RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Por que a "Conspiração dos Chemtrails" é Real

segunda-feira, 24 de agosto de 2015 |

Enquanto qualquer discussão sobre o fenômeno "chemtrail" hoje é imediatamente rotulada como teoria da conspiração, um novo estudo fornece evidências de que um programa secreto mundial está em andamento, tornado possível através de interesses políticos, comerciais e governamentais trabalhando em conluio para ostensivamente liberar material extremamente tóxico na atmosfera para "combater o aquecimento global."

É certo que, quando lidamos com o tema da "chemtrails", eu fico um pouco apreensivo. Como a ligação entre vacinas com autismo, alguns tópicos foram tão carregado de desinformação por tanto tempo que escrever sobre elas automaticamente invoca o espectro da controvérsia, e não a discussão aberta, como seria de se esperar caso descobrir a verdade fosse uma prioridade.

Um setor altamente marginalizadas mas vocal da população acredita que chemtrails estão sendo pulverizado sobre nós, como inseticidas em baratas pelos nossos senhores invisíveis para facilitar uma agenda de despovoamento. No outro extremo os acadêmicos publicam artigos sem pudor algum, sugerindo que deveríamos brincar de Deus, usando várias técnicas de geoengenharia com claros impactos globais para "combater o aquecimento global". No entanto, raramente vamos ver ninguém de forma convincente ligando dados observacionais de primeira mão com dados objetivos, para provar que há algo mais nestes contrails persistentes do que vapor de água congelada.

Felizmente, um estudo inovador foi publicado recentemente que fez exatamente isso, trazendo-nos mais perto da verdade do que jamais estivemos antes. As implicações são simplesmente profundas e eu acredito que pode fomentar enormemente a expansão da consciência e do ativismo sobre o tema.

Nova pesquisa comprova  que as cinzas volantes (Coal Fly Ash, ainda conhecido como cinzas de combustível pulverizadas) é o material fonte dos "Chemtrails"

O novo estudo publicado no Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública, intitulado "Evidência de Químicos Tóxicos de Cinzas Volantes de Carvão da Geoengenharia na troposfera: Consequências para a Saúde Pública", oferece uma explicação convincente para o que está por trás do chamado fenômeno "chemtrail", revelando que o material originário usado para criar clima artificial visível em todo o mundo é o resíduo extremamente tóxico do setor elétrico conhecido como cinzas volantes de carvão (ou também cinzas de combustível pulverizadas).

Se você ainda não está ciente, "chemtrail" é um termo coloquial usado para descrever os contrails persistentes (rastros persistentes de aviões), presumivelmente carregado de "produtos químicos", observados sebdi emitidos a partir de aeronaves que resultam na formação de padrões de nuvens artificiais. Sua existência foi quase universalmente aceita como "teoria da conspiração" pela mídia e governo apesar da evidência mundial - claro como o dia - que o clima está a ser manipulados com aerossóis, presumivelmente para fins de geoengenharia destinadas a compensar o aquecimento global.

O novo estudo, de autoria do residente de San Diego J. Marvin Herndon, foi iniciado depois que ele testemunhou sua região sendo pulverizada diariamente por um, até então tido como aerossol não identificado:

"Na primavera de 2014, o autor começou a notar que jatos-tanque muitas vezes produziam rastros brancos no céu azul sem nuvens sobre San Diego, Califórnia. O aerossol de pulverização que estava acontecendo com frequência crescente era um fenômeno relativamente novo lá. O ar quente e seco acima de San Diego não é propício para a formação de rastros de jato, os quais são ​​gelo condensado. Em novembro de 2014, os jatos estavam ocupados todos os dias cruzando o céu pulverizando suas pichações aéreas. Em questão de minutos, os rastros de aerossol que saem dos jatos começam a se difundir, eventualmente formando nuvens cirros, como que mais difusa para formar uma névoa branca que espalha a luz solar, muitas vezes causando oclusão ou escurecimento do sol. A pulverização de aerosóis ocasionalmente foi tão intensa que chegou a tornar o céu azul sem nuvens em um dia nublado, com algumas áreas do céu se tornando na cor marrom (Figura 1). Às vezes, as luzes de navegação do jatos eram visíveis conforme trabalhavam durante a noite, suas trilhas obscureciam as estrelas no céu; ao amanhecer o céu da manhã normalmente azul-claro já tinha uma névoa branca leitosa. Independentemente disso, a pulverização do aerossol frequentemente continuou durante todo o dia. A necessidade de borrifamento de aerossol diariamente decorre do relativamente baixa altitudes de pulverização na troposfera, onde a mistura com ar ocorre facilmente derrubando as partículas de aerossol e expondo a humanidade e biota da Terra à substância fina. A preocupação do autor sobre a exposição diária ao material particulado atmosférico ultra-fino de composição não revelada e seu efeito concomitante sobre a saúde de sua família e da saúde pública em geral deu origem à pesquisa aqui relatada".

