RSS do Blog Anti-NOMBlog Anti-NOM no Google Mais Twitter do Blog Anti-NOM Facebook do Blog Anti-NOM

Soja Trangênica Ligada a Esterilidade e Mortalidade Infantil

sexta-feira, 7 de maio de 2010 |
"Este estudo era apenas de rotina", disse o biólogo russo Alexey V. Surov, no que acabar como sendo o eufemismo do século. Surov e seus colegas tentavam descobrir se a soja trangênica (geneticamente modificada) da Monsanto, cultivadas em 91% dos campos de soja americanos (e em 71% da safra brasileira ) levaria a problemas no crescimento e reprodução. O que ele descobriu poderá colocar de cabeça para baixo uma indústria multi-bilionária.

Após a alimentar hamsters por dois anos ao longo de três gerações, aqueles na dieta trangênica, e especialmente o grupo com a dieta com o máximo de soja trangênica, apresentaram resultados devastadores. Até a terceira geração, a maioria dos hamsters alimentados com soja trangênica perdeu a capacidade de ter filhos. Eles também sofreram um crescimento mais lento, e uma alta taxa de mortalidade entre os filhotes.

E se isso não for chocante o suficiente, alguns hamsters na terceira geração ainda tinham cabelo crescendo dentro de suas bocas, um fenômeno raramente visto, mas aparentemente mais prevalentes em hamsters se alimentando de soja trangênica.

O estudo, realizado conjuntamente pelo Instituto Surov de Ecologia e Evolução da Academia Russa de Ciências e a Associação Nacional de Segurança genẽtica, deverá ser publicado em três meses (julho de 2010), de modo que detalhes técnicos terão de esperar. Mas Surov forneceu um esboço em um email (para o autor deste artigo).

Ele usou hamsters Campbell, com uma taxa de reprodução rápida, divididos em 4 grupos. Todos foram alimentados com uma dieta normal, mas um grupo foi sem soja, outro teve soja não-transgênica, um terceiro grupo usou soja transgênica, e um quarto continha quantidades mais elevadas de soja trangênica. Eles utilizaram cinco pares de hamsters por grupo, cada um dos quais produziram 7 a 8 ninhadas, totalizando 140 animais.

Surov disse ao jornal Voz da Rússia:

"Inicialmente, tudo correu bem. No entanto, percebemos um efeito bastante grave quando selecionamos novos pares de seus filhotes e continuamos a alimentá-los como antes. A taxa de crescimento destes pares foi mais lento e atingiram sua maturidade sexual lentamente."

Ele selecionou novos pares de cada grupo, o que gerou outras 39 ninhadas. 52 filhotes nascidos para o grupo de controle e 78 para o grupo se alimentando com soja não-trangênica. No grupo da soja transgênica, no entanto, nasceram apenas 40 filhotes. E destes, 25% morreram. Esta foi uma taxa de mortalidade cinco vezes maior do que os 5% observados entre o grupo de controle. Dos hamsters que comeram alto teor de soja trangênica, apenas uma única hamster fêmea deu à luz. Ela teve 16 filhotes, dos quais morreram cerca de 20%.

Surov disse: "O baixo número na F2 [terceira geração] mostrou que muitos animais eram estéreis."

O estudo a ser publicado também irá incluir medidas do tamanho do órgão para os animais de terceira geração, incluindo os testículos, baço, útero, etc. E se a equipe puder levantar fundos suficientes, eles também irão analisar os níveis de hormônio nas amostras de sangue coletadas.
  • Cabelo que cresce na boca
No início deste ano, Surov foi co-autor de um estudo em Ciências Biológicas Doklady mostrando que, em casos raros, cabelo crescia dentro de bolsas recuadas dentro da boca dos hamsters.

"Algumas dessas bolsas continham pêlos simples, outros, feixes grossos de pêlos incolor ou pigmentados, alcançando a superfície de mastigação dos dentes. Às vezes, a fileira de dentes foi cercada com uma escova de feixes de cabelo regular em ambos os lados. Os cabelos cresceram verticalmente e tinham pontas afiadas, muitas vezes cobertos com pedaços de mucosa ".

