalmente?

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018 |

Depois de um ataque em 7 de fevereiro de militares dos Estados Unidos contra as "forças pró-regime" da Síria, rapidamente surgiram relatórios que os EUA haviam matado vários russos integrados com as forças sírias. Enquanto o governo russo permaneceu em silêncio, os EUA logo anunciaram que realmente mataram "um grande número" de russos naquele ataque aéreo. Mais tarde, a Rússia confirmou que os "civis" russos foram mortos, mas que nenhum soldado russo morreu. A Rússia colocou esses números em torno de cinco, enquanto os Estados Unidos declararam algumas dúzias. Relatórios das imprensas mainstream ocidentais estimam mais de cem russos mortos.


Então, em 15 de fevereiro, ocorreu outro incidente onde 15 russos morreram em uma aparente explosão fora de um depósito de armas administrado por uma empresa contratada russa. A própria explosão é suspeita, particularmente quando tomada no contexto do anterior assassinato de russos na Síria pelos militares dos EUA.

Não há dúvida de que os EUA mataram os russos em 7 de fevereiro. No entanto, há uma série de questões que surgem de ambos os incidentes, especialmente do primeiro.

Quem são os russos?

Os russos que foram mortos em ambos os incidentes na Síria são alegadamente parte d Wagner Group, uma empresa contratante russa com sede em Hong Kong. Embora os leitores devem ter cuidado ao analisar a informação produzida pela CNN, a agência de notícias afirma que o Wagner não possui escritórios públicos na Rússia. Tanto a CNN como a FOX relatam que o Wagner Group tem de centenas a milhares de contratados que operam na Síria neste momento. Acredita-se que a empresa tenha atuado no leste da Ucrânia, apoiando separatistas que lutaram contra forças nazistas apoiadas pelo Ocidente.

Por que eles estão lá?

Como foi o caso no leste da Ucrânia, a Rússia precisa implantar combatentes na Síria, que ajudará as forças militares sírias e as milícias aliadas no terreno, mas precisa fazê-lo secretamente. Afinal, a Rússia anunciou há algum tempo que estava tirando sua presença militar na Síria como resultado de muitos dos objetivos alcançados. Enquanto a Rússia tirava várias forças militares, os contratados privados também podem ser usados ​​para fortalecer forças sírias, ajudar com a logística e realizar outras operações, as quais os militares russos não deveriam estar envolvidos publicamente. Disfarçados, os contratados estão tecnicamente na folha de pagamento do governo sírio e, portanto, aparecem como se fosse simplesmente uma empresa russa privada envolvida em negócios com o governo sírio.

Embora a contratação militar privada junto ao governo sírio é possível, é muito mais provável que os contratados militares russos operem na Síria e na Ucrânia com o mesmo propósito - prover o governo russo com soldados em terra, bem como negação plausível (como podendo afirmar que a Rússia não tem tropas no terreno na Ucrânia). A Rússia é, portanto, capaz de realizar certas operações extraoficialmente e publicamente, reduzindo suas forças enquanto mantém soldados em terra.

Os EUA estão matando russos intencionalmente?

Obviamente, um ataque militar direto contra as tropas russas criaria uma situação internacional incrivelmente perigosa. Putin seria forçado a responder a esses ataques, quer quisesse ou não simplesmente em virtude de indignação pública, pressão política e para proteger a percepção da força russa aos olhos do mundo. Se os Estados Unidos usassem o incidente como se fosse um acidente, talvez a Rússia pudesse evitar responder fisicamente. No entanto, se os EUA admitirem a segmentação intencional, há poucas dúvidas de que algum tipo de confronto militar direto entre os dois poderes ocorreria como resultado.

Infelizmente, é possível que os Estados Unidos tenham apostado no fato de que o aspecto plausível da negação também impede a Rússia da resposta necessária que teria resultado se os ataques matassem soldados russos. A Rússia não vai entrar em guerra com contratados privados e os Estados Unidos sabem disso. Matar contratados russos torna-se uma maneira de exigir um preço contra a Rússia pelo apoio do governo sírio sem arriscar a Terceira Guerra Mundial em medida que teria feito o contrário. Os EUA então forçariam a Rússia a começar a realizar operações com forças regulares ou parar de realizar operações por completo. Da mesma forma, em um nível mais imediato e simplista, é capaz de interromper fisicamente as operações em andamento empreendidas pelos contratantes.

Matar russos em campo também é uma maneira de projetar força da mesma forma pervertida que os EUA têm feito o tempo todo. Em outras palavras, os EUA podem reivindicar ao mundo que é tão poderoso que pode entrar na Síria, ocupá-la e matar russos (apresentados ao mundo como soldados, alegando a ignorância da presença deles) e que a Rússia tem muito medo e/ou é fraca para fazer qualquer coisa sobre isso. Claro, esta não é a realidade da situação, mas a percepção dela tem efeitos tanto no país como no exterior que resultam em pressão sobre o governo russo, principalmente sobre seu presidente.

Conclusão

Embora não haja evidências diretas para sugerir que os Estados Unidos estão intencionalmente tendo como alvo os russos na Síria, é difícil ignorar o momento de ambos os incidentes. Dado que a Rússia frustrou a maioria dos planos dos EUA para a Síria, é claro que os Estados Unidos querem fazer com que a Rússia pague um preço pelo apoio do governo sírio, seja qual for a forma desse preço, ou seja, político, militar ou econômico. Independentemente disso, o bombardeio e o assassinato de contratados russos na Síria é uma nova escalada perigosa por parte dos Estados Unidos, cuja presença na Síria é ilegal e imoral.

Leia mais:


Relatório Bombástico: Estoque de Armas dos EUA Usado Pelo ISIS é Encontrado na Síria












Fontes:
Activist Post: Is The US Intentionally Killing Russians In Syria?
Reuters: Russian toll in Syria battle was 300 killed and wounded: sources
CNN: Several Russians killed in US airstrikes in Syria, friends say
Fox News: Thousands of Russian private contractors fighting in Syria

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;