A longa história de programas clandestinos de geoengenharia

Para aqueles que não têm testemunhado o fenômeno "chemtrail" diretamente, seria fácil amortizar o testemunho deste autor como duvidoso ou simplesmente anedótico. Mas o autor salienta justamente que já há extensa evidência no registro histórico dos programas secretos de geoengenharia, e que ele resume assim:

"Geoengenharia, também chamada de modificação do clima, foi levada a cabo ao longo de décadas em altitudes muito mais baixas na troposfera. As recentes chamadas para a discussão aberta de controle do clima ou geoengenharia tendem a obscurecer o fato de que os setores militares e civis do mundo modificaram as condições atmosféricas por muitas décadas como foi descrito pelo historiador da ciência, James R. Fleming [4]. Algumas das pesquisas anteriores de modificação do clima resultaram em programas como o Projeto Skywater (1961-1988), o esforço do US Bureau of Reclamation para fazer aengenharia dos "rios do céu "; Operação Ranch Hand do Exército os EUA (1961-1971), em que o herbicida Agente Laranja foi uma parte infame, e seu Projeto Popeye (1967-1971), usado para " fazer lama, não guerra" sobre Ho Chi Minh Trail. Esses poucos exemplos de modificação do clima, todos eles secreto no momento em que estavam sendo executados, mostram que o clima é, nas palavras dos militares, "um multiplicador de força" [5]."

O fato é que nós não precisamos especular se esses programas secretos ainda estão acontecendo, porque a evidência está "escondida às claras" para milhões verem diariamente. [Nota: Eu sugiro que você assistir "nuvens artificiais", para obter uma cartilha sobre a diferença entre ocorrem naturalmente rastros e "chemtrails".]

As verdadeiras questões aqui são: O que está sendo pulverizado? Quem está por trás do programa? Por que não há discussão pública sobre o programa e as suas implicações para a saúde humana e ambiental?

Cinzas volantes mais tóxicas que os resíduos radioativos

Embora esteja claro que os programas de modificação do tempo focados no aumento da precipitação estão sendo realizados em todo o país usando iodeto de prata, como recentemente exposto pelo documentário de nosso colaborador Dave Dahl "Nuvens Artificiais", cujo resultado são mudanças globais nos padrões climáticos, exemplificados pela mudanças de temperatura observadas após 11 de setembro, o programa global de geoengenharia parece ser uma ameaça muito maior para a saúde planetária.

O que a pesquisa de Herndon descobriu é que "Combustão cinzas volantes é a partícula aerossol mais provável pulverizada por jatos-tanques para fins de geoengenharia, modificação de tempo e clima e descreve algumas das múltiplas consequências na saúde pública."

Ele chegou a essa conclusão por meio dos seguintes métodos:

"São utilizados dois métodos: (1) Comparação de oito elementos analisados ​​em água da chuva, lixiviados de partículas em forma de aerossol, com os elementos correspondentes lixiviadas em água a partir de cinzas volantes de carvão em experimentos de laboratório publicados, e (2) Comparação de 14 elementos analisados ​​em pó recolhido ao ar livre em um filtro de ar de alta eficiência de partículas (HEPA) com elementos correspondentes analisados ​​no material de cinzas volantes de carvão não-lixiviado. Os resultados mostram: (1) o conjunto de elementos na água da chuva e do chorume experimental correspondente são essencialmente idênticos. Em um intervalo de 99% de confiança, eles têm médias idênticas (T-teste) e variâncias iguais (F-teste); e (2) o conjunto de elementos na poeira HEPA e nas médias das cinzas volantes de carvão não-lixiviada correspondente  também são essencialmente idênticos."