Na conclusão do estudo, os autores supôem que este defeito pode ser devido à dieta dos hamsters criados em laboratório. Eles escrevem: "Esta patologia pode ser exacerbada por elementos do alimento que estão ausentes nos alimentos naturais, tais como geneticamente modificados (trangênicos) ingredientes (trangênica de soja ou farinha de milho) ou contaminantes (pesticidas, micotoxinas, metais pesados, etc.) ". Na verdade, o número de hamsters com pelos na boca era muito maior entre a terceira geração de animais alimentados com soja trangênica do que em quaisquer que Surov tinha visto antes.
  • Estudos Preliminares , mas Assombrantes
Surov adverte contra conclusões iniciais. Ele disse: "É bastante possível que os trangênicos não causem esses efeitos por si só." Surov quer fazer a análise dos componentes alimentar uma prioridade, para descobrir exatamente o que está causando o efeito e como.

Além dos trangênicos, poderiam ser os contaminantes, disse ele, ou maior resíduos de herbicidas, como o Roundup (também da Monsanto). Há, de fato, níveis muito mais elevados de Roundup nestes grãos, eles são chamados de "Roundup Ready". Genes bacterianos são inseridos em seu DNA a fim de que as plantas possam tolerar o herbicida Roundup, da Monsanto. Portanto, a soja trangênica sempre carrega a ameaça dupla de maior teor de herbicida, juntamente com todos os efeitos secundários da engenharia genética.
  • Anos de Distúrbios Reprodutivos de Alimentos Trangênicos
Os hamsters de Surov são apenas os últimos animais a sofrerem de distúrbios reprodutivos após consumo de transgênicos. Em 2005, Irina Ermakova, também com a Academia Russa de Ciências, informou que mais de metade dos bebês de mães ratos alimentados com soja trangênica morreram dentro de três semanas. Foi também cinco vezes superior à taxa de mortalidade de 10% do grupo da soja não-trangênica. Os filhotes do grupo trangênico também foram menores (veja a foto abaixo) e não poderiam se reproduzir.

Em uma coincidência , após a triagem de alimentação de Ermakova, seu laboratório começou a alimentar todos os ratos na instalação com uma ração comercial de soja trangênica. Dentro de dois meses, a mortalidade infantil em toda a instalação chegou a 55%.


Quando Ermakova alimentou os ratos machos com soja trangênica, os testículos mudaram de cor de rosa normal para azul escuro! Cientistas italianos, da mesma forma, encontraram alterações nos testes com ratos (PDF), incluindo células danificadas jovens de esperma. Além disso, o DNA de embriões de ratos machos alimentados com soja trangênica funcionava de forma diferente.

Um estudo do governo austríaco, publicado em Novembro de 2008 mostrou que, quanto mais milho transgênico foi administrado a camundongos, menos bebês eles tinham (PDF), e menor os bebês eram.

O fazendeiro de Central Iowa Farmer Jerry Rosman também teve problemas com porcos e vacas se tornando estéreis. Alguns de seus porcos ainda tiveram gravidez falsas ou deram à luz a sacos de água. Depois de meses de investigações e testes, ele finalmente rastreou o problema como sendo a alimentação com milho trangênico. Cada vez que um jornal, revista ou programa de TV reportava os problemas de Jerry, ele recebia chamadas de mais agricultores queixando-se de esterilização de animais em suas fazenda, devido ao milho trangênico.

Os pesquisadores da Baylor College of Medicine descobriram acidentalmente que os ratos alimentados com sabugo de milho "nem procriavam ou apresentava comportamento reprodutivo. Testes com o material de milho revelou dois compostos que pararam o ciclo sexual das fêmeas, em concentrações aproximadamente 200 vezes menores do que os fitoestrógenos clássicos." Um composto também reduziu o comportamento sexual masculino e as duas substâncias contribuíram para o crescimento de glandulas mamárias e de culturas de células cancerosas da próstata. Os pesquisadores descobriram que a quantidade das substâncias variavam nas diferentes variedades de milho trangênica. O sabugo de milho moído usado no estudo foi provavelmente enviado de Iowa central, perto da fazenda de Jerry Rosman e de outros que se queixam de animais estéreis.