Cinzas volantes de carvão é um resíduo de partícula fina gerado por combustão do carvão e é um material extremamente tóxico por três razões principais:

1) Devido ao seu tamanho na escala de nanopartículas, não apenas que ele possa entrar mais facilmente no tecido humano, através da pele, oral, pulmonar ou contato, mas também pode ter uma maior toxicidade, devido à sua capacidade de imitar os hormônios e / ou de passar através das membranas celulares e alterando programas nucleares de alterar negativamente fenótipo celular.

2) Ele contém uma grande variedade de metais pesados, incluindo formas inorgânicas de alumínio e arsênio, que são altamente tóxicos para os sistemas biológicos. O seu teor de mercúrio pode variar até 1 parte por milhão.

3) Ele contém radioisótopos de baixa dose, que podem ter profundos e graves efeitos adversos crônicos para a saúde de várias ordens de magnitude maior do que as avaliações de risco toxicológicos presentes mostram. Herndon afirma, "As cinzas volantes de carvão tem sido descritas como sendo mais radioativas que os resíduos nucleares [24]."



Como Herndon afirma: "As consequências [da exposição às cinzas volantes de carvão] sobre a saúde pública são profundas, incluindo a exposição à uma variedade de metais pesados ​​tóxicos, elementos radioativos, e o neurologicamente implicado quimicamente alumínio móvel liberado pela umidade do corpo in situ após a inalação ou através de indução transdérmica".

Perturbadoramente, a EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos) decidiu recentemente que cinzas volantes de carvão não devem ser consideradas  "resíduos perigosos", 2 apesar da evidência esmagadora que contêm dezenas de compostos que apresentam individualmente um risco para a saúde humana e ambiental suficientemente grave para ser classificados e regulamentados como perigosos para a saúde.

Quando você considera que a EPA requer o usinas elétricas a carvão sequestrem as cinzas volantes de carvão, devido à sua toxicidade conhecida como poluente, a hipocrisia aqui é surpreendente. Naturalmente, esta decisão seria proteger aqueles que orquestram a agenda da geoengenharia por trás das cenas que usam um subproduto tóxico da indústria de energia elétrica: milhões de toneladas de cinzas volantes de carvão, como uma substância "benéfica" usada para "combater o aquecimento global", embora o resultado final é o mesmo: liberação de um material altamente tóxico diretamente na troposfera.

O lucro e não a evidência move a Agenda da Geoengenharia

Nós já temos exemplos de como isso funciona. O setor privado, como a indústria de alumínio, é conivente com o governo em tomar um produto de resíduos altamente tóxicos como o fluoreto, e em seguida, pressionar para que seja legalmente mandatável para ser colocado no meio ambiente e nossos corpos através de programas de fluoretação. De repente, a indústria responsável pela concentração e desencadeamento de uma substância que não é legal despejar no ambiente devido às preocupações de segurança é paga para tê-la despejada diretamente no nosso abastecimento de água, a qual acaba em nosso ambiente e corpos. Uma substância altamente tóxica é simplesmente readaptada e rebatizada como "terapêutica" quando o lucro é atraente o suficiente para trunfo ético e limites legais.

Leia também:  [FILME] A Farsa do Flúor – (The Fluoride Deception

A partir de 2005, as usinas de carvão dos EUA relataram a produção de 71,1 milhões de toneladas de cinzas volantes, dos quais 29,1 milhões de toneladas foram relatadamente reutilizadas para aplicações industriais. Se não fosse por esta "reciclagem" a indústria ficaria com um problema de bilhões de dólares, não muito diferente de problema da indústria nuclear com o lixo nuclear. É aí que reside sozinho um motivo plausível para a sua utilização como ingrediente de "geoengenharia", transformando um passivo em um centro de lucro.

Herndon oferece esclarecimentos adicionais sobre o porque ele acha que as cinzas volantes de carvão foram escolhidas como o ingrediente preferido da geoengenharia:

Enquanto os acadêmicos debatem a geoengenharia como uma atividade que pode, potencialmente, ser necessária no futuro [2,3], as evidências sugerem que os governos militares/ocidentais avançaram com um programa de geoengenharia operacional de total escala. Mas em vez de minerar e moer rocha para produzir cinzas vulcânicas artificiais em volumes suficientes para arrefecer o planeta, eles adotaram uma alternativa pragmática de baixo custo, mas com consequências muito mais terríveis para a vida na terra do que o aquecimento global jamais seria, utilizando cinzas volantes de carvão. Para piorar a situação, em vez de colocar o material na estratosfera, onde há mistura mínima e a substância pode permanecer suspensa durante um ano ou mais, eles optaram por pulverizar as cinzas volantes de carvão na baixa atmosfera, a troposfera, a qual se mistura com o ar que as pessoas respiram e desce com a chuva para a terra.