Em Haryana, na Índia, uma equipe de veterinários investigar relataram que búfalo que consomem algodão trangênico sofrem de infertilidade, bem como abortos frequentes, partos prematuros, e úteros com prolapso. Muitos búfalos adultos e jovens também morreram misteriosamente.
  • Negação e Ataque aos Pesquisadores
Cientistas que descobrem resultados negativos a partir de trangênicos são regularmente atacados, ridicularizados, tem negado seus financiamentos, e até mesmo demitidos. Quando Ermakova relatou a alta mortalidade infantil entre filhotes de ratos alimentados com soja trangênica, por exemplo, ela apelou para a comunidade científica para repetir e verificar seus resultados preliminares. Ela procurou também fundos adicionais para analisar órgãos preservados. Em vez disso, ela foi atacada e vilipendiada. As amostras foram roubadas de seu laboratório, os papéis foram queimados em sua mesa, e ela disse que seu chefe, sob a pressão de seu patrão, disse-lhe para parar de fazer qualquer pesquisa de organismos geneticamente modificados. Ninguém ainda repetiu os estudos simples e baratos de Ermakova.

Na tentativa de oferecer a sua simpatia, um dos seus colegas sugeriu que talvez a soja transgênica vai resolver o problema de super-população!

Surov relatou que até agora ele não está sob qualquer tipo de pressão.

Abandonando a Massiva Experiência de Alimentação Trangênica

Sem testes detalhados, não se pode identificar exatamente o que está causando as aberrações reprodutivas em hamsters e ratos russos, camundongos italianos e austríacos e gado na Índia e América. Podemos apenas especular sobre a relação entre a introdução de alimentos geneticamente modificados em 1996, e o correspondente aumento em bebês de baixo peso, infertilidade e outros problemas entre a população americana. Mas muitos cientistas, médicos e cidadãos interessados não acreditam que o público deve continuar a ser animais de laboratório para a maciça experiência descontrolada da indústria de biotecnologia.

Alexey Surov diz: "Não temos o direito de utilizar trangênicos até que entendamos os possíveis efeitos adversos, não só para nós mesmos, mas também para as futuras gerações. Definitivamente precisamos de estudos totalmente detalhados para esclarecer isso. Qualquer tipo de contaminação tem de ser testada antes de serem consumidas, e os trangênicos são apenas uma delas."

Fontes:
Huffington Post: Genetically Modified Soy Linked to Sterility, Infant Mortality in Hamsters
Responsible Technology: Genetically Modified Soy Linked to Sterility, Infant Mortality
Illinois Times: Are genetically modified foods harmful?

5 comentários:

susu disse...

muito interessante.
tenho acompanhado as reportagens que são postadas
neste blog e fico imprecionado como nós somos manipulados pela rede globo que não fala nada a respeito dos efeitos nocivos da vacina entre outras coisas que acontessem no mundo parei de acreditar nas reportagem desta rede porca e manipuladora.
Parabens para a equipe de redação do anovaordemmundial.

cris disse...

Excelente matéria. Parabéns.

Emerson disse...

Obrigado Susu!

otavio disse...

bahhh... muito iinteressante!! eu n assisto mais a globo tambem e nenhuma emissora de tv pois elas manipulão a opinião popular!

Marlon.... disse...

Gostaria de levantar algun pontos sobre transgenia, ou soja transgenica.
Saibam todos que nao e a soja da Monsanto o primeiro e unico alimento transgenico existente no mundo!
Apenas a soja por ser uma das culturas mais difundidadas e plantadas en todo mundo, pelo fato de envolver bilhoes de dolares desde seu plantio ate a colheita, e para quem nao conhece, e so critica, com a soja geneticamente modificada,a humanidade pode produzir muitomais do que produzia antes, e poluindo muito menos o ambiente, pois ela e apenas resistente a un herbicida dessecante chamado glifosato, que e usado para o controle de plantas daninhas, o que pode ser aplicado sobre a soja sem mata-la, e e de classificacao toxica muito baixa do contrario aos que eram usados antigamente em plantios convencionais,uqe era necessario aplicar varios principios, muito toxicos ao homen ao ambiente, o que hoje se esta evitando.
E digo mais, a esse pessoal que e contra aos transgenicos, que a partir de hoje parem de comer, pois dificilmente ha algum alimento que nao seja, ou nao tenha alguma procedencia transgenica, por exemplo carne,pois qual e a base de proteina que se alimentam os animais hoje?? SOJA,e provavelmente transgenica.
Estamos caminhando para o combate a fome mundial, e so se acaba com a fome produzindo mais alimentos.A transgenia e uma ferramenta para isso!!!!!

Posts Relacionados
 
;