Outro ponto muito importante feito por Herndon é que essa abordagem intervencionista para "combater o aquecimento global" parece ter sido mal pensada, talvez resultando em exatamente o oposto da intenção declarada:

"Existe ainda uma outra consequência da pulverização das cinzas de carvão troposférico que é contrário ao resfriamento da Terra e tem potencialmente implicações adversas de longo alcance de saúde pública ecológica: modificação do clima e perturbação concomitante de habitats e fontes de alimentos. Conforme relatado pela NASA, "A criação de gotículas precipitações normais envolve a condensação de vapor de água em partículas nas nuvens. As gotículas eventualmente se aglutinam em conjunto para formar gotas grandes o suficiente para cair para a Terra. No entanto, conforme mais e mais partículas de poluição (aerossóis) entram em uma nuvem de chuva, a mesma quantidade de água se espalha. Estas pequenas gotas de água flutuam com o ar e são impedidas de crescer e de coalescer suficientemente à uma gota de chuva. Assim, a nuvem produz menos precipitação ao longo do seu tempo de vida em comparação com uma nuvem limpa (não poluída) de mesmo tamanho [42]. Além de prevenir  as gotas de água de coalescer e crescer grande o suficiente para caírem na Terra, as cinzas, que se formaram sob condições anidras, irão hidratar, prendendo a umidade adicional, atuando ainda mais para evitar a precipitação. Isso pode causar secas em algumas áreas, inundações em outras, quebra de safra, mortandade em florestas e impactos ecológicos adversos, especialmente em conjunto com a contaminação química do alumínio móvel a partir de cinzas de carvão. As consequências, em última instância, podem ter efeitos devastadores sobre os habitats e reduzir a produção de alimentos humanos".

Herndon nos deixa com considerações finais difíceis de ignorar, incluindo uma chamada à ação que espero que os nossos leitores levem a sério:

Mais de meio século atrás, Rachel Carson chamou a atenção do mundo para as consequências não intencionais dos herbicidas e pesticidas amplamente utilizados pela agricultura. Em vez de fechar os olhos, as pessoas em toda parte se motivaram para parar o pior deste ataque ambiental. Hoje estamos plenamente conscientes da vasta rede interligada de dependências e simbioses que compõem a vida em nosso planeta. A Terra existe em um estado de dinâmico equilíbrio biológico, químico e físico, cuja complexidade excede em muito a compreensão da ciência contemporânea. A pulverização troposférica penetrante de cinzas volantes de carvão ameaça esse equilíbrio, cuja delicadeza ou cuja resiliência não podemos quantificar. A saúde humana está em risco como é biota da Terra. Será que estamos a permanecer em silêncio? Ou será que vamos exercer nosso direito primordial para falar em nossa própria defesa como uma espécie e questionar a sanidade de borrifar cinzas volantes de carvão na atmosfera perpetuamente em movimento da Terra?

Participe também da discussão no Fórum Anti-NOM.

Referências:
1 "Fly Ash in Concrete" (PDF). perkinswill.com. 2011-11-17. Retrieved 2013-11-19. Fly ash contains approximately one part per million of mercury.
2 EPA 2014, Final rule: disposal of coal combustion residuals from electric utilities, Environmental Protection Agency, Washington D.C.
3 American Coal Ash Association. "CCP Production and Use Survey" (PDF).

Leia mais:


Neurologista Adverte que o Alumínio dos Chemtrails Pode Provocar um "Aumento Explosivo de Doenças Neurodegenerativas"







Jornal Brasileiro Publica a Mais Completa Matéria sobre Geo-Engenharia já Feita no Brasil. Confira!






Fontes:
- Green Med Info: Why the "Chemtrail Conspiracy" Is Real
MDPI: Evidence of Coal-Fly-Ash Toxic Chemical Geoengineering in the Troposphere: Consequences for Public Health

Nenhum comentário:

Posts Relacionados
 
;